18/02/2015

Mais uma vez, Charles: por quê?

Vinícius Dias

O grande assunto da terça-feira de carnaval no Cruzeiro foi a reintegração de Charles. O volante, de 30 anos, passou os últimos 13 meses treinando em separado na Toca da Raposa II e não atua desde novembro de 2013, ano em que foi emprestado ao Palmeiras. Com três passagens pelo clube celeste, o jogador viveu grande fase em 2008, quando foi peça-chave no time campeão mineiro sob o comando de Adilson Batista, antes de rumar para o futebol russo.

Charles: de volta aos planos na Raposa
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Divulgação)

Tão logo recebi a notícia, voltei no tempo. A agosto passado. Sentado em um banco próximo a um dos campos do CT celeste - sem trajar qualquer material que remetesse ao Cruzeiro -, o atleta acompanhava a atividade orientada por Marcelo Oliveira. Trocamos algumas palavras, entrecortadas por vários pedidos de autógrafos. A situação, é claro, o incomodava. Mas Charles demonstrava (a mim e aos torcedores) carinho pelo clube e não escondia a vontade de voltar a jogar.

Contexto traz dúvidas

Desde a segunda volta à Raposa, em março de 2012, o volante passou quase despercebido no elenco. Foi cedido ao Palmeiras em 2013 - e quase foi para o Vitória em 2014. Por isso, o contexto, mais que a reintegração em si, motiva algumas dúvidas. Por que ao fim da pré-temporada, e não durante? A volta de Charles indica que Tinga, com contrato até o fim de abril, não será aproveitado? Que Seymour não rendeu? Ou que Eurico e Bruno Ramires perderão espaço?

Em 13 meses, Charles sequer foi a campo, mas tudo mudou.
Agora, em campo, cabe a ele responder à pergunta: por quê?

Nenhum comentário:

Postar um comentário