02/09/2013

Mais bola... e menos gols!

Vinícius Dias

A expulsão do lateral Vitor, já na segunda etapa, parecia ter facilitado a missão do Atlético diante do Goiás... Engano! Durante os 23 minutos em que esteve com um jogador a mais, o time mineiro não ameaçou a meta esmeraldina. No jogo, foram nove finalizações, ante 11 alviverdes. Mesmo com quatro avantes ao fim do jogo, o time foi menos vibrante, e parecia satisfeito com o 0 a 0.

Mais bola, menos gols: o novo Galo
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Retrato de um mês negativo. Em nove jogos foram cinco empates, duas derrotas e apenas duas vitórias. Um mês após festejar a Libertadores, a 13ª posição no Brasileirão e o fim do sonho na Copa do Brasil - sofrendo seis gols em dois jogos - são sinais de alerta. Não só para a zaga. A má fase passa pela saída de Bernard, pelos poucos gols de Jô e, claro, pela nova postura.

Paradoxo alvinegro

A agilidade e o poder de fogo da Copa Libertadores - quando marcou 29 gols em 14 duelos - dão lugar à valorização da posse de bola. Mais bola, menos gols. No Brasileirão, o Galo tem o segundo ataque menos positivo. Em 16 jogos, soma 15 gols. Superior apenas ao lanterna Náutico. O time aparece entre os quatro que menos finalizam. E é o segundo que menos acerta o alvo, com 33%.

O novo Atlético teve mais a bola - e fez bem menos.
Prova de que "acordar" em dezembro pode ser tarde!

Nenhum comentário:

Postar um comentário