15/05/2013

Caiu no Horto, tá morto!

Gaaalooo! Saudações, massa!

É o ditado que não sai de moda. E a cada partida, o Atlético faz valer o bordão da massa. Que canta insanamente, abate o time rival. O Cruzeiro foi apenas mais uma vítima do Galo do Horto. Que Galo! 3 a 0 de futebol que está sobrando e, de fato, é o melhor do Brasil. É muito orgulho que tenho do trabalho e da serenidade desta equipe. Que diante da torcida, não importa contra quem, e nem a competição, soma exibições de gala, digo, de Galo!

Minha saudade do antigo clássico no Mineirão é logo esquecida ao ver o Independência em preto e branco. É a cara. É a casa desse alvinegro. Obviamente, um clássico com duas torcidas, meio a meio, no Mineirão, é emblemático. Chega a dar saudade, certas vezes. Dois gritos. Cantos de lá, cantos de cá. Mas, tudo é deixado de lado ao depararmo-nos com a força do Horto. É impressionante.

A equipe dá "show". E a torcida, próxima ao campo, canta sem parar. O frisson faz tremer a Arena. Quando sai o gol, meu amigo, é uma energia que nossos adversários jamais conseguiram suportar. No último domingo, todos, honrando a camisa do Atlético, deram mais uma resposta digna a quem desconfiou do trabalho. Abatido, o Cruzeiro esteve próximo de sair goleado do caldeirão.

Ainda assim, a humildade dos atletas, comissão técnica e diretoria está presente. Nós torcedores, porém, cumprimos nosso papel: não deixar de celebrar esta equipe que encanta. Não só a nós, como a todo o Brasil. Domingo que vem, se Deus quiser (no embalo do cristão Cuca), mais um mineiro vem para o lado de cá. Onde cantamos mais alto, onde raposa alguma canta. E onde nenhum outro torcedor, a não ser do nosso Galo, cantará tão cedo.

Porque, caiu no Horto, tá morto!

Nenhum comentário:

Postar um comentário