18/12/2013


Após altos e baixos, lateral formado na base tem chance de
cravar nome na história alvinegra com o título em Marrocos

Vinícius Dias

Aos 33 minutos da etapa final, Diego Tardelli avança pela direita e cruza para Jô, que carimba a trave. No rebote, a bola encontra o pé direito de Marcos Rocha antes de estufar as redes de Fábio. O camisa 2 se ajoelha no gramado, cerra os olhos e ergue os braços. O gol que definiu a vitória ante o rival Cruzeiro, no duelo de ida da final do Mineiro, marcou também uma nova época para o lateral. "Já passei por momentos bons e ruins no clube", recorda.

Entre os seguidos empréstimos e a afirmação com a camisa da equipe do coração, foram vários treinadores. Um deles, porém, ficará marcado para Marcos Rocha. No fim de 2011, ainda pelo América, o lateral despertou a atenção de Cuca. Janeiro, e lá estava ele. De volta à Cidade do Galo, a pedido do treinador. "Sou grato ao Cuca por tudo o que ele fez por mim", resume. "Ele conversa bastante com os jogadores, explica muito", conta, justificando a boa relação.

Marcos Rocha: um 2013 especial
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

A ótima fase até lhe permite sonhar. "Meu grande objetivo pessoal seria participar da Copa do Mundo", afirma Marcos Rocha, sem tirar os pés do chão. Como bom mineiro ele terá, a partir de hoje, a chance de se firmar na história como único atleta formado na base a participar dos títulos da Libertadores e do Mundial. "Seria importante, com certeza", diz, à espera do apito inicial.

Bate-papo:

Depois de ser titular durante a Libertadores, o (possível) título do Atlético no Mundial de Clubes, em Marrocos, faria de você o único atleta formado na base do clube a participar de duas das maiores conquistas alvinegras. Para você, o bom momento do Atlético tem sabor especial?

Seria importante, com certeza. Já passei por momentos bons e ruins no clube. Agora estamos vivendo uma excelente fase e isso é muito proveitoso.

Em 2012, você conquistou a Bola de Prata da Revista Placar, e foi indicado como melhor lateral-direito do campeonato no Prêmio da CBF. O que se repetiu neste ano. A seis meses da Copa, em 2014, você se vê em condições de disputar uma posição na lista final do técnico Felipão?

Meu grande objetivo pessoal seria participar da Copa do Mundo, ainda mais por ser no Brasil. Mas temos que ter pé no chão, sei que o Daniel Alves está bem acima e o Maicon também foi convocado e foi bem. Mas eu tenho que continuar fazendo meu trabalho aqui no Atlético. Se tiver a oportunidade, vou ficar muito feliz.

Depois de altos e baixos, de ser preterido e emprestado a equipes como Uberlândia, CRB, Ponte Preta e América/MG, você tem cada vez mais se afirmado no Atlético - e se destacado em momentos decisivos da história atleticana. Qual foi o peso do Cuca nessa sua trajetória no Galo?

Ele foi muito importante nesta minha ascensão na carreira. Ele conversa bastante com os jogadores, explica muito. Além disso, ele me dá bastante liberdade dentro de campo, e isso fez com que eu me destacasse e ganhasse prêmios individuais nos últimos anos. Sou grato ao Cuca por tudo o que ele fez por mim. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário