15/03/2019

O Atlético que acredita demais no estadual

Vinícius Dias

Cruzamento preciso do lateral-esquerdo Viña para o experiente Bergessio superar Igor Rabelo na cabeçada, estufando as redes de Victor aos 26 minutos da etapa final, no estádio Parque Central, em Montevidéu. Gol da segunda vitória do Nacional e da segunda derrota seguida do Atlético na fase de grupos da Libertadores. Porque o time comandado por Levir Culpi, decepção até o momento, acredita demais no Campeonato Mineiro e deixa seus defeitos expostos na competição sul-americana.


No 4-2-3-1 - embora a escalação inicialmente sugerisse três volantes, o que não se confirmou em campo, com Elias se juntando a Cazares e Luan na terceira linha -, o alvinegro teve mais poder de marcação, mas perdeu velocidade para os contra-ataques. A ideia de Levir Culpi de dar solidez à defesa e reagir com intensidade se perdeu na execução. Mais uma vez, apareceu o desequilíbrio do time que na tentativa de minimizar os sustos defensivos deixa de produzir ofensivamente.

Time alvinegro caiu em Montevidéu
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

O time que lidera o Mineiro e pode assegurar a liderança da primeira fase no fim de semana, de forma antecipada, mostra defeitos que os resultados encobrem. Em campo e na escalação, como nessa terça-feira, quando o treinador sacou Patric e Jair logo após o gol do Nacional, recuando Elias, colocando Chará no meio-campo e dando chance ao promissor Guga na lateral-direita. Uma clara mensagem em busca do apoio do torcedor que vê o time involuir enquanto a temporada avança.

Acreditar nos defeitos e duvidar das qualidades é a receita.
Mas o Atlético faz o contrário: acredita demais no estadual.

11/03/2019

Atlético segue devendo nos grandes jogos

Alisson Millo*

A sorte do nosso querido - às vezes nem tanto - burro falhou na quarta-feira. De maneira espetacular. Também, não há intervenção divina que supere a insistência em Patric - que, convenhamos, é alvo muito mais pelo histórico do que pelo que jogou contra o Cerro -, os três volantes em uma partida como mandante e o desempenho fraquíssimo dos principais jogadores. O gol do adversário também foi azar, visto que foi irregular, mas não dá para reclamar de resultado ruim quando a atuação é pior.


De positivo, o primeiro tempo de Cazares e a atuação consistente de Luan. E foi somente isso mesmo. No máximo, vale acrescentar mais uma boa partida de Jair, que já se credencia a tomar a vaga no meio-campo e fazer dupla (dupla, Levir, e não trio!) de volantes com Zé Welison. Novamente, dupla. Sem Elias. Sem Adilson. Dupla. De dois. Lembra quando Rafael Carioca era seu único volante, treinador? Então, é por aí, mas dessa vez um pouco mais resguardado e menos suicida no ataque.

Elenco tem sentido falta de opções
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Outro fator muito preocupante é a falta de opções no elenco. A liderança do estadual jogando quase sempre com os reservas tem, no fim, mascarado a limitação de peças do Atlético. Na quarta-feira, Nathan precisou entrar porque não tinha outro. O mesmo Nathan que nunca mostrou futebol no Galo e que, em janeiro, esteve perto de ser devolvido para o Chelsea. Chará é outro que caiu em desgraça, perdeu a titularidade no time e, quando entrou, mostrou porque agora tem começado no banco.

Esquerda: um eterno problema

Fábio Santos não tem reserva à altura. Quando chegou, foi muito bem, mas a idade está batendo. Nosso camisa 6 vem mal desde o ano passado, mas nem Carlos César improvisado, nem Hulk conseguiram fazer sombra. A bola perdida no último lance de ataque do jogo de quarta-feira foi a gota d'água para o aumento das críticas. O lateral-esquerdo do Cerro Porteño era um dos alvos, mas a diretoria do Atlético optou por não fazer o investimento. De quem foi o passe para o gol dos paraguaios? Pois é.

Atlético decepcionou no Mineirão
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Bom investimento deve ser Geuvânio. Meia-atacante que, como meia, não arma; como jogador de velocidade, não é tão veloz assim; e, como atacante, faz poucos gols. Basicamente, é o Terans brasileiro. Vem com um salário alto e capacidade, a julgar pelo que demonstrou no Flamengo, nem tão alta assim. Você lembrava que ele ainda jogava por lá? Admito que não. Flashbacks tristes de Carlos Eduardo. Talvez bom investimento seja o retorno de Hyuri. Isso mesmo, Hyuri ainda tem contrato com o Galo.

