09/01/2013

Revolução, ainda que tardia!

Salve, China Azul!

Em primeiro lugar, gostaria de desejar um ótimo 2013 a todos, e dizer que é um prazer ter este espaço para dividir as minhas opiniões, críticas, sugestões e cornetagens com vocês. E o ano já começou agitado pros lados da Toca da Raposa. Mas, parodiando o famoso dístico que estampa a bandeira do estado de Minas Gerais, acho que já era tempo de uma mudança de ares se abater e trazer energias renovadas ao Cruzeiro. 

Mudanças são traumáticas. O torcedor ficou enfurecido com a venda de Montillo e ameaçou uma crise na relação com a diretoria, mas não pode se queixar do que vem sendo feito até aqui no que diz respeito aos contratados para o ano que se inicia. Para se ter uma noção da melhora no trabalho, basta comparar as contratações feitas para a temporada 2012 e as que estão sendo feitas para o ano atual. Ano passado surgiram nomes desconhecidos e apostas, das quais, talvez, só Thiago Carvalho tenha sido aprovado. 

Agora, nessa nova empreitada de contratações, o Cruzeiro já se reforçou com nomes consagrados como Diego Souza e Dagoberto, e jovens valores como Ricardo Goulart, Lucca, Éverton Ribeiro e Nilton, destaques dos clubes de onde vieram. Para completar ainda foram contratados os zagueiros Paulão, Nirley e Bruno Rodrigo, que, apesar de não serem do mais alto escalão, são muito mais seguros dos que os que por aqui andaram. 

Mas, como nenhuma revolução seria completa sem um 'bota-fora', também é preciso destacar a quantidade de jogadores que deixou o clube, entre eles alguns dos mais criticados pela torcida e pela imprensa nas últimas temporadas. Enfim, uma tremenda faxina.

Futuro promissor...

Agora, se o recém-contratado treinador Marcelo Oliveira vai conseguir transformar esse material humano em um grande TIME de futebol, só o tempo dirá. Mesmo com atraso, acredito que o Cruzeiro esteja caminhando para um futuro mais promissor e que o elenco que começa 2013 é o melhor dos últimos oito ou nove anos. 

O Cruzeiro pode oficializar o uso de numeração fixa para 2013. A informação ainda não foi confirmada pela diretoria mas, ao que tudo indica, será. Eu, particularmente, acho a ideia válida demais. Numeração fixa cria identidade entre atleta e clube e entre torcida e atleta. E vocês, o que pensam?

Nenhum comentário:

Postar um comentário