10/08/2017

Obrigações de mais e convicção de menos

Vinícius Dias

Dobro de posse de bola, quatro vezes mais finalizações e quase um jogo de um time só, nessa quarta-feira, no Mineirão. Mas a vaga nas quartas de final da Copa Libertadores é do outro time, o Jorge Wilstermann. O Atlético jogou como sempre - 43 cruzamentos, apenas seis certos, de acordo com o Footstats, confirmam isso - e tropeçou como o torcedor se acostumou a ver. Caiu Roger Machado, caiu no Horto, caiu no Mineirão, e o jejum em casa chega a 39 dias. Com o pior cenário possível para os atleticanos, o confronto fez jus ao rótulo de um ano em 90 minutos.


O time comandado por Rogério Micale começou pressionando e buscando a superioridade pelos lados, especialmente pela direita, com Marcos Rocha e Luan. Mesmo diante de um adversário que chegou ao Mineirão com apenas 13% como visitante, o gol não veio e o Atlético foi se desorganizando. Primeiro, a velocidade na troca de passes esbarrava em decisões erradas. Depois, a circulação da bola tinha pouca objetividade em mais um jogo com estrelas escondidas. Na etapa final, embora os bolivianos sequer ameaçassem em contra-ataques, muitos cruzamentos e poucas ideias.

Robinho: fracasso em pleno Mineirão
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Fracasso dentro de campo, com duas eliminações em apenas 15 dias, falta de tato fora dele. No discurso do presidente Daniel Nepomuceno, é obrigação do Atlético chegar ao G6 do Campeonato Brasileiro e disputar a próxima Libertadores - assim como era inadmissível perder o título na última temporada - e a receita do sucesso passa pela volta às características. Características, ou estilo 'Galo Doido', que ele mesmo preteriu ao demitir o então vice-líder Levir Culpi, em 2015, contratando Diego Aguirre e, mais recentemente, Roger. Rupturas seguidas de rupturas.

Vexame, dúvidas sobre 2018 e uma certeza sobre o momento:
Hoje, o Atlético tem obrigações de mais e convicção de menos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário