17/08/2015

Uma Raposa sem fome...

Vinícius Dias

Com futebol pragmático, o Cruzeiro venceu somente uma vez na últimas cinco rodadas da Série A. Quinto pior retrospecto no período, com cinco pontos - superando apenas Vasco, Avaí, Figueirense e Sport - e ataque passando em branco em quatro jogos. Retrato fiel da Raposa, que, após dois títulos nacionais, tem demonstrado pouca fome e se alimentado de erros em sequência, expectativas frustradas e promessas quase sempre não concretizadas.


Entre o tetracampeonato - em novembro passado - e a 14ª colocação na atual edição do Brasileiro, com ameaça latente de rebaixamento, somente dez meses se passaram. Em campo, raros brilharecos, várias decepções: noite vexatória em pleno Mineirão e queda nas quartas de final da Copa Libertadores ante o River Plate; eliminação nas semifinais do Mineiro, após péssima sequência como mandante, incluindo empate contra o Mamoré e derrota para o Tombense.

Clube monitorou Cabral por dois meses
(Créditos: Pedro Vilela/Light Press)

Nos bastidores, entre idas e vindas, sete meses sem diretor de futebol, centralização administrativa e a interminável busca por um meia armador. Some-se a isso a falta de tato na condução de negociações. O argentino Cabral, por exemplo, era monitorado desde junho. Até a apresentação em Belo Horizonte - como meia, embora tenha se destacado como segundo volante -, foram dois meses na folha de pagamentos do Vélez Sarsfield, sem disputar uma partida sequer.

Reveses nos bastidores

Outro capítulo pós-títulos foi a desfiguração do quadro administrativo. A despeito das especificidades das situações de Alexandre Mattos e Valdir Barbosa - a saída do diretor de futebol passa por divergências acerca do planejamento para este ano, enquanto o adeus do segundo concretiza a ideia de 'mudar de ares' -, o clube estrelado ainda perdeu o gerente do Departamento de Negócios Internacionais, Pedro Moreira, e o diretor de marketing, Marcone Barbosa.

Em campo e fora dele, a Raposa demonstra pouca fome.
E os altos voos ficaram no passado. Era esse o projeto?

Nenhum comentário:

Postar um comentário