27/04/2016

Contra o vento ou pela tempestade?

Alisson Millo*

Desde sempre ouço dos torcedores, que para o Atlético, o Campeonato Mineiro é obrigação. O primeiro passo foi dado com a vaga na final - ainda com vantagem de dois empates ou uma vitória e uma derrota por mesma diferença de gols. Ponto para Diego Aguirre, que, mesmo muito criticado, alcançou a classificação e ainda rodou bastante o elenco. Na Libertadores, nada a questionar também, já que o time foi o quarto colocado geral, líder do grupo e apontado como um dos favoritos.


Não há, aparentemente, nada de errado. O cenário tinha tudo para estar perfeito, mas não. O que falta para o atleticano, enfim, apoiá-lo? Por que tantas críticas e tantas vaias? Citado como um dos melhores elencos - se não o melhor - do Brasil e único a avançar nas competições continental e estadual, o Atlético ainda tem convivido com a desconfiança de parte da torcida, que rotula o técnico uruguaio e pede sua cabeça ao fim de quase todos os jogos.

Pratto: gol e vaga na final do Mineiro
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Sinceramente, é difícil compreender. Apesar das muitas lesões, o Galo se manteve forte nesses quatro meses de trabalho. Carlos, Dátolo e Patric ficaram fora e, ainda assim, a equipe caminhou bem. Victor se recuperou antes do previsto e voltou a dar segurança no gol. Tiago, Carlos César, Gabriel, Lucas Cândido e Eduardo ganharam espaço. Uilson e Capixaba estrearam - o atacante provou que pode ser de grande valor em futuro próximo. Goleadas ocorreram, pontos foram somados, jogadores tiveram chances. Mas há quem veja apenas erros.

De Drummond a Aguirre

O principal alvo da ira é o técnico, que não fez nada aquém do esperado. Aguirre mexeu mal em um ou outro jogo, é verdade, mas deu ao Atlético jogadas ensaiadas que há muito não se via, promoveu garotos da base, pedido repetido ano a ano durante o Mineiro. O que falta, eu de verdade não sei. Mas certamente tem sobrado mimimi. Por que o atleticano que - nas palavras de Roberto Drummond - sempre torceu contra o vento tem, agora, criado tempestade em copo d'água?

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
Goleiro titular e atual capitão da seção Fala, Atleticano!

12 comentários:

  1. TÉCNICO MUITO FRACO,NÃO CONVENCE.

    ResponderExcluir
  2. PORQUE EM TEMPOS DE RESSEÇÃO QUE VIVEMOS MESMO EU QUE ESTOU EMPREGADO E GANHO UM SALARIO RAZOÁVEL HÁ ALGUM TEMPO NÃO CONSIGO FREQUENTAR ESTÁDIO MESMO APAIXONADO QUE SOU, QUEM VAI AO CAMPO HOJE E BEM DIFERENTE DE QUEM IA AO CAMPO TRÊS ANOS ATRÁS EM QUE APESAR DOS CUSTOS JÁ ESTAREM BEM AUTOS A ECONOMIA AJUDAVA, E NEM VOU MUITO ATRÁS NA ÉPOCA QUE REALMENTE IA QUASE TODO JOGO A 10 ANOS ATRÁS, O TORCEDOR DE HOJE É SEM DUVIDA DE UM NÍVEL FINANCEIRO MAIS ALTO QUE EXIGE MAIS E QUE AO CONTRARIO DA QUELE DE ANTIGAMENTE O CAMPO É UM LAZER COMUM DO COTIDIANO E NÃO TUDO NA SEMANA DAQUELE QUE JUNTAVA CADA CENTAVO E ES VEZES FAZIA VAQUINHA NA PORTA PARA ENTRAR.

    ResponderExcluir
  3. No meu ponto de vista, não adianta ter elenco e não ter regularidade. O time goleia no mineiro, chega na libertadores joga medíocre e perde. Faz outro jogo muito bom pela libertadores, me chega e perde dentro de casa para o Tricordiano. Quando a torcida ta gostando de ver o time jogar bonito, o técnico vai lá e mexe, jogando a qualidade lá pra baixo. Se tem um dos melhores elencos do brasil, tem que ter regularidade. Não precisa golear todo jogo, mas até na hora de perder, queremos ver um time com garra, correndo atrás. O que não estou vendo como atleticano, pois o técnico tem tudo na mão, e não aproveita...

