18/01/2017

Em 2017, menos é mais, Cruzeiro!

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

Janela de transferências escancarada e, até agora, o Cruzeiro não encheu uma mão de contratações. Se eu acho isso ruim? Muito pelo contrário. Em muitas situações na nossa vida, menos é mais. Fazer o simples, sem ser simplório. Não agir por impulso, medir consequências dos nossos atos e ter planos para o futuro. Não sei se o Cruzeiro realmente preenche todos os requisitos da frase anterior, mas o simples fato de, por enquanto, não ter havido compra por atacado já me deixa mais confiante.


Já havia se tornado comum ver o clube contratando em quantidade, mas nem tanto em qualidade. Inúmeros jogadores que chegavam e passavam todo o ano, às vezes até mais, sem serem aproveitados até que fossem emprestados, reemprestados e emprestados de novo até que terminassem seus contratos. A Raposa ainda possui vários atletas nessa condição, mas é importante que essa política mude o quanto antes. Se for para investir em contratações, que sejam pautadas especificamente em qualidade técnica e em carências do elenco.

Thiago Neves reencontra Mano Menezes
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Divulgação)

Até agora, como todos sabem, chegaram à Toca da Raposa II somente o zagueiro Caicedo, o lateral-esquerdo Diogo Barbosa, o volante Hudson e o meia Thiago Neves. Também houve a confusa negociação com o Palmeiras que definiu a permanência do meio-campista Robinho por no mínimo mais um ano, além de cláusula que dá preferência ao Cruzeiro no futuro, e as saídas de Willian e Fabiano. Poucos, mas bons nomes para completar um grupo que terminou 2016 melhor do que começou.

Peça decisiva na bola parada

O reforço mais comentado é Thiago Neves. Não poderia ser diferente. Ele chega com a responsabilidade de ser um diferencial em campo. Neves é um jogador muito inteligente, que gosta de jogos difíceis e que pode trazer de volta ao elenco algo que ele não tem há bastante tempo: um batedor de faltas. Pode até parecer que não, mas muitos jogos são decididos na bola parada. Seja na cobrança direta, seja em um cruzamento. Deposito muita esperança nesse fator.

Tinga apresenta equatoriano Luis Caicedo
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Somado a isso o fato de os principais nomes terem permanecido e outros estarem em fase final de preparação para voltar aos gramados, creio que o grupo esteja bem mais forte do que no início das duas últimas temporadas. Apesar das saídas de Bruno Rodrigo e Willian, seus setores acabaram não sendo prejudicados devido ao iminente retorno de Dedé, à contratação de Caicedo e às permanências de Ábila e Sóbis, que, ao que tudo indica, vão disputar posição neste ano.

Carência nas laterais celestes

Continuo achando que, na comparação com os demais setores, as laterais continuam sendo o ponto fraco do elenco. Compreendo a dificuldade em se achar jogadores que cheguem para assumir a 2 e a 6, naturalmente, e vou dar meu voto de confiança ao trabalho continuado e que contará com esse período de pré-temporada. Mayke vai ter mais uma chance de recuperar o bom futebol e, oxalá, deixar as insistentes lesões para trás.

Portanto, amigo leitor, não espero nenhuma contratação por agora. Mas, caso ocorra, que venham peças que agreguem valor ao grupo e que sejam superiores às que aqui estão. Menos é mais.

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!

Um comentário:

  1. Falta lateral no mercado? E o Willian q está treinando em separado no #Inter ? Msm q dêem voto de confiança ao Mayke o ano terá muitos jogos... Nem em todos jogos ele poderá jogar... Nessa a diretoria errou e feio.

    ResponderExcluir