15/04/2016

Raposa à caça de equilíbrio

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

Encerrada a primeira fase do Campeonato Mineiro, diversas dúvidas continuam pairando sobre a cabeça do torcedor cruzeirense. Afinal de contas, o que esperar desse Cruzeiro de Deivid? É possível apostar na manutenção da longa invencibilidade e no crescimento do time ou o nível dos adversários enfrentados até aqui mascarou possíveis deficiências?


Foram nove vitórias e apenas dois empates. A expressiva vitória contra o Atlético, no Independência, foi o resultado que mais chamou a atenção. A defesa foi o ponto forte do time, tanto que o ataque não precisou ser tão produtivo para consolidar a liderança. Enquanto as redes celestes foram vazadas seis vezes, o torcedor gritou gol em 18 ocasiões - sete tentos a menos que o melhor ataque. Para se ter uma ideia, os artilheiros celestes são Alisson e Rafael Silva, com modestos três gols cada. Muito aquém de qualquer disputa por artilharia.

Festa: líder com nove pontos de frente
(Créditos: Washington Alves/Light Press)

O copo meio cheio diz ao torcedor da Raposa que, apesar dos pesares, a equipe alcançou as semifinais do campeonato estadual de maneira invicta, como líder e, ainda por cima, com a maior vantagem de um primeiro para um segundo colocado desde que a atual forma de disputa foi adotada na competição - considera-se a temporada de 2005, quando passamos a ter 12 equipes no módulo I.

A caminho do Brasileirão

Em contrapartida, os confrontos vencidos na 'bacia das almas' e quase a fórceps deixaram o cruzeirense apreensivo algumas vezes. Há quem diga que a liderança com sobras que o Cruzeiro conquistou se deve ao que os outros times deixaram de mostrar. Mas fato é que a falta de parâmetros para julgar o que está por trás dessa 'supremacia' é, para muitos, motivo de cautela. Afinal, estamos na iminência de começar a encarar adversários mais qualificados nos torneios nacionais.

Deivid chega à reta final com confiança
(Créditos: Washington Alves/Light Press)

Na minha visão, qualquer análise, por mais fria que seja, continua sendo prematura. O Cruzeiro ainda tem muito a melhorar. Seja na parte técnica, seja na intensidade, seja na falta de destaques individuais, as carências precisam ser corrigidas. Mas é inegável que os resultados, pelo menos por enquanto, dão respaldo ao trabalho que vem sendo bancado pela direção do clube. Não acho que seja hora de fazer loucuras, mudanças drásticas, porém a verdade é que ainda há muito caminho pela frente até que seja encontrado o equilíbrio.

E você, caro leitor? O que você tem achado do Cruzeiro até aqui? Quais suas expectativas para a sequência do ano?

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!

2 comentários:

  1. Campeonato Mineiro não é parâmetro para nada. O nosso maior rival, nos enfrentou sem muitos titulares e a derrota que o time sofreu este ano foi exatamente contra o Fluminense que, apesar de não estar lá essas coisas, ganhou do Cruzeiro em pleno Mineirão. Portanto, teremos que melhorar muito para o Brasileirão.

    ResponderExcluir
  2. Como cruzeirense acho que está de bom tamanho para um técnico jovem que trabalhou e vai trabalhar o tempo todo pressionado, o fato dos resultados serem magros de gols, foram ótimos resultados por superar até nosso maior rival, acho que contra adversários mais fortes estes bons resultados vão continuar, pois, não são adversários fracos que enfrentamos e sin uma cautela necessária do técnico que passa aos comandados sua formula de vencer a pressão externa, ganhar por um é melhor do que não ganhar. Não vai mudar este quadro no campeonato brasileiro, acredito que este ano o Deivid não vai se arriscar muito e pode até ser a revelação da temporada e ganhar o campeonato, principalmente se conseguir encaixar as peças que tem ou receber algum reforço de peso que transmita mais confiança no grupo, acho que o Fred teria sido esta peça que completaria o cruzeiro nesta temporada enfim... Aguardar pra ver.

    ResponderExcluir