11/05/2017

O Cruzeiro e o tamanho da convicção

Vinícius Dias

No quinto mês de uma temporada marcada pelo início promissor, o Cruzeiro chega ao Campeonato Brasileiro com o sinal de alerta ligado. Rivalidade à parte, o vice-campeonato estadual contra um Atlético com ótimas peças e em evolução é compreensível. Mas a eliminação na primeira fase da Copa Sul-Americana diante do frágil Nacional - a primeira para um clube paraguaio na história - mostra que há mais dúvidas do que certezas na Toca da Raposa II. Especialmente depois de escolhas contestáveis por parte do treinador e 180 minutos vexatórios no confronto.


Por que o artilheiro do elenco - titular nessa quarta-feira devido ao corte de Rafael Sóbis - segue na reserva mesmo com o ataque produzindo cada vez menos? O que explica o fato de, na disputa de pênaltis, um dos primeiros cobradores ser um atleta que sequer havia sido acionado nos últimos sete jogos? Se cabem a Mano Menezes os louros de dois não rebaixamentos, também cabe o fardo de ainda não ter conseguido transformar um elenco acima da média nacional em um conjunto à altura. Muito além de erros de arbitragem e adversários com três volantes.

Mano e diretoria: qual caminho seguir?
(Créditos: Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro)

No calor do jogo e tomado pela tristeza, o torcedor aponta a demissão como solução e desabafa nas redes sociais. A equação para reencontrar o caminho das vitórias, no entanto, passa mais pela convicção do que pela emoção. Cobrar de quem e como? Manter por quê? Demitir com qual argumento? Caso seja essa a opção, o que esperar do sucessor? Se outubro deve ser mês de eleições, o ano todo é de futebol e manter o foco é fundamental. Os exemplos de clubes Brasil afora mostram que as campanhas eleitorais mais bem sucedidas começam justamente em campo.

Em meio à decepção, o torcedor aguarda atitudes e explicações.
É hora de a diretoria dizer se há e qual o tamanho da convicção.

19 comentários:

  1. O Cruzeiro jogou o que vem jogando, nem mais nem menos, a esclação só teve o abila porque o Sobis não pode jogar, se não o time seria o mesmo que vem sendo improdutivo e disso não vai mudar, a questão é, vamos continuar assim ou vamos tentar dar uma sacudia com um novo estilo de jogo que só um outro treinador pode dar, ja que o que aqui está é turrão e não vai mudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade.no meu ver ja e hora de despenssa de mano, e trazer marcelo oliveira,

      Excluir
  2. O que mais impressiona é a mídia dizer que o elenco é qualificado. Qualificado? Sobis? O que ele fez até agora? Parece uma enceradeira. Ábila? Trombador e não consegue dominar uma bola. Tiago Neves? Léo? Mike? Arrascaeta?

    ResponderExcluir
  3. Além de um time displicente, os jogadores se mostraram sem determinação, brio profissional e respeito à história e tradição do Clube.Uma verdadeira verdonha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, a falta de vontade e a displicência ontem foi evidente, jogadores com espirito de garra no banco como o Lucas Romero, que ao meu ver seria melhor que o Mayke na lateral.

      Excluir
  4. temos jogador que nao deu certo no clube e outros que sao etenas promessa.vamos mudar agora que ainda da tempo

    ResponderExcluir
  5. O time é bom, tem atletas de excelente qualidade técnica, mas tem pontos fracos, que nunca são sanados. Veja à quanto tempo não temos um lateral direito de qualidade, uma vez que Ezequiel é apenas regular e Mike é caso perdido. Na esquerda, não temos substituto para Diogo Barbosa, Thiago Neves joga sem condição física à muito tempo e Sobis desinteressado. Tudo isso cabe à percepção do treinador, que parece apenas assistir de camarote.

    ResponderExcluir
  6. A displicência com que alguns jogadores vão para a cobrança de penalti significa duas coisa: ou o cara se julga um craque infalível ou simplesmente não tá nem aí.

    ResponderExcluir
  7. Na minha opinião o elenco é ótimo, mas o nosso elenco é ofensivo, mas o treinador insiste em jogar defensivamente, então com esse treinador não vai pra frente, pois ele é muito teimoso.

    ResponderExcluir
  8. Infelizmente no Cruzeiro esta faltando e raça, pois o time pouco importa se vai ganhar ou perder.

    ResponderExcluir
  9. O Mano montou um time em 2015 para "salvar a patria"do rebaixamento. Em 2016 a mesma coisa. Chegou no fim do campeonato e outra vez evitou o rebaixamento eminente. Em ambos casos jogando o arroz com feijão no tradicionalissimo 4.3.3. Não seria razoavel voltar a este sistema novamente principalmente porquê temos mais um otimo reforço para jogar nesta posição, que é o Hudson? Uma possivel alteração poderia ocorrer depois do time estar com um conjunto afiado. Hoje estamos jogando com dois volantes e quatro meias que não têm, nenhum deles, aptidão para brigar no meio do campo. E o que se vê, são perdas de bola, e tomar contra ataques.

    ResponderExcluir
  10. Pelo que sei, penalty a gente bate com força, na porrada, porque a velocidade da bola é primordial e obviamente, tem que ser um tiro certeiro.

    ResponderExcluir
  11. Lastimável o que o Cruzeiro apresentou ontem. Não estou entendendo mais nada. O time não cria uma jogada interessante, é visível a má vontade desse Mike, o cara tem jeito de menino pirracento. Não é possível que vamos passar o drama de 2015 e 16.

    ResponderExcluir
  12. Os maus resultados são fruto das péssimas escolhas da Diretoria, "expert" em rasgar dinheiro. Ex: Tiago Neves, Ábila, Caicedo, Arrascaeta, etc. Milhões são jogados fora! Pior: além da má qualidade, são jogadores sem gana, sem raça, sem envolvimento.

    ResponderExcluir
  13. Diretoria incompetente o resultado é isso mesmo !

    ResponderExcluir
  14. Acredito no Mano , não é hora de mudar .Só ajustar detalhes no Brasileirão.

    ResponderExcluir
  15. Para Copa não foi legal mas time está pronto para os pontos corridos . 1x0 é goleada e rumo ao título do brasileiro.

    ResponderExcluir
  16. O Mano não gosta de atacante. Dos 32 do elenco só temo o Ábila de centroavante. A preocupação é defensiva. Qdo o Cruzeiro marca 2 gols em uma partida, é goleada. As partidas que o Mano náo perdeu fui de pura sorte. Contra o América, são paulo, Atlético, Chapecó,etc. Time sem física e sem motivação.

    ResponderExcluir