28/05/2016

Alerta ligado na Toca da Raposa

Douglas Zimmer*

O campeonato nacional não começou bem para o Cruzeiro. Depois de um papel discreto na Primeira Liga e de uma eliminação logo nas semifinais do Mineiro, o clube celeste começa penando diante de adversários, digamos, modestos. Nas três primeiras rodadas, somente um ponto conquistado e muitas falhas individuais.


Esse cenário até que não é tão surpreendente para um clube que iniciou a competição sem treinador e com a relação com os torcedores abalada. As cobranças vindas das arquibancadas, que foram quase sempre ignoradas, se tornam mais constantes e agudas. A chegada de Paulo Bento, embora tardia, começa a dar os primeiros resultados visíveis, apesar dos placares ainda horrorosos.

Bento mudou estilo de jogo da Raposa
(Créditos: Anderson Stevens/Light Press)

O treinador português mostrou, até aqui, muita calma e seriedade. Deve saber onde está se metendo e mudou sensivelmente a forma de jogar da equipe azul celeste. Maior posse de bola, variações de jogadas e aumento significativo no índice de finalizações, por exemplo, são as diferenças mais claras a meu ver. A primeira vitória, contudo, ainda não veio e o receio de que seja outra temporada de preocupação constante já começa a causar calafrios no torcedor.

Um ponto em dois jogos

Contra o Figueirense, em casa, vimos um setor defensivo completamente desajustado e dominado por Rafael Moura. O empate acabou sendo bom resultado, visto que o centroavante ainda perdeu mais uma ou duas boas chances de assegurar o triunfo da equipe visitante. Várias chances de gol desperdiçadas e falhas bizarras de marcação culminaram na perda de dois pontos em pleno Mineirão.

Cruzeiro foi derrotado pelo Santa Cruz
(Créditos: Anderson Stevens/Light Press)

Já em Recife, diante de um empolgado Santa Cruz, a Raposa dominou as ações da partida até o intervalo, quando já perdia por 1 a 0, após pênalti infantilmente cometido por Fábio e bem cobrado por Grafite. O empate foi arrancado após cobrança de falta perfeita de Arrascaeta e parecia estopim para a virada celeste. Parecia. Após nova falha da defesa, em especial de Bruno Rodrigo, o artilheiro Grafite voltou a marcar. A partir daí, vimos um show de horrores que só terminou no apito final e com o placar de 4 a 1 para os atuais líderes do certame.

Preço por decisão tardia

O preço que se paga por esperar até os últimos momentos para definir a comissão técnica é alto, e o Cruzeiro já pagou as três primeiras parcelas. Resta agora saber se seguimos em débito ou se o pior já passou. Certo mesmo é que a equipe precisa reagir e começar o quanto antes a somar pontos. É cedo demais para decretar qualquer destino. Porém, o sinal de alerta já está ligado.

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!

9 comentários:

  1. O problema é que todos jogam a culpa sobre os treinadores. Tudo bem que alguns são muito fracos. Mas o grande problema é o nível dos jogadores. São fracos, não pensam antes de fazer as jogadas, são premeditados, inseguros e não jogam para a equipe, apenas para eles próprios. É preciso, hoje em dia, olhar não apenas a questão técnica individual, mas também a inteligência do jogador. Se voltarmos um pouco no tempo, veremos que bons jogadores eram, antes de ser bons tecnicamente, mais inteligentes, o que facilita o processo de entender as estratégias e táticas do futebol. Sócrates, Dario e alguns outros, por exemplo, eram jogadores limitados tecnicamente, mas o nível de inteligência deles os faziam mais espertos e eficientes que outros. Por outro lado, Pelé, Zico, Tostão, Gerson, Rivelino, Dirceu Lopes e mais outros do mesmo nível, eram jogadores técnicos e inteligentes, o que os tornavam diferenciados dos demais. Hoje, Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo, Lucas Lima, Ibrainmovich, Iniesta, Chaves e alguns outros mostram que não é só a técnica, mas a inteligência que os fazem ser diferentes e eficientes com a bola. Os clubes precisam avaliar melhor os jogadores antes de os contratarem. Jogador bom, também passa por crises técnica momentâneas, mas estas em geral são por pouco tempo e logo eles recuperam a performance, enquanto que o jogador medíocre, leva tempo maior para se recuperarem razoavelmente e as crises são mais frequentes. Logo, os clubes precisam avaliar não apenas a técnica do jogador, mas sua inteligência, sem o que, os investimentos serão sempre muito mais altos e os retornos cada vez mais baixos.

