23/12/2011

Gigantes estaduais?

Vinícius Dias

Se no Campeonato Mineiro, desde o título do Ipatinga em 2005, os clubes de Belo Horizonte têm monopolizado as conquistas, no cenário nacional, pelo menos em 2011, a realidade foi muito diferente. Enquanto as equipes do interior somaram acessos e boas campanhas, o trio da capital colecionou fracassos.

Sem um estádio 'fixo' e diante da necessidade de vendas, Cruzeiro e Atlético se desfizeram de atletas importantes, como Diego Tardelli e Thiago Ribeiro. Daí então, tecnicamente enfraquecidos, conviveram com a latente ameaça de Rebaixamento, extirpada apenas nas rodadas finais.

Rivais, Raposa e Galo decepcionaram
(Créditos: Douglas Magno/Vipcomm)

Já o América, com orçamento bastante inferior, e atenções dividas entre o futebol e a reforma do Estádio Independência, não teve a mesma sorte. Rebaixado na 36ª rodada, o Coelho permaneceu no Z4 em grande parte da competição - 33 das 38 rodadas -, acumulando marcas negativas.

Enquanto isso, os clubes do interior brilharam. Comandado por Nedo Xavier, o Boa Esporte foi a grande surpresa da Série B, terminando em quinto lugar; o Ipatinga, de Ney da Matta, teve sucesso na Série C e confirmou o retorno à Segundona; ao passo que o Tupi, dirigido por Ricardo Drubscky, superou o Santa Cruz, garantindo a inédita conquista da Série D e o acesso.

Entenda melhor:

> Com a presença total de 90.370 torcedores (em suas 19 partidas como mandante), o América/MG é dono da pior média de público do Campeonato Brasileiro 2011: pouco mais de 4.700 pessoas/jogo.

> Os três clubes de BH, compõem o trio que mais se deslocou quando da realização de partidas como mandante. Sete Lagoas, Ipatinga, Uberlândia e, até mesmo, Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, receberam jogos dos belorizontinos.

Aos clubes do interior, merecidos elogios.
E ao trio da capital, os questionamentos.

O que faltou: planejamento aos dirigentes e equipes?
Comprometimento aos atletas? O apoio do torcedor? 

4 comentários:

  1. Um ano para se esquecer,principalmente para o Cruzeiro acostumado a grandes conquistas esse ano brigou para não cair,foi um fim de ano muito tenso para toda a nação celeste, já o Atlético como sempre fez a sua campanha que a torcida já esta acostumada né.. acredito que o America sobe ano que vem,a base é boa e a diretoria é seria,que em 2012 os mineiros possam dar a volta por cima é nos uai!

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente esse foi um dos piores anos do clubes mineiros (da capital) , o que mais é triste é ver que comemoram a permancia na serie A . Um dos principais problemas que tivemos que enfrentar esse foi justamente a deslocação para varias cidades ou seja a ausencia do Mineirão ! Que causou prejuizos financeiros entre outros ! Em 2012 teremos o Independia , vamos ver o desempenho de Cruzeiro , Atlético e América.2011 é um ano para se esquecer com certezas para esses times e torcedores !

    ResponderExcluir
  3. Só discordo do título. O Título em primeira impressão coloca em cheque a grandeza de Cruzeiro e Atlético. Mesmo do ano ruim em 2011, Cruzeiro e Atlético jamais perderam o brilho de suas camisas. E falta de planejamento também é um pouco exagerado. Fica dificil de manter qualquer tipo de planejamento com o um prejuízo de quase 30 milhões para ambos os Clubes sem o Mineirão.

    ResponderExcluir
  4. Falando sobre o Cruzeiro...

    Sim.. esse ano foi ruim.. desde 2003 não ganhamos um campeonato de expressão.. mas fomos finalistas da Libertadores em 2009 e bem nos outros campeonatos Brasileiros...

    O Mineirão faz uma falta absurda, sem dúvidas...

    Porém, sinto um processo de "apequenização" do Cruzeiro... reflexo da gestão desleixada do Zezé Perrella nestes ultimos anos.

    Espero que o Dr. Gilvan mude isso, pois "viver" só de Mineiro, não dá...

    ResponderExcluir