04/08/2015


Após longa trajetória com camisa do argentino Vélez Sarsfield,
meio-campista deve ser anunciado pelo Cruzeiro nesta semana

Vinícius Dias

Nas próximas horas, a cúpula cruzeirense deve confirmar o acerto com o meio-campista Ariel Cabral, de 27 anos. Campeão do Mundial sub-20 pela seleção argentina, em 2007, o atleta chega ao Brasil depois de construir uma trajetória de quase uma década com a camisa do Vélez Sarsfield, da Argentina, e de uma breve passagem pelo polonês Legia. Para traçar um perfil, o Blog Toque Di Letra ouviu três jornalistas que acompanharam o jogador nos últimos meses.


"É um volante com bom equilíbrio entre a marcação e a distribuição, seu forte. E tem eficácia no passe", destacou Juan Dopazo, repórter do Canal CN23 e da Rádio Uno FM. Editor do El Enganche, canal especializado em futebol argentino no site do Fox Sports, Luciano Silveira acrescentou que Ariel Cabral é mais marcador do que, essencialmente, uma peça ofensiva. "Tem duas características (importantes). Muita força e pegada", avaliou o jornalista gaúcho.

Cabral, à direita, comemora gol do Vélez
(Créditos: C.A. Vélez Sarsfield/ Divulgação)

Com mais de 120 jogos como titular do Vélez ao longo da história, Cabral não entra em campo desde o dia 29 de março. Nesta temporada, foram apenas sete jogos. "Há dois anos, o clube tem sofrido economicamente. Por isso, perdeu vários jogadores. (Cabral) não ajudou muito, porque o time está fazendo uma péssima campanha", explicou Juan Dopazo. "Ele estava sem jogar por questões salariais, uma vez que não renovaria", completou Luciano Silveira.

No esquema de Luxa

Colaborador do Blog e do Futebol Portenho, Tiago de Melo vislumbrou a presença do canhoto no esquema do técnico Luxemburgo. "É um jogador comum, mas tem boa saída de bola, algo que faz falta ao Cruzeiro, então pode ser útil", pontuou, citando a presença como segundo volante sob o comando de Ricardo Gareca no Vélez. "Ele pode fazer o lado esquerdo em uma linha de quatro, mas esse sistema não é utilizado aqui. No jogo de domingo, contra o Sport, por exemplo, seria o volante pela esquerda na linha de três no meio", esclareceu.

Cabral foi segundo volante com Gareca
(Créditos: C.A. Vélez Sarsfield/Divulgação)

Tiago faz questão de pontuar que, ao contrário do que ocorre no futebol brasileiro, a distinção entre volante e meia, na Argentina, não é tão clara. "Há jogadores que claramente são volantes, como o Mascherano. E há os típicos meias, como o Riquelme. Mas há muitos que jogam entre as duas intermediárias. Cabral é assim", concluiu.

2 comentários:

  1. Muito bacana a matéria, parabéns ! Vi em vários sites comentários de jornalistas, mais o mais claro foi de você.

    Pelo que vi em alguns videos, parece ser um jogador técnico com bom passe de bola, e é bom na marcação. Pelo atual esquema do Luxemburgo, ele poderia ser o volante jogando pelo lado esquerdo e auxiliando o Alisson ou o Arrascaeta.

    Será que com a contratação dele, o Cruzeiro desistiu do Cicero de vez?

    ResponderExcluir