19/04/2017

A força do Cruzeiro e as lições do passado

Alexandre Oliveira*

O torcedor celeste que sonhou com um chocolate para cima do Coelho nesse domingo de Páscoa pode começar a semana tranquilo - apesar do empate. O verdadeiro chocolate já tinha vindo na quinta-feira, naquele 2 a 0 para cima do São Paulo, em pleno Morumbi. O resultado, em confronto válido pela quarta fase da Copa do Brasil e que, fisicamente, exigiu bastante do time, pode ser considerado uma verdadeira goleada.


Contra o América, Mano Menezes colocou em campo muitos dos jogadores que atuaram no meio de semana. Talvez por isso o time tenha sentido o desgaste físico do jogo contra o tricolor. É claro que é preciso manter o ritmo e a vontade em ambas as competições, mas um jogo contra o São Paulo, rival de tantas decisões ao longo da história, acaba exigindo um esforço físico e mental muito maior. Não só por se tratar de uma competição mais importante, mas também por ser um grande concorrente direto em todas as competições que a Raposa disputa.

No Morumbi, equipe celeste abriu 2 a 0
(Créditos: Marcello Zambrana/Light Press/Cruzeiro)

O torcedor estrelado vive lua de mel com a equipe, mas é preciso permanecer alerta e vigilante, já que abril é um mês de decisões que vão definir os caminhos e os objetivos do clube no segundo semestre. Que os erros de um passado nem tão distante sirvam de sobreaviso para o experiente time de Mano. No último ano, por exemplo, o Cruzeiro foi eliminado pelo América nas semifinais do estadual. A equipe, claramente, vivia um momento bem distinto do atual, mesmo assim é preciso manter o foco se pretende voltar a disputar a decisão.

Da euforia à decepção em 2015

Os primeiros 90 minutos do confronto entre São Paulo e Cruzeiro me fizeram recordar o embate contra o River Plate, na Libertadores de 2015. Naquela oportunidade, Marquinhos decretou a vitória celeste, em pleno Monumental de Nuñez, por 1 a 0. O resultado também foi considerado uma goleada, levando em conta a dificuldade de se enfrentar uma equipe como o River e a grande pressão da torcida argentina em Buenos Aires.

Marquinhos: herói ante o River em 2015
(Créditos: Anibal Greco/Light Press/Cruzeiro)

No entanto, na partida de volta, vimos um Cruzeiro apático, que se deixou levar por uma equipe que se tornaria a campeã da América naquela temporada. Na época, o resultado desastroso - 3 a 0 para os Millionarios, no Mineirão - custou o cargo do treinador Marcelo Oliveira, que acabou sendo demitido dias depois.

Que sirva de lição e que os comandados de Mano estejam preparados para fazer desse mês de abril um mês celeste. Agora, mais do que nunca, as vitórias e os bons resultados passam a ser prioridade. Não há mais espaço para erros no Cruzeiro. É preciso colocar o coração na ponta da chuteira a cada dividida e trabalhar duro para, depois, colher os frutos em meio a conquistas e classificações.

*Jornalista. Jogador no fim de semana, torcedor todo dia.
Titular do pagode e camisa 12 da seção Fala, Cruzeirense!

9 comentários:

  1. Tem que ter cautela, especialmente em se tratando de São Paulo. Eles estão acostumados em nos vencer no Mineirão!!

    ResponderExcluir
  2. Das 18 vezes que venceu no jogo de ida, o Cruzeiro se classificou em 16!Só foi eliminado em 2, Libertadores de 2011 frente o Once Caldas_Col e 2015 frente o River Plate!
    O que os times de 2011 e 2015 tinham em comum???
    Um certo goleiro como capitão!goleiro fraco, capitão pior ainda!ele tbém estava no time q empatou fora e perdeu a Libertadores 2009 em casa, bem como no time eliminado em casa dps de fazer 3x0 no Paulista na Copa Br 2005 e no time q só precisava de 1x0 no Boca Jr e perdeu por 2x1 na Libertadores 2008!
    Felizmente ele estará sentado no banco de reservas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E este mesmo jogador foi Bicampeão Brasileiro pelo Maior de Minas e cansou de salvar-nos em mais de uma ocasião, fundamental!
      Se a brincadeira for pinçar tropeços do Cruzeiro p culpar um único indivíduo, dá p responsabilizar até as pedras da rua!
      Rapaz, olha, tanto ressentimento e mágoa num único comentário não tem o Cruzeiro ou muito menos o "tal jogador" como fonte inspiradora, por isso, cuide-se e procure um especialista!

      Excluir
    2. Você tem certeza que é Cruzeirense?

      Excluir
    3. Com time que tinha em 2013/14 o Cruzeiro teria sido campeão braisleiro com: fábio, rafael, arthur moraes, doni, gomes, jefferson, bosco, andré, rodrigo posso, pc borges...Dida eu nem vou coloca no meio!
      terminou 10 e 11 pts a frente do 2º colocado e que fala q o goleiro fez a diferença

      Excluir
  3. São Paulo é freguês em confrontos mata-mata.

    ResponderExcluir
  4. Sinceramente eu so venho acompanhando um cruzeiro na decrescente. Os jogadores celestes mesmo com uma quantidade boa de partidas e com experiencia ainda nao entrosaram e digo mais , jogadores que nao conseguem dar um passe de 5 metros de forma correta . jogadores que pelo visto nunca jogaram na rua , nunca aprenderam a driblar ou fazer jogadas mais agudas . infelizmente esse time nao me convence , contra o sao paulo conseguimos achar 2 gols sem criar quase nenhuma jogada trabalhada , contra o america foi um jogo sofrivel de assistir . sobis , abila , ariel cabral e varios outros que nao tem o cacuete com a bola vao ser os responsaveis por um 2017 que ao meu ver sera de nenhum titulo e mudança no comando . Com todo o respeito a opiniao , mas uma materia com o titulo "A força do cruzeiro" é no minimo equivocada .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O time titular está obviamente entrosado. O Cruzeiro é o time que menos tomou gols no ano, e ´´e o que mais criou situações de gol. A não ser que se compare com os times da Eurochampions, estamos muito bem.

      Excluir
  5. Passa fácil! O time é guerreiro!

    ResponderExcluir