06/04/2017


Companheiros nas últimas conquistas do time celeste, goleiros voltam
a disputar posição; Rafael tem melhor média de gols sofridos por jogo

Vinícius Dias

A lesão sofrida em agosto último, no confronto contra o Coritiba, na Arena Independência, deixou o capitão Fábio fora dos gramados por quase oito meses. O que poderia indicar uma lacuna na meta celeste, entretanto, se transformou em oportunidade para que Rafael se destacasse. Em meio à maior sequência como titular na carreira, o camisa 12 escreveu seu nome na lista dos 20 goleiros que mais vestiram a camisa do Cruzeiro e acumulou boas atuações sob o comando de Mano Menezes.


No entanto, a partir da manhã deste domingo, a disputa pela titularidade estará oficialmente reaberta na Toca da Raposa II. Depois de 238 dias entre o Departamento Médico e a rotina de preparação física, Fábio voltará a campo na partida contra o Democrata, no Mineirão, válida pela 11ª rodada do Campeonato Mineiro.  

Fábio: retorno a campo neste domingo
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

No que depender das estatísticas, Rafael tem leve vantagem. Atleta que mais vezes vestiu a camisa celeste em 96 anos de história, Fábio soma 705 partidas pelo Cruzeiro e 754 gols sofridos, enquanto o camisa 12 disputou 79 jogos, tendo sido vazado 73 vezes - dados registrados na CruzeiroPédia.org. Desde 2000, o camisa 1 já defendeu 17 pênaltis. O prata da casa, que fez a estreia como profissional oito temporadas depois, já levou a melhor em quatro penalidades, três delas no último ano.

Disputa marcada pela amizade

Nem mesmo a concorrência minimiza a relação entre os dois. "Vi o Rafael praticamente crescendo. Brinco com ele que ele aprendeu bem, observou bastante. O Mano sabe o que é melhor para o Cruzeiro, e eu também quero o melhor para o Cruzeiro. Eu estou tranquilo, saí do time por causa de uma lesão e estou voltando. Sei das minhas condições, da minha qualidade, não fico me esquentando que eu tenho que ser titular", destacou Fábio, antes da pré-temporada, ao site oficial do clube.

Rafael vive grande fase na Raposa
(Créditos: Daniel Teobaldo/Cruzeiro)

Após a vitória no clássico contra o América, no mês passado, Mano Menezes teceu elogios a ambos quando questionado sobre a disputa pela titularidade. "Fábio é uma lenda do Cruzeiro, são anos e anos de titularidade, muitas conquistas. Mas Rafael também mostrou estar pronto para ser o goleiro do Cruzeiro, o que deixa a gente muito feliz", afirmou, sem apontar favorito. "Nesses casos, sempre digo que a dúvida de alto nível é sempre a melhor que existe para o técnico", acrescentou.

Fábio no Cruzeiro - de 2000 a 2017:

Partidas disputadas: 705 - nenhuma neste ano
Gols sofridos: 754 - média de 1,07 por jogo
Pênaltis defendidos: 17 - média de 0,02 por jogo

Rafael no Cruzeiro - de 2008 a 2017:

Partidas disputadas: 79 - 18 neste ano
Gols sofridos: 73 - média de 0,92 por jogo
Pênaltis defendidos: 4 - média de 0,05 por jogo

9 comentários:

  1. Essas estatísticas não podem ser analisadas tão friamente. Elas variam de técnico para técnico. Marcelo Oliveira deixou claro em entrevista que não se importava de tomar gols já que o time faria mais. Já Mano prioriza defesa. Fábio era o titular com Paulo Bento que nem sabe o significado das palavras defesa, zaga... Isso não tem como ser avaliado com justiça se não se levar em conta os técnicos

    ResponderExcluir
  2. Fábio, claro! Rafael ainda não tem experiência, segurança e qualidade técnica suficientes para ser titular de um gigante, como o Cruzeiro.
    Tem tomado gols facilmente defensáveis por erros primários de posicionamento e por deficiência/indecisão nas saídas do gol. Vejam gols de Uberlândia, Nacional do Paraguai, Inter (Valdívia), entre outros.

    ResponderExcluir
  3. Nosso time tem dois excelentes goleiros. Ambos transmitem muita confiança. Acho que o técnico pode fazer revezamento tranquilamente. O Rafael Merece e precisa participar mais.

    ResponderExcluir
  4. Fábio sempre foi um goleiro normal, que viveu boas temporadas, um PC Borges ou André da vida...
    Um ídolo criado por Zezé Perrela, que nos deixou sem grandes ídolos e sem grandes títulos entre 2004-2012, por isso criou esse ídolo
    Tecnicamente, Rafael é mais goleiro, só não vê quem não quer!
    E olhando o custo/benefício então, aí nem dá pra comparar, a diretoria deveria tentar liberar o Fábio (digo tentar, pq nenhum outro clube do Brasil aceitaria pagar o que ele ganha no Cruzeiro) mas temo que vai acontecer o contrário!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou tudo. Rafael muito mais elasticidade e resposta do que o Fábio. Além disso Fábio não sai de debaixo das traves. Lembrem dos inúmeros gols que ele tomou de cabeçadas da pequena area.

      Excluir
  5. Rafael,sempre foi mais goleiro,agora tem a oportunidade de mostrar

    ResponderExcluir
  6. A média de penaltis defendidos deveria ser a relação do número de penaltis assinalados contra cada goleiro e os defendidos. Sendo assim o Rafael levaria grande vantagem.

    ResponderExcluir
  7. Levando em consideração a idade do goleiro Rafael, acho que ele deveria ser o goleiro titular do time. Com seus 27 anos ele tem muito mais a oferecer que o Fabio com seus 36.

    ResponderExcluir
  8. Prezado Vinícius,
    Creio que no quesito pênaltis seria importante destacar pênaltis defendidos sobre cobranças feitas contra o goleiro. Aí você verá que o mérito do Rafael é muito maior

    ResponderExcluir