Cadê nossos reforços, Marques?

Por aqui, elogiei o trabalho do diretor de futebol Marques no início da temporada, acreditei que ele vinha observando os reforços certos. Mas chegar mesmo, não chegou nada demais à Cidade do Galo. As negociações com os irmãos Romero foram por água abaixo. Diego Tardelli acertou com o Grêmio. O jogador para brigar por posição na lateral-esquerda ninguém sabe, ninguém viu. Papagaio chegou lesionado. Bolt já se lesionou. Tirando os dois zagueiros, nenhum dos recém-contratados virou titular.

Comemorar liderança do Mineiro jogando com o time reserva é ótimo para tirar onda com os rivais, mas a verdade é que zoação não levanta caneco. Não é questão de ser obrigado a conquistar títulos, mas, no mínimo, apresentar um futebol mais competitivo para brigar por eles. E, nos grandes jogos, o time de Levir Culpi segue devendo futebol competitivo.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
@amillo01 no Twitter, capitão da seção Fala, Atleticano!

08/03/2019

A vitória do Cruzeiro: com DNA Libertadores

Vinícius Dias

Bola para Fred fazer o pivô na entrada da área e ajeitar para Robinho, que, com tempo e espaço, lança para Rodriguinho infiltrar, se livrar da marcação e abrir o placar na saída do goleiro Antony Silva. Cruzeiro 1 a 0, aos 29 minutos da etapa inicial, no estádio El Palácio, em Buenos Aires. Estreia com vitória na Libertadores pela primeira vez desde os 5 a 0 sobre o Estudiantes, em 2011. Resultado para consolidar o foco na competição continental em meio ao terceiro lugar no Campeonato Mineiro.


Diante de muita chuva na capital argentina, a Raposa ficou mais com a bola - teve mais posse e mais desarmes durante a partida -, mas finalizou menos do que o Huracán. Os donos da casa tentavam, enquanto o sólido 4-2-3-1 de Mano Menezes, redesenhado com Robinho, Rodriguinho e Rafinha ocupando a terceira linha, incomodava. Aos 12', Silva já havia impedido o camisa 23 de inaugurar o marcador em cabeçada após o escanteio. Minutos depois de Barrios reclamar de pênalti em disputa com Léo.

Rodriguinho ditou o ritmo celeste
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

Quase espectador na etapa inicial, Fábio teve mais trabalho nos 45 minutos finais. Primeiro, aos 26', Azuqui recebeu em profundidade, tirou o goleiro da jogada, mas viu a finalização sem força ser interceptada pelo zagueiro Murilo. Aos 46', o Huracán chegou a balançar as redes, com Lucas Barrios, mas a arbitragem assinalou impedimento. Dois minutos depois, Alderete finalizou rasteiro, Fábio fez a defesa e, no rebote, cresceu diante de Barrios para colocar os três pontos na bagagem cruzeirense.

Na chuvosa Argentina, o Cruzeiro começou com o pé direito.
Sem espetáculo, mas sólido demais. Com DNA Libertadores.

06/03/2019

Vamos, Cruzeiro! Que, enfim, comece 2019!

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

Seria dramático demais afirmar que o começo de temporada do Cruzeiro me preocupa. O time está invicto e sofreu poucos sustos durante os jogos até aqui. Mas o que não é drama nem hipérbole de minha parte é que eu tenho a impressão de que a temporada do Cruzeiro sequer começou. Chegamos ao terceiro mês do ano e muito pouco foi apresentado à torcida nas partidas morosamente disputadas. Um ritmo estranhamente lento, uma rotação abaixo do normal para o investimento do clube. A precaução com a parte física pode sim ser um argumento para tamanha cautela, mas, ainda assim, vários são os jogadores que já vêm nos desfalcando por lesão.


Se analisarmos bem a fundo, uma das poucas coisas que tem movimentado o noticiário celeste são as alterações que Mano Menezes vem fazendo na equipe para poupar ou descansar jogadores que se lesionaram ou estão em vias disso. Noves fora a questão física, compreensível pela época do ano, o time tem se arrastado em campo quando o assunto é criação e criatividade. Raros foram os momentos em que a Raposa conseguiu sair do óbvio e criar algo que colocasse o gol adversário em situação de risco.

