02/01/2017

Afinal, o que é ser cruzeirense?

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

Dia 02 de janeiro. De qualquer ano. Todo cruzeirense já passa a virada esperando pelo aniversário do Cruzeiro Esporte Clube. Dia do Cruzeiro. Dia do cruzeirense. Dia que marca o começo de mais um ano e reafirma nossa caminhada e nosso compromisso junto ao maior de Minas. Amigo torcedor cruzeirense, não perca tempo tentando explicar aos outros o que é ser parte desse universo.


Eu já parei e tentei colocar em verso e em prosa o que significa ser cruzeirense e falhei. É impossível. É uma carga enorme de sentimento e de emoção que eu, do alto da minha insignificância, ainda não consegui traduzir em palavras. O sentir, o saber, o ser e o viver esse contexto só são possíveis para quem nele está inserido. Você não vira cruzeirense. Você não nasce cruzeirense. Você é cruzeirense. Está impresso em sua alma. Não digo nem no sangue. Na alma. No seu espírito.

Entre tantas outras coisas, ser cruzeirense é nunca se contentar com pouco. Mesmo que o tempo seja de crise, de fazer das tripas coração para manter a dignidade, o torcedor do Cruzeiro sempre quer mais. Cruzeirense é chato por natureza. Chato no bom sentido. Não deve nunca se contentar com pouco ou se espelhar na vizinhança para aí querer arrumar sua casa. Quem faz parte da imensa família de milhões de torcedores da Raposa é chato assumido e não pega leve na hora da corneta, porque sabe que comodismo não combina com vitória.

O torcedor do clube celeste não se contenta em vencer. Tem que vencer e fazer por merecer. Eu seria capaz de dizer que o cruzeirense prefere perder jogando bem a vencer jogando mal. Evidente que existem situações nas quais isso foge das nossas preferências, porém está no DNA do palestrino querer deixar a melhor impressão possível. Com um jogo bonito, ofensivo, agressivo, insinuante. Não me lembro de ter resenhado com irmão de time que gostasse de retranca. Que simpatizasse com treinador que, tendo o placar a favor, recuasse para garantir o resultado.

China Azul em festa: gigante faz 96 anos
(Créditos: Fred Magno/Light Press/Cruzeiro)

Ser cruzeirense transcende o mundo do futebol. Afeta nossas vidas. Ser cruzeirense é ficar possesso se algo dá errado no domingo, mas já começar a contar as horas para voltar a ver o time em campo. Nunca é tarde ou cedo demais para vestir a camisa e apoiar quem estiver carregando as mais famosas cinco estrelas deste mundo.

Não nos importamos com nomes. E não é que nós não sabemos dar valor aos nossos ídolos. Muito pelo contrário. O que não adianta é você querer chegar e ser mais que os outros apenas pela história que, por ventura, tiver construído fora daqui. Se você não provar seu valor dentro de campo, de nada vale sua fama. Nós valorizamos muito mais a vontade, a entrega, a identificação. Se houver uma mistura disso tudo com técnica, habilidade, melhor. Mas ninguém é ídolo do Cruzeiro só com o nome. É preciso fazer por merecer. Pode parecer arrogância, prepotência, o que for, mas o cruzeirense não se deixa levar na conversa. Ele quer ver acontecer.

Somos vitoriosos. Sabemos perder e sabemos reconhecer nossos erros. Isso é fundamental para que continuemos crescendo como clube, como time, como torcida. Estamos todos no mesmo barco e remando com o mesmo objetivo. Nada nos desanima, ao mesmo tempo em que nada nos ilude. Somos mineiros na mais pura concepção da palavra. Sabemos comer pelas beiradas, nunca nos colocamos como favoritos, mas sempre confiamos no nosso taco.

Nós somos Cruzeiro. Somos loucos da cabeça. Somos mais de oito milhões. Somos Jairzinho. Somos Elivélton. Somos Sorín, Nonato, Clebão, Nelinho e Alex. Somos Éverton Ribeiro, Adilson Batista, Ramires, Marcelo Moreno e Marcelo Ramos. Somos Aristizábal, Alex Alves, Fabrício, Dida, Fábio. Eu sou Dirceu Lopes, Piazza, Tostão, Raul. Você, amigo, carrega um pedaço dessa história vencedora, e é sua obrigação repassar ela para seus filhos, netos e bisnetos. Você respira o mesmo ar que Zé Carlos, Palhinha, Niginho, Bengala, Natal, Douglas, e Revétria. Nós somos o Cruzeiro. A torcida é o clube. Nossos ídolos são nossos estandartes. Nosso pavilhão foi construído com batalhas difíceis. Com guerras vencidas.

Parabéns por mais um ano de vida, Cruzeiro Esporte Clube. Sim. De vida. És entidade viva e presente em nosso dia a dia. És instituição mineira, brasileira e mundial. Cruzeiro, Cruzeiro querido. És meu amor, minha loucura. Eu te amo. Nós te amamos. Teu povo te quer cada vez mais. Que seja um novo ano de vitórias e conquistas. Que tuas cinco estrelas resplandeçam ainda mais forte neste céu que nos cobre.

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!

4 comentários:

  1. Gigante do Brasil.Parabéns Maior Torcida de Minas!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns ao maior de Minas !.Parabéns pelas sábias palavras!. Felicidades a China Azul ! Vamo que vamo Zerão !

    ResponderExcluir
  3. Sem mais!!! CRUZEIRO sempre.

    ResponderExcluir