21/08/2013

Vamos, vamos, Cruzeiro!

Douglas Zimmer

De volta às listas dos favoritos para conquistar os torneios que disputa, o Cruzeiro se vê novamente frente a frente com o Flamengo. Dois times calejados deste tipo de disputa, seja em torneios nacionais, seja em competições internacionais. E que buscam a reafirmação frente às suas torcidas. Há dez anos, mineiros e cariocas chegaram até a grande final da Copa do Brasil.

Depois de uma campanha sólida, o Cruzeiro chegou à final com um time comandado por Alex, Aristizábal e Deivid, e que tinha vocação ofensiva transparecendo em praticamente todas as partidas que disputava. Talvez esse fosse o grande segredo daquele time, que, além disso, tinha uma defesa relativamente equilibrada. Guardadas as devidas proporções e comparações, há traços daquele sistema no Cruzeiro atual.

Em 2012, Raposa bateu o Flamengo
(Créditos: Ramon Bitencourt/Vipcomm)

Mesmo sem contar com um jogador que se destaque tanto como fez Alex, Marcelo Oliveira consegue armar a equipe de uma maneira que mantenha sempre um ataque volumoso contra o adversário. Se o meio campo conseguir equilibrar marcação com chegada, temos tudo para vencer o Flamengo e encaminhar a classificação.

Ótimas lembranças...

Durante os 180 minutos em que se enfrentaram em 2003, Cruzeiro e Flamengo mostrarm o porquê de estarem naquela final. Hoje em dia, ambos passam por problemas distintos, mas estão devendo nos últimos anos. Os dois times foram bem em 2009, mas, de lá para cá, têm perambulado na zona da marola na classificação do Brasileirão e protagonizando campanhas medíocres nas outras competições. Eis uma baita oportunidade para ambos buscarem o retorno ao topo.

Em 2003, Alex foi o 'maestro' celeste
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Arquivo)
Agora, mantendo o foco no Cruzeiro, é hora de fazer valer a força do elenco. Disputar duas competições com almas tão distintas não é pra qualquer um e, se houver um planejamento errôneo, um descuido no torneio A pode ter consequências devastadoras no torneio B.

Hora de ver e rever os vídeos daquele jogo memorável onde vencemos não só a Copa do Brasil pela quarta vez, mas também a desconfiança de todos que não acreditavam que aquele time poderia render frutos. E aquela vitória seria apenas o começo do que seria um ano inesquecível. Que tal comemorar os dez anos de maneira inesquecível?

Força, Cruzeiro!
Traz essa Copa para casa!

Um comentário:

  1. Quando Dagoberto e Júlio Babtista entrarem no time titular, nem a arbitragem do eixo rio-sp irá nos parar.

    ResponderExcluir