    ResponderExcluir
  2. Confio no trabalho pautado nos estudos. E o Cruzeiro está no caminho certo. O problema é o imediatismo por resultados. Talvez falte algum jogador mais experiente no meio de campo.

    ResponderExcluir
  3. É preciso dar tempo para o treinador trabalhar. Acredito que fará um bom trabalho. Vamos dar um tempo para ele.

    ResponderExcluir
  4. Precisamos de um Lateral esquerdo, Lateral direito um volante de bom passe.
    Na Zaga o Cruzeiro precisa decidir as condições de Dede, pois se não for possível de jogar mais, vamos precisar urgente de um Zagueiro de alto nível.
    Depois de tudo descrito acima, vamos culpar o treinador.

    ResponderExcluir
  5. Está havendo uma evolução no futebol do Cruzeiro, infelizmente o treinador não conhece o plantel e isto faz com que a escolha errada de certos jogadores prejudique o time ainda. Mas a torcida precisa ter paciência pelos erros da diretoria e não adianta botar pressão nos jogadores, agora é hora de apoiar e depois cobrar.

    ResponderExcluir
  6. Estamos pagando o preço pela escolha de David no comando da equipe. Ele jamais seria a opção ideal para um time do nível do Cruzeiro. Parece que o portuga tem a manha, pois o time está mais organizado e mais consciente. Porém nossos laterais são fracos demais e nos falta alguém que saiba fazer gols. Temos que ter paciência porque este time vai engrenar. Agora títulos este ano acho quase impossível.

    ResponderExcluir
  7. O time é fraco, vamos ser realistas. Precisamos de reforços urgentes e pra ontem!

    ResponderExcluir
  8. Douglas, seu comentário foi quase perfeito. Apenas discordo de uma coisa: não começamos "o campeonato" sem técnico, mas "o ano". Uma pré temporada inteira jogada no lixo. Seis meses, contados desde dezembro, totalmente desperdiçados por total e absoluta falta de planejamento, falta de visão, falta de competência e falta de conhecimento profundo de futebol, que não se adquire em pranchetas, livros e salas de aula em curso da CBF - da CBF! Sem experiência, tanto dentro das 4 linhas como fora delas, não chegaríamos a lugar algum, a não ser a 2ª divisão. E ainda me mandam o Ceará embora, sendo que ele, com uma perna nas costas, era mais produtivo do que todos os laterais desse elenco reunidos, tanto do lado esquerdo como do lado direito. Agora vem esse Vicentim dizer que vai contratar jogador experiente. "Vai contratar", isso na 4ª rodada do Brasileiro sem uma única vitória jogando somente contra times que, ao nosso lado, vão lutar contra o rebaixamento. 4ª rodada que nos encontra na lanterna ou ao lado dela. E outro dia esse presidente disse que gostaria de terminar o seu ciclo com um título. De acordo com o trabalho dele após o bi do Brasileirão, só se for da 2ª divisão, e olhe lá. O verdadeiro show de horrores é essa diretoria!

    ResponderExcluir
  9. Acompanho o cruzeiro desde 1972 estou decepcionado com o time.
    Os jogadores não conseguem fazer o básico.
    O ataque não cria oportunidades de gol e qdo criam não sabem como fazer.
    A defesa marca mal e qdo o ataque adversário aparece embolam com as próprias pernas.
    Será mais um ano de sufoco

    ResponderExcluir