21/03/2014

Difícil, mas possível!

Vinícius Dias

Fazer seis pontos nas duas últimas rodadas, contando com 'tropeços' da Universidad do Chile e do Defensor. O Cruzeiro (re)faz as contas e, apesar do cenário adverso, vê a possibilidade de classificação no horizonte - nem tão azul. Com uma combinação improvável, mesmo o Real Garcilaso pode avançar às oitavas de final. Diz o clichê, aplicável nesse caso, o futebol é uma caixinha de surpresas.


Na verdade, a classificação azul celeste, pela qualidade técnica e pelo que ainda podem render nomes como Éverton Ribeiro, Dedé e Dagoberto, não teria o rótulo de surpresa. Surpreende, sim, a dificuldade do time em lidar com a pressão e, em especial, a tentativa de conferir aos jogos ares de batalha - travada no corpo, sem a bola, duelo que tende a agradar aos adversários latinos.

Júlio Baptista: destaque azul celeste
(Créditos: Washington Alves/Light Press)

Na noite de quinta, Júlio Baptista foi o destaque positivo de uma equipe pouco vibrante. Sobraram os ânimos exaltados de Dagoberto, a expulsão desnecessária de Nilton, o nervosismo de Dedé. Faltou técnica. Ao tratar como guerra o que deveria ser futebol, a equipe esquece a posse de bola, as trocas de posições e o sucesso de 2013.

Ainda é possível?

Se Enrique Zeballos não balançasse as redes no último lance da partida, é bem possível que o torcedor - que falou em vergonha, com exagero - não discutisse os erros, que se repetem desde a estreia. Fato é que, mesmo nos seus melhores momentos, o Cruzeiro vem errando demais em 2014. Mas, afinal, ainda é possível?

A matemática insiste que sim, e o cruzeirense ainda sonha.
O elenco diz confiar. Bom sinal! Mas é preciso errar menos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário