23/11/2013

Valeu, Horto!

Alisson Millo

Na reta final rumo ao Mundial de Clubes, o Atlético volta a campo neste sábado, às 21h, na Arena Independência. O jogo contra o Goiás marca a despedida do Galo do local em que viveu um ano especial. Se os troféus foram erguidos no Mineirão, é impossível contar a história das conquistas sem o estádio do Horto.

Desde a reabertura, apenas uma derrota. Em 2012, a conquista do título mineiro e o vice do Brasileiro. Bom? Sim! Suficiente? Não! Veio dois-mil-e-Galo, e o estádio foi ainda mais importante. O troféu do estadual não foi levantado lá. Porém, um três a zero diante do rival praticamente selou a conquista. E sobre a Libertadores, faltam palavras para descrever tudo o que aconteceu ali.

Show alvinegro em dois-mil-e-Galo
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Vamos à lista. Goleada acachapante frente ao Arsenal de Sarandí, e com direito a revolta dos atletas argentinos. Eliminação do antes temido São Paulo, com vitória por 4 a 1, em noite inspirada de Jô. Ante o Tijuana, o susto, as (quase) malditas máscaras e a "canonização" do santo Victor, dono do pé de Deus.

Santo atleticano...

Diante do Newell's, o misterioso (porém, divino) 'apagão' e um gol depois dos 50 minutos na segunda etapa. Na disputa de pênaltis, o misto de emoção, tristeza e alegria, com as três cobranças desperdiçadas pelo adversário. Uma classificação e um duelo antológico. Talvez o mais emocionante da história do estádio.

'Festa no Horto': 83,3% no estádio
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Teve o "choro" de Bernard, um garoto tratado como craque, de maneira merecida, que mostrou amor e gratidão a sua origem. A redundância da 'genialidade' de um dos maiores jogadores de toda a história: Ronaldinho Gaúcho. As lágrimas de um técnico que o torcedor atleticano aprendeu a valorizar, a querer bem.

R10: gênio gaúcho

Vamos, mas voltamos. E voltamos com o título do Mundial de Clubes, de preferência... Em 2014 nos reencontramos, Independência! Vamos ali, ao Marrocos, e, a partir de janeiro, voltamos a 'matar' vítimas e adversários em seu gramado, em nosso 'cemitério'. Porque, caiu no Horto, tá morto! Caiu em Marrakech... A gente pensa em dezembro! Valeu, Horto! Valeu a Libertadores!

Nenhum comentário:

Postar um comentário