Raposa não convenceu no Mineiro
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

Apesar de ter gostado das atuações dos dois principais reforços para a temporada, leia-se Rodriguinho e Marquinhos Gabriel, tenho a impressão de que os setores da equipe estão demasiadamente distantes uns dos outros. Não há movimentação capaz de bloquear a retranca, por exemplo, da URT. Tudo bem que os times do interior jogam suas próprias finais de Copa do Mundo quando enfrentam os gigantes da capitale que os gramados por onde nos apresentamos não são dos melhores, mas isso não pode servir de desculpa para que um elenco como o do Cruzeiro não consiga produzir soluções para sair vitorioso desses confrontos.

Ritmo de treino ou preocupação?

Teremos batalhas muitíssimo mais complicadas no decorrer do ano e é bom que ou eu esteja desnecessariamente receoso ou que esses jogos de dar calos nos glóbulos oculares tenham servido como testes e que os resultados deles sejam a base para a melhora que todos esperamos, especialmente na qualidade do espetáculo. Como disse anteriormente, os resultados até agora não me preocupam tanto. Mas a falta de entusiasmo e de objetividade, sim, me deixam com uma pulga atrás da orelha. Semana que vem, inclusive, reiniciaremos a busca pelo tri da América. Então, mais do que nunca, é hora de mostrar que estamos no caminho certo.

Agora, Cruzeiro mira tri da América
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

Graças ao bom trabalho que todos os envolvidos com o futebol celeste vêm desenvolvendo nos últimos anos, novamente temos a oportunidade de começar o ano com mais tempo para trabalhar nos treinamentos do que a maior parte das equipes brasileiras. Vamos começar a Libertadores na fase de grupos e iremos pular boa parte dos desgastantes mata-matas da Copa do Brasil, que já se mostraram perigosíssimos para os grandes clubes. Tempo é artigo de luxo cada vez mais em falta no calendário nacional. Confesso que não vejo a hora de avaliar na prática o resultado desse tempo extra que o Cruzeiro teve para se preparar. E que comece 2019.

Força, Cruzeiro!

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!

24/02/2019

Galo: bom com reservas, melhor com titulares

Alisson Millo*

Falar em navegar em águas calmas com o Atlético parece uma realidade bem paralela. Mas, neste momento, todo o elenco se encontra em uma situação surpreendentemente confortável. A liderança do estadual jogando com time reserva a maioria dos jogos e, na Libertadores, os titulares deram um passo enorme para a classificação para a fase de grupos. O empate no clássico, a derrota para o Tombense e o sufoco desnecessário contra o Danubio parecem tempos distantes. Falando assim, parece que está tudo lindo e maravilhoso, mas alguns pontos devem ser ponderados.


Primeiro, a insistência em peças que não dão retorno proporcional ao prestígio com o comandante. Essa frase certamente será associada a Patric - eu sei, não precisa fingir -, mas a lateral-direita não é o maior dos problemas. No meio-campo, temos um volante que não marca e, no ataque, um ponta que não dribla nem finaliza. Elias e Chará, de quem tanto se espera pelas altas cifras envolvidas, têm sido figuras discretas enquanto outros nomes pedem passagem. Guga e José Welison já são moralmente titulares, mas Levir Culpi preza pela sequência dos 11 escolhidos, então nos resta confiar.

Luan e Réver: firmeza na Libertadores
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Contra o Defensor, tivemos mais uma prova de que devemos acreditar no instinto de Levir. Seja burrice ou sorte, praticamente definiu a classificação. Praticamente porque futebol é futebol. Contra o Danubio, estava tudo ótimo, veio um pênalti bobo, depois uma paulada da intermediária e instaurou-se o caos. Tudo por causa de uma postura altamente defensiva, que precisa ser evitada na próxima quarta. O Horto cheio será o combustível, mas todo cuidado é pouco. Na ida, por um momento, o Galo sofreu um ligeiro sufoco, que só não foi maior pelas limitações do adversário.

