31/07/2017


Criado durante passagem do xará brasileiro pela África no Mundial
de 2013, Atlético Tete assumiu a ponta de torneio local no sábado

Vinícius Dias

Marcado pelo revés diante do anfitrião Raja Casablanca, o Mundial de Clubes de 2013, no Marrocos, traz lembranças amargas aos atleticanos. A passagem do clube pela África, no entanto, deixou marcas além dos gramados. "Coincidiu que, na época, estávamos à procura de um nome para o nosso recém-formato time. Tínhamos três opções: Tottenhtam, Atlético e Sporting", revela o moçambicano Eduardo Carvalho ao Blog Toque Di Letra. "A gente pôde ver na TV nacional os jogos do Atlético, e R10 jogava lá. Ficamos encantados", emenda, antecipando a escolha.


Treinador licenciado - nível C - pela Confederação Africana de Futebol, Edy Carvalho, como é conhecido, é o responsável pelo projeto. "Somos inspirados pelo Clube Atlético Mineiro, essencialmente pelos jogadores, em particular o Ronaldinho, que já era bem conhecido e respeitado aqui na África. Ainda somos uma equipe pequena, que trabalha de forma humilde e com condições mínimas", comenta. Sub-20, o Atlético Tete foi fundado em Moatize, distrito da província de Tete, no dia 17 de dezembro de 2013, véspera da estreia do xará brasileiro no Mundial de Clubes.

Atlético lidera torneio em Moçambique
(Créditos: Eduardo Carvalho/Atlético Tete)

Os laços logo transcenderam o nome. "Nunca conversei com dirigentes do clube, mas temos uma parceria com os Embaixadores do Galo", detalha. Apoio fundamental para a manutenção das atividades em Moçambique. "Eles têm enviado materiais: camisas do Atlético, meiões, bonés. Já fizeram isso por duas vezes e têm ajudado muito, embora ainda tenhamos muitas lacunas. No mês passado, o atleticano Pedro Santos, de Belo Horizonte, enviou as chuteiras que temos utilizado nos treinos e nos jogos e vêm influenciando muito os nossos bons resultados".

A quatro jogos do título inédito

Com a vitória fora de casa diante do Chingale Juniors, nesse sábado, o Atlético Tete assumiu a liderança do Campeonato Provincial de Juniores de Tete. A equipe comandada por Edy Carvalho soma 14 pontos, um a mais do que o vice-líder, que disputou uma partida a menos. "Jogamos o Campeonato Provincial desde 2015. Temos tido uma evolução muito boa dos jogadores. Atualmente, estamos com quatro vitórias e dois empates em seis jogos e daremos o melhor para trazer uma taça. É o nosso sonho", afirma, a quatro rodadas de transformá-lo em realidade.

Edy Carvalho comanda xará africano
(Créditos: Eduardo Carvalho/Atlético Tete)

Separados fisicamente por oito mil quilômetros e diante de um fuso-horário cinco horas à frente do belorizontino, os moçambicanos se valem da internet para minimizar a distância do Galo. "Devido às carências que temos aqui, não temos tido capacidade de ver muitos jogos. Mas acompanhamos tudo pela internet e pela página oficial do clube", explica o treinador. "O sonho dos miúdos (jovens) é um dia jogar no Atlético Mineiro, e estamos trabalhando arduamente nos treinos para termos jogadores preparados se a oportunidade surgir". O sonho começa pela camisa que eles já vestem.

5 comentários:

  1. Galo é paixão! Torcemos por vocês aqui do Brasil, Galo sempre.

    ResponderExcluir
  2. Muita sorte e saúde pra todos vocês nossos irmãos Africanos, ficarei na torcida por vocês

    ResponderExcluir
  3. é a paixão alvinegra em todos os cantos, boa sorte a todos #paixãodopovo 🏁🏁🏁

    ResponderExcluir
  4. Podia criar um programa sócio torcedor para o Atlético Tetê... Eu pagaria fácil 10 reais por mês.

    ResponderExcluir