05/02/2018

Cruzeiro vence primeiro grande teste de 2018

Vinícius Dias

De um lado, o líder do Campeonato Mineiro, registrando o novo recorde de público da temporada com a presença de mais de 50 mil torcedores no Gigante da Pampulha. Do outro, o campeão e dono da melhor defesa da última Série B - a formação com Norberto, Messias, Rafael Lima e Giovanni foi repetida por Enderson Moreira nesse domingo -, invicto há 15 jogos e mais de quatro meses. Ao fim do clássico, 1 a 0 para o Cruzeiro. Se diz pouco sobre os próximos passos, o triunfo mostra a equipe celeste coletiva e individualmente à frente do América que retorna à elite.


Sem Thiago Neves, Mano Menezes desenhou um 4-2-3-1 com Robinho pela direita, Arrascaeta mais ao centro e Rafinha pela esquerda. Ora com o uruguaio chegando à direita, ora com Robinho centralizando, a movimentação da terceira linha abria caminho para Edilson levar perigo. A Raposa teve a primeira grande chance, aos cinco minutos, parando em João Ricardo. O Coelho só ameaçou aos 46', com Norberto. O domínio cruzeirense esbarrava na tomada de decisões: cruzamentos errados da intermediária e dificuldade para acionar Rafinha no um contra um.

Edilson e Arrascaeta: nomes do triunfo
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Divulgação)

Na etapa final, a entrada de David na vaga de Matheus Sales ajudou a transformar o América acuado do primeiro tempo e que tinha as bolas esticadas como única arma em um time que trabalhava melhor a posse. O duelo ganhou novas alternativas. Com mais espaço, o Cruzeiro teve Cabral avançando para concluir, Fred sendo acionado com a bola no chão e obrigando o goleiro João Ricardo a intervir. Mas foi Arrascaeta quem abriu o marcador: cruzamento de Edilson, aos 23', completado de voleio. Sexto gol do camisa 10 uruguaio em seu décimo clássico contra o Coelho.

O domingo terminou com recorde e comemoração do Cruzeiro.
O time de Mano venceu o primeiro grande teste da temporada.

3 comentários:

  1. Alguns dos jogadores que foram escalados ontem, na minha opinião, são jogadores medianos que não devem ser titulares durante a Libertadores.
    Exemplos: Murilo é lento, sem agilidade, sem recuperação ..
    henrique nunca marcou ninguém,assiste os jogos de dentro do campo
    Ariel Cabral, apesar da boa visão de jogo, é lento, marca mal
    Robinho não tem mais condições físicas para formar no meio de campo
    Enquanto isso, outros jogadores em melhores condições, sabe-se lá porque, não tem a menor chance: os dois Lucas (Silva e Romero)são exemplos.

    ResponderExcluir
  2. Futebol muito pequeno ,fred continua sendo cone de sempre

    ResponderExcluir
  3. Rogério Delane, a constante presença de Henrique e Robinho, além de Léo e Sóbis é minha crítica ao Mano. Ele não sabe jogar sem estes jogadores. É muito teimoso. Na Bahia tentou escalar o péssimo Henrique até de quarto zagueiro, lembra? O Ariel é lento mas marca melhor que o Henrique e sabe lançar e chutar a gol.
    Os LUCAS já merecem ser melhor aproveitados, mas com o Mano, pode largar!
    Tem gostado do Bruno Silva? Prá mim é fria. Ele é peladeiro, taticamente indisciplinado, nunca vai dar certo no Cruzeiro. Grande burrada sua contratação!

    ResponderExcluir