30/07/2018

A derrota do Cruzeiro que não é do cruzeirense

Vinícius Dias

Arrascaeta invade a área com a bola dominada e é derrubado pelo zagueiro Anderson Martins. Pênalti que Barcos cobra no travessão aos 27' da etapa final. Quatro minutos antes de Éverton completar para as redes a jogada iniciada por Rojas. 2 a 0 para o São Paulo sobre o Cruzeiro, no Mineirão, confirmando a ascensão do tricolor, agora vice-líder, e a queda do time celeste. 18º triunfo contra apenas cinco da Raposa em 31 confrontos na era dos pontos corridos. Mas o resultado vai além do tabu.


Porque o Cruzeiro venceu em 2003 e ficou com o título. Perdeu praticamente todas entre 2006 e 2008, como a maioria dos adversários do São Paulo tricampeão brasileiro. Voltou a vencer em 2013 porque, mais uma vez, era superior e tinha a melhor equipe do país. Mas, nesse domingo, além da falta de pontaria, perdeu por ser um time que tem estrutura e respaldo, mas sequer entrega empatia - em outras palavras, por ser um time que o DNA cruzeirense não se sente convidado a chamar de seu.

Time celeste decepcionou a torcida
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

Se a arquibancada silenciosa durante a vitória sobre o Atlético/PR já havia incomodado Mano Menezes, as vaias ao fim da partida desse domingo deixaram explícito o recado: entre resultado e desempenho, a essa altura da temporada, o Cruzeiro não tem nem um nem outro. A equipe que trocou 436 passes, de acordo com o Footstats, foi derrotada pela que acertou 292 e teve sete finalizações a menos. Faltam repertório e ousadia, paradoxalmente, onde sobra qualidade e as decisões batem à porta.

Vitória do tricolor sobre a Raposa pela 18ª vez desde 2003.
Mas a derrota foi de um Cruzeiro que não é do cruzeirense.

15 comentários:

  1. Já não concodo em pagar pra assistir jogos pela mídia, pois se eles que precisam de ter telespectadores pra que vejam seus produtos, ainda mais pra ver o que o Sr Mano Menezes e seus jogadores, sem brio e atitude vem apresentando para os seus torcedores. Gente, o que esse "amontoado" de jogadores e profissionais do Cruzeiro vem mostrando em campo é uma vergonha!

    ResponderExcluir
  2. Nosso DNA é de time ofensivo de toque de bola objetivo!O próprio Alex Talento já disse abertamente: "Mano Menezes não tem o DNA do Cruzeiro"
    É a mais pura verdade, ganhou uma Copa BR na sorte com 6 empates na reta final e se acha rei, alguem avisa pra ele que antes já havíamos ganhado outras 4 Copa BR sem sequer uma disputa de penaltis!
    Minha paciência com Mano se esgotou na eliminação da SulAmericana em 2017 pro Nacional_Paraguai!

    ResponderExcluir
  3. Time Burocrático, previsível. Não aprendeu na copa que os times que tem posse de bola sem objetividade é melhor ficar sem a bola. O Mano não tem condições de mudança. Veja a França, mudou a forma de jogar de acordo com o adversário. No Brasil não tem time bobo e o cruzeiro não tem nenhuma chance. Vai ganhar so dos times que estao na rabeira.

    ResponderExcluir
  4. A verdade é uma realidade que ninguém diz. O rei está nu. Eu, como a maioria dos cruzeirenses, não gosta do MM. Seu estilo de jogo covarde e sem qualquer criatividade não se sustenta mais. Não tem o time na mão e não consegue qualquer variação tática. Jogadas ensaiadas então, nunca vi na era desse pseudo treinador. Não precisamos de um entregador de camisas com salário superior a 600 mil mensais.
    Temos um elenco compatível com os melhores, mas as escolhas equivocadas do treineiro, aliada a seu pragmatismo, não vão nos permitir alçar vôos mais altos.
    Que para 2019 possamos contratar um reinador de verdade !!!

    ResponderExcluir
  5. Com esse Mano Menezes, n~ao tem jeito. Ele conversa como professor e atua como retardado. Podem escrever, com este cara n~ao tem jeito.

    ResponderExcluir
  6. Um time que em várias situações tem possibilidade de definir uma jogada de forma objetiva no ataque, mas que prefere recuar a bola - o que ocorre repetidamente em TODOS OS JOGOS, demonstra claramente o que vem sendo treinado. Parece medo de definir e errar, mas ao mesmo tempo sofre com contra-golpes muitas vezes mortais.
    Alguns jogadores não emplacam e nem demonstram força de vontade. Perdem a bola e deixam o pepino pros outros, como no primeiro gol do São Paulo.
    Não é o fato de poupar um ou outro que faz tamanha diferença, apesar de achar que priorizar uma ou outra competição muitas vezes determina o fracasso em todas as disputas. Mas falta mais alma quando a bola sobra na linha da pequena área e o gol está escancarado à mercê do jogador de futebol - que treina diariamente, passa por essas situações com frequência e sabe que se não for incisivo ele pode perder a chance...
    Enfim, jogando assim, com essas atitudes, dificilmente poderá contar com a sorte pra ir mais além, quando as possibilidades de avançar são boas, já que a maioria das equipes encontra-se em inferioridade técnica.
    Mas no futebol de hoje, técnica só não ganha. Força física e comprometimento têm mais peso.