    ResponderExcluir
  4. Os números explicam a desconfiança. Aproveitamento do galo este ano é um pouco acima de 50%. Vencemos o Corínthias na primeira rodada da Flórida Cup. Depois não vencemos nenhum time de série A (perdemos para Flamengo, Figueirense e Cruzeiro e empatamos duas vezes com o América). Na libertadores jogamos bem com o Colo-Colo (que não é grandes coisas) e com o fraquíssimo Melgar. Além dos números, o que mais preocupa é a leitura de jogo do Aguirre: Escalações equivocadas e substituições que não melhoram o time. Entendo que a torcida deve incentivar sempre... agora, defender que não exista desconfiança, discordo. Vamos que vamos...

    ResponderExcluir
  5. Irregularidade tem sido a marca do Atlético nos últimos anos...ganha bem um jogo e logo a seguir perde feio...
    É um time que a gente não consegue ver evolução de um jogo para outro! E cá, prá nós, time irregular não ganha nada importante! Esse técnico não enxerga o jogo que enxergamos...(aliás, o primeiro técnico que parar de ver jogo na beira do campo e sim, na cabine, do alto, para visualizar o posicionamento real de cada jogador, vai revolucionar o trabalho de técnicos!)
    Mexe mal e não coloca os jogadores em sua posição em que se destacou! insistir com Pratto de costas para o gol, voltando para distribuir bola é a maior piada deste time do Aguirre! Só não vê quem não quer que o Pratto é jogador de finalização...tanto que 90% dos gols dele foram com chutes de primeira, sem dominar a bola...
    Agora, está Diretoria que me perdoe, fazer o estardalhaço que fez para contratar este tal Clayton do Figuerense...este Carlos Eduardo...(é esse mesmo o nome da "fera"?)me poupe, não agregam nada...só mais irregularidade ao time!!!!

    ResponderExcluir
  6. O que o torcedor espera, é chegar no estádio sabendo a escalação do time titular...como no Atlético de Ronaldinho gaúcho campeão da Libertadores. Entendo as experiências durante o campeonato Mineiro, mas essas experiências não seriam, justamente, para que se montasse um time de qualidade? Então, as substituições agora deveriam ser apenas em caso de contusão ou ausência em caso de cartão...ou estou errado?

    ResponderExcluir
  7. Simples demais entender ...como disse nosso amigo Guito ...a frequência com que ia aos estádios a uma década atrás mudou muito ... a grande maioria da grande torcida do GALO vem dos subúrbios e dos bairros menos favorecidos de BH e região ... ingressos caros, programa sócio torcedor sem vantagem nenhuma enfim... o clube optou por afastar a "massa" dos estádios agora contente-se em ver uma torcida chata e irritante que não é a maioria da torcida do GALO de verdade ... aquela torcida que empurrava o time 90 minutos acabou ...já era... foi excluída pelo clube ... nunca mais a veremos novamente ...estão agora todos em casa ...no rádio ou TV... verdade dura mas é a realidade ..

    ResponderExcluir
  8. Caramba, quantos corneteiros aqui. O problema desses corneteiros é que eles se acham técnicos de futebol. O Aguirre tem mais de 30 anos de experiência no futebol (jogando e treinando), aí vem um corneta, que o máximo de tática de futebol que ele conhece é a pelada de fim de semana, chama o cara de burro e não sabe escalar. É dose, viu. Torcedor tem que aprender que estádio é local para TORCER, e não local de indivíduos chatos metidos a técnicos de futebol.

    ResponderExcluir
  9. Eu vejo o Aguirre como um grande ponto de interrogação... o time é competitivo...

    ResponderExcluir
  10. Prezado Anonimo , ninguém aqui está falando que é mais entendedor que o Aguirre , mas por favor me responda para que o camarada fala e escala 03 volantes ( Donizete , Rafael Carioca e J.Urso ) que no entendimento de qualquer um leigo já imagina que o cara vai fechar o meio campo , no entanto ele abre o J.Urso na ponta direita e o coloca como atacante ? Sendo que temos o Clayton no banco , o Yuri , e agora até o Cazáres que ele colocou no banco .

    ResponderExcluir
  11. Aguirre e um Levir Culpi Piorado...outro professor pardal

    ResponderExcluir
  12. O atlético é o único clube que disputa campeonatos em 2016 sem técnico no banco! É o único time que não tem esquema de jogo, não tem vontade de jogar e não tem entrosamento! É o único time que já entrando em maio e nao fez se quer 10 jogos no ano ainda!

    ResponderExcluir