Chance para reservas no Mineiro

O time também tem tido apagões no estadual, mas o baixo nível permite vitórias sem maiores sustos. De qualquer forma, é um ótimo laboratório para testar peças e dar ritmo de jogo aos reservas, o que tem sido feito. Alerrandro finalmente desencantou no profissional e fica a expectativa de que, com confiança, ele se torne o jogador que prometeu na base. Alessandro Vinícius subiu e é outro nome para ficar de olho para o futuro. Lá atrás, o goleiro Cleiton foi bem quando exigido. O Mineiro também permite ver que Nathan, Leandrinho, Hulk e, surpreendentemente, Bruninho não devem vingar no Atlético. Lucas Cândido, por falta de opção, segue jogando.

Cazares tem sido destaque em 2019
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Com o Atlético avançando para a fase de grupos da Libertadores, o time alternativo deve seguir ganhando minutos de jogo. Chance para Vinícius e Maicon Bolt se encaixarem e brigarem por posição entre os titulares. Chance também de desfrutarmos um pouco mais do excelente zagueiro e da lenda viva que é Leonardo Silva, que, mesmo beirando os 40 anos, continua sendo a melhor opção que temos no elenco. Uma pena que a idade chega até para jogadores tão icônicos quanto nosso capita.

Sobre a lista da Conmebol de inscrições irregulares, meus 20 centavos. O Defensor cogita acionar os tribunais para reverter o resultado, tal como fez com o Barcelona/EQU. Com 21 clubes, sendo vários brasileiros, a culpa claramente não pode recair sobre os clubes. A falta de organização não pode ser descontada em quem faz o futebol ser a atração que é. É de se notar também a presença de Santos, Corinthians e São Paulo na lista. Uma prova de que há regras demais, muitas vezes mal feitas e mal cumpridas. Fica aqui nossa torcida para que não saiamos prejudicados.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
@amillo01 no Twitter, capitão da seção Fala, Atleticano!

20/02/2019

Cruzeiro reestrutura setor de escolinhas

Vinícius Dias

Com a retomada dos trabalhos das categorias de base, o Cruzeiro define nos bastidores os últimos detalhes da reestruturação das escolinhas de futebol e futsal. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, Fábio Elias assumirá a supervisão do setor, ligado no organograma à gerência das escolas de esportes. De volta ao clube, o novo gerente será Adriano Andrade, ex-coordenador do Departamento de Negócios Internacionais.

Fábio supervisionará futebol e futsal
(Créditos: Fábio Elias/Arquivo Pessoal)

Fábio será o responsável por projetos voltados para os alunos de futebol e futsal, além do processo de transição das escolinhas com a Toca da Raposa I. Pós-graduado em gestão de negócios e gestor técnico do futebol pela Universidade do Futebol, o publicitário é um dos fundadores da Ludus Sports, empresa responsável pela implantação da escola licenciada do Cruzeiro em Itaúna, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais.

Unificação da metodologia de base

Atualmente, as escolinhas trabalham com metodologia unificada de treinamentos, a partir de padrões físicos, táticos, técnicos e nutricionais desenvolvidos por um comitê de profissionais do clube celeste. A iniciativa, traçada pelo Departamento de Negócios Internacionais, em parceria com a diretoria das categorias de base, tem como principal objetivo a expansão das unidades esportivas por meio do licenciamento oficial.

18/02/2019

Cruzeiro contrata goleiro ex-Santos para sub-20

Vinícius Dias

A representação do elenco sub-20 do Cruzeiro, nesta quarta-feira, na Toca I, terá mais uma cara nova. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, em meio à reformulação na meta, com as saídas de Jonathan Braz, titular na Copa São Paulo de Futebol Júnior, e de Gabriel Brazão, negociado com o futebol italiano, o clube celeste acertou a contratação de Gustavo Abdo, ex-Santos. A princípio, o goleiro disputará posição com Robson Luiz.

Jovem assinou contrato até 2021
(Créditos: Gustavo Abdo/Divulgação)

Revelado pelo próprio Cruzeiro, Gustavo Abdo foi contemporâneo do zagueiro Arthur, atualmente emprestado ao Tombense; do lateral-direito Vitinho, vendido ao Cercle Brugge/BEL no ano passado; e do meia Marco Antônio nas escolinhas. Após deixar a Raposa, em 2014, o belorizontino, de 19 anos, teve passagens por América e Santos, clube com o qual rescindiu antes de acertar o retorno. O contrato vai até dezembro de 2021.