    ResponderExcluir
  7. Tenho um amigo que diz: È melhor jogar mal e ganhar. Pra comeco de conversa, è atleticano, ja diz tudo. Jogar mal e ganhar, acontece de vez em quando, vai perder mais do que ganhar. Assim esta o Cruzeiro, que ate nao esta jogando tao mal assim, mas esta faltando muita coisa. Falta tesao para jogar, (nao falta vontade, diferente) falta treinamento para saber quando definir, quando chutar, quando passar, quando atacar, quando defender, quando passar para tras, quando tocar de lado, quando cruzar, quando dar um chutao, jogadas ensaiadas, posicionamento, marcacao, pressao, abafa, tudo em seu momento certo, mas para isto, se torna preciso ter um treinador capaz, inteligente, (futebolisticamente) e corajoso, coerente e honesto. Porque honesto? Para aceitar suas culpa, seus erros e falhas e nao transferir para seus comandados, que alem de desonesto è muito feio. Enfim, falta competencia!

    ResponderExcluir
  8. Discordo bastante. Contra Corinthians e São Paulo fomos amplamente superiores, ambas as equipes chegaram duas vezes e conseguiram fazer dois gols. Nessas duas partidas, Barcos e Arrasca abusaram de perder gols e eles fizeram falta pois os adversários tinham qualidade. Faltou um pouco de sorte na conclusão, talvez competência .. concentração maior dos homens de frente na hora de finalizar. Mas colocar a culpa no treinador é demais, não gosto quando endeusam treinadores pelas vitórias, muito menos quando execram nas derrotas. Treinador não chuta bola, não se desvencilha da marcação, não cabeceia, não desarma e principalmente, NÃO PERDE GOL FEITO. Que nossos homens de frente melhorem a pontaria e que o time tenha melhor sorte nos próximos jogos, vamos precisar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em parte, pois não adianta ser superior e não conseguir finalizar com eficiência, e isto está diretamente ligado a treinamentos, o que parece que p Sr. Mano está realizando!

      Excluir
  9. O técnico é o culpado, ele escala mal, não posiciona o time de maneira correta dentro de campo, não tem variação tática, coloca medo de jogar e arriscar nos jogadores, arma o time sempre de maneira covarde, aceita que o time fique tocando a bola para traz e de lado, sem objetividade. Resumindo, precisamos de um técnico que não tenha medo de perder o cargo, que entre e coloque os jogadores para competirem, pois no momento não estamos competindo.

    ResponderExcluir
  10. O nosso DNA está forjado na tradição de atacar e encurralar seus adversários,só o mano não conhece a tradição do cruCruze!

    ResponderExcluir
  11. O Mano não é técnico para time que é acostumado a ganhar título surrando seus adversários. Não adianta achar que o Cruzeiro vai aprender a ser covarde, porque não vai. Isso contraduz sua história. Mano envergonha a Nação Azul. O América foi mais esperto, pegou o Adílson. Agora vamos ter que esperar outro vexame irrevogável, tal qual Nacional do Paraguai, para ver esse técnico enganador no olho da rua. Que Deus nos poupe de novas humilhações como a de ontem

    ResponderExcluir
  12. Parabéns! Você soube descrever o sentimento de grande parte da torcida. Esse futebol praticado, ainda que tenha bons resultados, não representa o Cruzeiro. Assistir os jogos não dá prazer, esse técnico salvou o clube quando tinha um time muito limitado, mas, agora o cenário mudou e esperávamos mais futebol.

    ResponderExcluir
  13. Quem conhece a história do Cruzeiro, sabe que o Cruzeiro tem sim seu momento copeiro, seu momento jogar com o regulamento embaixo do braço, tem sua tradição de técnicos gaúchos, que jogam fechando a casinha e sendo cirúrgico.O problema pra mim é outro, é querer jogar desse jeito com os jogadores que escala. Com um meio campo que não tem pagada nenhuma. Lembro que nosso melhor momento nesse campeonato não foi goleando, mas não tomando gol. Com vitórias seguidas de 1x0, que fez o Mano até zoar que o campeonato era de pontos corridos e não de gols marcados. Com Lucas Romero e Lucas Silva de volantes, esse time aí tem jeito demais. Acertando a pontaria, é time pra brigar. Falta ao Mano abrir mão dos protegidos e não do esquema.

    ResponderExcluir