14/05/2015

A história pelas mãos de Fábio

Vinícius Dias

Quis o destino que, logo nas oitavas de final da Libertadores, o Cruzeiro reencontrasse um de seus principais algozes nos últimos anos. Antes da épica noite dessa quarta-feira, mais do que a instabilidade técnica, pesava contra a Raposa o jejum de seis anos sem derrotar o São Paulo em casa. Com Rogério Ceni na meta tricolor, o tabu era ainda maior: 11 anos. Mas era hora de, ao ritmo de Raul Seixas, tentar outra vez. E cerca de 40 mil corações celestes foram ao Mineirão.


Mesmo que o destino, de novo ele, tão cruel, tivesse reduzido a exibição cinematográfica de Fábio no Morumbi a ato quase heroico. Com 57% de posse de bola e a artilharia pesada - 20 finalizações, contra seis celestes -, o tricolor saíra em vantagem. Era hora de levantar a mão sedenta, recomeçar a andar. Embora a história dissesse que, desde 1997, a Raposa não revertia um placar de mata-mata como mandante no principal torneio sul-americano.

Fábio: o herói da quarta-feira celeste
(Créditos: Vinnicius Silva/Light Press)

O torcedor se perguntava: por que Mena? Marquinhos, de novo? Mas se recusava a não acreditar. Dentro de cada presente, saía aquela voz que cantava, apoiava. E sabia que a vitória não estava perdida. O que a boa exibição daquele Mena, a partida excelente do mesmo Marquinhos e, em especial, a trama entre Willian e Mayke, finalizada pelo artilheiro Damião, confirmou. Mas, se é de batalhas que se vive o futebol e a vida, o placar mínimo decretava mais uma. A das penalidades.

Noite de herói no Mineirão

Nas primeiras cobranças, gol de Rogério Ceni, erro de Damião... 2 a 2 no placar. Luís Fabiano na bola, e defesa de Fábio. Gol de Henrique. Empate com Centurión. E, mais uma vez, Fábio, aquele que tem fé em Deus e na vida, defendeu cobrança de Lucão. Na sequência, gol de Gabriel Xavier. A coroação poderia ter vindo antes. Em uma das 25 tentativas, contra três paulistas. Mas quis o destino que a ponte rumo às quartas fosse cruzada pelas mãos do camisa 1.

O Cruzeiro registrou, ontem, uma nova página heroica e imortal.
Com a rubrica de Fábio, a sete partidas do topo da história azul.

Um comentário:

  1. Excelente matéria! Resta saber agora se o Cruzeiro vai manter o mesmo espírito de luta no restante da temporada.

    ResponderExcluir