15/02/2019

Perrella se alinha a Wagner Pires no Cruzeiro

Vinícius Dias

A aprovação quase unânime, na última segunda-feira, da proposta de empréstimo apresentada pela diretoria do Cruzeiro reafirmou o alinhamento entre o presidente Wagner Pires de Sá e o presidente do Conselho Deliberativo, Zezé Perrella. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, a aproximação começou a ser construída ainda na temporada passada. Nos bastidores, aliados já projetam uma composição para as eleições de 2020, que definirão o mandatário do ano do centenário.

Presidentes celestes estão alinhados
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

Zezé tem mandato à frente do Conselho Deliberativo até 2020, sem possibilidade de reeleição pelo estatuto. Ainda assim, a avaliação de integrantes da chamada ala Perrella é de que um enfrentamento com Wagner Pires de Sá, tratado como candidato natural do grupo de situação, no próximo pleito presidencial é improvável. Internamente, a aposta é de que o ex-senador abrirá mão de uma possível candidatura tendo participação ativa na formatação da chapa para o triênio 2021/2023.

Aliados caminham para situação

Um dos protagonistas da política celeste há mais de duas décadas, Zezé Perrella foi eleito por aclamação em novembro de 2017. Curiosamente, meses depois de ter sido o principal apoiador da candidatura de Sérgio Rodrigues, derrotado no pleito presidencial mais acirrado da história do clube. Neste momento, alguns dos principais articuladores da campanha também estão alinhados à diretoria. O advogado, embora rejeite o rótulo de opositor, é apontado como forte alternativa no cenário eleitoral.

11/02/2019

Joia do sub-20 do Cruzeiro vira alvo da Europa

Vinícius Dias

As boas atuações com a camisa do Cruzeiro na Copa São Paulo de Futebol Júnior elevaram o status do meia Marco Antônio no mercado. Conforme o Blog Toque Di Letra, o jovem, de 18 anos, é alvo do Porto, de Portugal, Flamengo e um clube paulista. Em meio ao assédio, a cúpula celeste tenta assegurar a renovação do prata da casa, que tem vínculo apenas até julho e, portanto, já pode assinar pré-contrato com outra equipe.


A oferta cruzeirense foi formalizada há cerca de 15 dias, em reunião na Toca II. O clube agora aguarda uma posição do staff de Marco Antônio, encabeçado pelo agente Luciano Brustolini, para dar sequência às negociações. "Nós já fizemos a primeira proposta ao empresário dele, há duas semanas. Ele levou para a família e ficou de dar um retorno para a gente nesta semana", confirmou o diretor geral da base, Quintiliano Lemos.

Marco Antônio tem contrato até julho
(Créditos: Gustavo Aleixo/Cruzeiro E.C.)

Detentor de 70% dos direitos econômicos de Marco Antônio, o Cruzeiro apresentou um plano de carreira semelhante ao alinhavado na renovação do atacante Vinícius Popó, apontado nos bastidores como uma das principais revelações recentes da Toca I. O clube celeste propõe contrato por cinco temporadas, com gatilhos salariais baseados no desempenho no sub-20 e, posteriormente, na promoção ao elenco profissional.

'Queremos mantê-lo', diz diretor

Mesmo ciente do assédio após a participação do meia na Copa São Paulo de Futebol Júnior, coroada com assistências nas vitórias diante de Sport e Rio Preto, Quintiliano garante o Cruzeiro forte na disputa. "São clubes grandes que têm interesse no atleta. Mas o Cruzeiro é o formador e quer mantê-lo", afirmou, sem especificar as equipes interessadas. A reportagem tentou, sem sucesso, contato com o agente Luciano Brustolini.

09/02/2019

Cruzeiro sela empréstimo de Laércio ao Ipatinga

Vinícius Dias

Após várias semanas de expectativa, o Cruzeiro sacramentou o empréstimo do atacante Laércio ao Ipatinga. As negociações entre os clubes haviam sido antecipadas em janeiro pelo Blog Toque Di Letra. Com nome publicado no BID, o jogador está à disposição do treinador Rogério Henrique para a estreia do Tigre do Vale do Aço no módulo II do Campeonato Mineiro, neste sábado, diante do Nacional de Muriaé, em casa.

Atacante renovou até o fim de 2022
(Créditos: Gustavo Aleixo/Cruzeiro E.C.)

