25/09/2015

Cruzeiro: gigante pelo próprio povo!

Alexandre Oliveira

De quatro em quatro anos, o povo vai às urnas para escolher um novo presidente. Seja bom ou ruim, o candidato que tiver mais votos vence a eleição e assume o cargo. Traduzindo: o povo decide, o povo escolhe e o povo manda no país.


Incorporando essa lógica ao mundo da bola, consideramos como 'time do povo' aquele que detém a maior parcela do apoio desse povo. E você já deve saber de que estou falando. Isso mesmo, do time que foi campeão brasileiro nas últimas duas temporadas, com sobras, mas, em 2015, tem decepcionado em campo.

Torcida celeste festeja no Mineirão
(Créditos: Fred Magno/Light Press)

Porém, podemos dizer que essa maré ruim confirma, por linhas tortas, o porquê de o Cruzeiro ser considerado o time do povo. Os números e o apoio dos torcedores nas arquibancadas, no presente e no passado, não me deixam mentir.

Clássico das torcidas: a pesquisa Pluri Stochos, de 2013, uma das mais abrangentes divulgadas recentemente, apontou o Cruzeiro como clube da preferência de 3,8% dos brasileiros, em sexto lugar. O Atlético figurou na nona posição, com 2,6%. A vantagem azul é superior à margem de erro, fixada em 0,68%. No Sudeste, a superioridade é mais expressiva: quarto mais popular, o Cruzeiro tem 8,5% da preferência, contra 5,6% do rival, que é o sexto colocado.

Multidão comemora o tri na Praça Sete
(Créditos: Vinícius Dias/Blog Toque Di Letra)

Mais uma vitória do celeste sobre o rival fora de campo.

Média campeã: a Raposa teve a melhor média de público da Série A em 2013 - 28.911 pagantes por partida - e na temporada passada - 29.678 pagantes por partida.

Nos gramados, a equipe celeste voou baixo nos últimos dois anos. Nas arquibancadas, a torcida acompanhou o ritmo do time e, mesmo em um contexto de baixa ocupação dos principais estádios brasileiros, acumulou recordes. E títulos.

Recordes em casa: quatro dos cinco maiores públicos da 'era Mineirão' foram registrados em jogos de mando do Cruzeiro.

Mundial de 1976: 113 mil no Mineirão
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Arquivo)

22/06/1997 - Cruzeiro 1x0 Villa Nova - Mineiro - 132.834 pessoas
04/05/1969 - Cruzeiro 1x0 Atlético - Mineiro - 123.351 pessoas
09/10/1977 - Cruzeiro 3x1 Atlético - Mineiro - 122.534 pessoas
21/12/1976 - Cruzeiro 0x0 Bayern - Mundial - 113.715 pessoas

Dirão que, após a reforma, o Mineirão teve a capacidade diminuída e, por isso, os rivais não terão a chance de bater os recordes celestes. Simples: por que não bateram entre 1997 e 2010?

Novo Mineirão: o Cruzeiro é dono dos dois maiores públicos registrados em jogos entre clubes após a reforma do estádio.

Festa pelo tetra nacional em 2014
(Créditos: Gualter Naves/Light Press)

10/11/2013 - Cruzeiro 3x0 Grêmio - Brasileiro - 56.864 pagantes
23/11/2014 - Cruzeiro 2x1 Goiás - Brasileiro - 56.769 pagantes

Mesmo sem o sonhado tri da Libertadores, o Cruzeiro conseguiu lotar o novo Mineirão. Em 2013, o jogo contra o Grêmio foi uma verdadeira final para o time de Marcelo Oliveira. Em 2014, o duelo com o Goiás coroou a brilhante campanha da equipe azul.

Nas boas... e nas más: apesar da instabilidade na temporada, a Raposa tem a sexta melhor média de público do Brasil, considerando equipes das Séries A, B e C: mais de 21 mil pagantes por jogo.

Apoio mesmo em momentos difíceis
(Créditos: Fred Magno/Light Press)

Talvez esse seja o dado que mais reforce a alcunha de time do povo. A campanha celeste é uma das piores do clube na era dos pontos corridos, mas, ainda assim, o torcedor tem comparecido ao Mineirão. Os números contrariam a afirmação feita por Luxemburgo - deixou a Toca com 36,8% de aproveitamento - de que a torcida celeste apoia apenas quando o time "está voando".

A ascensão de Bruno Vicintin ao posto de vice de futebol renovou o elo entre diretoria e China Azul - o que se refletiu em média de quase 35 mil nos três últimos duelos. Espero que o clube mantenha a parceria com o torcedor e o atraia ao Gigante da Pampulha para apoiar a equipe. Afinal, a voz do povo é a voz de Deus, diz o ditado. E o time do povo tem a cor azul, assim como o céu de BH.

3 comentários:

  1. O Bruno além de passar confiança nesse momento de dificuldade, nos da esperança por um futuro melhor!

    ResponderExcluir
  2. O CRUZEIRO foi fundado por trabalhadores braçais enquanto o Atrético foi fundado pela burguesia na época. Por isso somos o time do povo,mesmo com a imprensa,que tem vários filhos de burgueses, querendo dizer o contrário.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom texto. Continue assim.

    ResponderExcluir