14/07/2017

Cruzeiro, tua torcida te ama como mãe

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

A torcida do Cruzeiro precisa ser uma mãe para esse time. Isso mesmo: uma mãe. Mas não aquela mãe que mima o filho e que faz tudo o que o primogênito quer, sem pensar se isso fará bem ao desenvolvimento dele ou não. A torcida precisa assumir o papel materno no sentido de fazer o possível para colocar o filho no caminho certo, no caminho ideal.


Sabe quando o menino chega para a mãe e diz "mas todo mundo foi mal", e ela, na hora, corta a onda do garoto dizendo "você não é todo mundo"? Então. Quando o time dá sinais de que vai se basear no desempenho dos outros para justificar seus próprios insucessos em determinadas situações, cabe a nós, torcida, chamar a atenção dizendo que o Cruzeiro não é outro. Cruzeiro, você é o Cruzeiro e não pode ter como parâmetro o vizinho ou o coleguinha de tabela. Não mesmo. A menos que a situação seja inversa.

Torcida comemora triunfo ante Palmeiras
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Ai do moleque se a mãe descobre que toda a turma foi bem na matéria, menos seu amado filho. Como assim? O que foi que o garoto fez durante a aula que não assimilou o conteúdo para, assim como os demais, fazer um bom teste? É isso que a torcida precisa cobrar, por mais contraditório que seja. Como é que o time consegue perder pontos bobos em casa contra equipes que são, com todo o respeito, saco de pancadas da competição?

Entre o orgulho e as cobranças

Quando o garoto se dá bem no teste e chega todo orgulhoso mostrando a prova, apesar do orgulho latente, é papel da mãe explicar à criança que aquilo é sua obrigação. Que enquanto ela e o pai trabalham e se esforçam para deixar a casa em ordem, o filho deve entender que o mínimo que ele precisa fazer é se esforçar para alcançar os resultados. Não que a mãe não possa parabenizá-lo pelas conquistas. Pelo contrário. O filho precisa ser valorizado e entender que a vitória dele significa a felicidade dos seus pais. O contrário é motivo de preocupação e, se necessário, bronca.

Cruzeiro bateu o Atlético/PR em Curitiba
(Créditos: Geraldo Bubniak/Light Press/Cruzeiro)

E tem algo que dê mais orgulho para uma mãe do que poder falar do filho para os outros? Assim tem que ser o assunto Cruzeiro quando um cruzeirense puder falar sobre o time. E é ainda mais gratificante para uma mãe quando ela pode falar bem do rebento, contar aquela vantagem marota quando está na rodinha com as outras mães. Contar as peripécias, a evolução, o quanto ela se orgulha dele e o quanto ele a respeita.

O amor da torcida pela Raposa

Cruzeiro, tua torcida te ama como uma mãe ama o filho. Entenda que toda a cobrança, todas as noites mal dormidas, as lágrimas e sorrisos são por sua causa. Queremos seu bem. Sua vitória é nossa vitória. Sua derrota é nossa derrota e, embora às vezes não pareça, elas doem mais na gente do que em você. Nós nunca iremos parar de te cobrar quando preciso e de te felicitar quando necessário. E o mais importante: sempre estaremos contigo. O que esperamos é esforço, inteligência, entrega e reciprocidade.

Dê a seu torcedor o mesmo valor que ele te dá. Pense nele cada vez que estiver em uma prova, em uma partida. Pense em todo o esforço que ele faz para estar nas arquibancadas do seu lado.

Força, Cruzeiro!

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!

5 comentários:

  1. Texto Ótimo e verdadeiro!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelas belas palavras. Esse é exatamente o sentimento do torcedor cruzeirense. Esse papo de apoio incondicional, é papo de babaca. O amor é incondicional, o apoio é só quando merecer.

    ResponderExcluir
  3. Excelente definição, exatamente como ser a nossa torcida!!!

    ResponderExcluir
  4. Texto bacana! É assim mesmo que que deve ser!

    ResponderExcluir