Inicialmente emprestado pelo Salgueiro/PE, Laércio chegou a ser testado por Sidnei Lobo na reta final do Brasileirão de 2018, mas não entrou nos planos de Mano Menezes para esta temporada. Autor de seis gols em 25 jogos pelo sub-20, o atacante teve 60% dos direitos econômicos adquiridos pelo clube celeste, em dezembro, por R$ 600 mil. Com contrato renovado até o fim de 2022, o piauiense foi cedido ao Ipatinga até maio.

07/02/2019

Cruzeiro detalha situação financeira ao Conselho

Vinícius Dias

Às vésperas da reunião extraordinária convocada para a próxima segunda-feira, interlocutores da diretoria do Cruzeiro têm dialogado com diferentes alas do Conselho Deliberativo para apresentar, de forma preliminar, o planejamento financeiro do clube. Nos bastidores, o dia 11 de fevereiro é tratado como "decisivo". A pauta inclui deliberações sobre obtenção de empréstimos e sobre o plano de pagamento elaborado.


Conforme os números apurados pelo Blog Toque Di Letra junto a conselheiros que participaram da série de encontros iniciada na semana passada, a cúpula celeste trabalha atualmente com a projeção de R$ 470 milhões em dívidas - incluindo cerca de R$ 170 milhões refinanciados após a adesão ao Profut, instituído pelo governo federal em 2015. Os débitos em longo prazo representam mais R$ 130 milhões.

Reunião acontecerá na segunda-feira
(Créditos: Jaci da Silveira/Cruzeiro E.C.)

A proposta do Cruzeiro é quitar as dívidas vencidas e não refinanciadas - cerca de R$ 300 milhões - a partir de empréstimo concedido por uma instituição financeira estrangeira. Caso a operação seja autorizada pelo Conselho, em vez de quase duas dezenas de credores e juros variáveis, o clube passaria a ter a instituição como credora, com taxa única de juros. O pacote incluiria prazo longo e carência de 18 meses para início do pagamento.

Contas digitais turbinarão master

Em meio às discussões sobre a situação financeira, conforme apuração da reportagem, também esteve em pauta o novo patrocínio master. De acordo com o formato antecipado aos conselheiros, além de valor fixo, a Raposa terá direito a bônus equivalente a 50% do lucro obtido pelo patrocinador com as contas digitais do clube, produto que será lançado em breve. Internamente, o novo contrato é apontado como "o maior da história".

06/02/2019

Dirceu Lopes lança biografia em Itabirito

Vinícius Dias

Um dos maiores ídolos da história do Cruzeiro, Dirceu Lopes estará em Itabirito, na Região Central de Minas Gerais, no dia 16 de fevereiro. O ex-meia lançará O Príncipe - A real história de Dirceu Lopes, biografia assinada pelo jornalista Pedro Blank, no Restaurante 4 Estações, a partir das 10h. O evento será promovido pelo cruzeirense Rodrigo Espigão.

Ídolo celeste estará em Itabirito
(Créditos: Arquivo Pessoal/Dirceu Lopes)

O Príncipe, como é conhecido, é o segundo maior artilheiro da história do Cruzeiro, com 223 gols, e o terceiro jogador que mais atuou com a camisa celeste, com 633 partidas, entre 1963 e 1979. Pela Raposa, o camisa 10 foi protagonista de conquistas como a Taça Brasil de 1966 e a Libertadores de 1976, narradas ao longo das 344 páginas do livro.

Lançamento da biografia - O Princípe

Horário: a partir das 10h
Local: Restaurante 4 Estações - Centro
Endereço: Rua Belo Horizonte, 180, Itabirito/MG
Preço do livro: R$ 50,00 

04/02/2019

Galo: um olho na Libertadores, outro em Tardelli

Alisson Millo*

O último teste antes do jogo mais importante de fevereiro foi concluído com sucesso. Verdade seja dita, todas as partidas até aqui foram boas. Se nem todas encheram os olhos, serviram para uma avaliação do time e do elenco para a temporada. Agora, a cabeça se volta toda para o Danubio, nesta terça-feira. Mas o que esperar da estreia na Libertadores? Bem, de acordo com o próprio Levir Culpi na coletiva pós-vitória contra o Guarani, um jogo difícil, que está deixando o treinador com 'medo'.


Claro, o time que enfrentou o Bugre não será o mesmo que vai jogar no Uruguai, mas algumas peças merecem ser olhadas com carinho. Maicon Bolt deixou boa primeira impressão, com gol, velocidade e versatilidade para atuar pelos dois lados do ataque. Zé Welison e Adilson disputam a vaga de primeiro volante, mas provaram que podem, sim, jogar juntos - e ambos foram bem. Caso Elias não corresponda e Gustavo Blanco demore a voltar em alto nível, a segurança dessa dupla será fundamental.

Maicon Bolt estreou com o pé direito
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Todos os olhares, porém, estavam voltados para o maior esportista brasileiro de todos os tempos. Guga ganhou Rolland Garros, largou seu time do coração e veio se tornar ídolo do Atlético no futebol. Exageros à parte, o lateral-direito foi muito bem, acertou vários cruzamentos - algo impensável para seus concorrentes -, deu assistência e teve o nome gritado pela torcida. No ano passado, Emerson ganhou a vaga logo no clássico, então há precedente para que Guga seja titular na Libertadores. Por favor, Levir!

Esquerda e ataque preocupam

De preocupante, Carlos Cesar e Alerrandro. O lateral está aí há um bom tempo, rodou para tudo enquanto é lado, nunca ganhou a Massa, era cotado para ter o contrato rescindido no início do ano, mas se tornou opção - inclusive para a esquerda - e foi inscrito para a competição sul-americana, mostrando a descrença da comissão técnica em Hulk. Se o alerta vermelho já estava ligado para a contratação de um concorrente para Fábio Santos, agora ele está piscando e fazendo barulho. Urgência total.

Alerrandro fez, mas não convenceu
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Urgente também é uma sombra para Ricardo Oliveira. O pastor foi carinhosamente apelidado de vovô garoto, mas já está chegando aos 40 e não vai suportar uma temporada inteira sendo a única opção para a grande área. O reserva tem a metade da idade e até fez o primeiro gol como profissional nesse sábado, mas perdeu pelo menos duas chances claras e coleciona mais incertezas do que glórias desde a subida ao profissional.

Tardelli: a novela recomeçará?

E essa sombra, ao que tudo indica, não será Diego Tardelli. Primeiro porque o retorno dele parece improvável. Segundo porque a lista de inscritos para a fase preliminar já foi enviada. Terceiro, e principal, porque ele jamais seria reserva. Caso venha, será uma grande contratação e, tal como foi em 2013, a cereja do bolo. Naturalmente será titular, talvez até no lugar do próprio Ricardo Oliveira, mas também pode entrar nas vagas de Luan ou Chará. Como nenhum deles atua como camisa 9 na área, continuaríamos dependentes de Alerrandro, que ainda não se provou positivamente.

Tardelli: o grande sonho do atleticano
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

O grande teste para o time principal, até o momento, foi o clássico. Um empate que poderia ser uma vitória, não fosse uma atuação pouquíssimo inspirada da equipe de arbitragem, mas que expôs alguns problemas. Claro, as exigências de uma Libertadores são muito maiores do que na primeira fase do Campeonato Mineiro, mas nosso rival - ou melhor, freguês - tem um grupo mais qualificado que o adversário de terça-feira. Colocando na balança, é possível criar expectativas para a classificação.

Alguns dirão por aí que é obrigação. Mas, desde a gestão Nepomuceno, entendi que ser obrigado a qualquer coisa é sinônimo de que a vaca do Atlético está indo para o brejo. Então, parcimônia nesse momento cai bem. O início de temporada foi bom, a preparação parece bem feita e o time foi bem reforçado, apesar das carências enumeradas acima. Nosso apoio é fundamental e, certamente, não faltará. Mas ajude a gente aí, Galo! Está muito cedo para recorrer ao 'Eu Acredito', vamos retornar do Uruguai com um bom resultado. Não precisa ser sempre com emoção.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
@amillo01 no Twitter, capitão da seção Fala, Atleticano!

31/01/2019

O Cruzeiro e o clássico dos seis erros no Mineirão

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

No último domingo, no Mineirão, o Cruzeiro enfrentou o primeiro teste um pouco mais complicado neste início de temporada. Depois de vencer as duas primeiras rodadas, a Raposa perdeu os primeiros dois pontos ao empatar com o Atlético naquele que eu gostaria de chamar de jogo dos seis erros.


O primeiro erro, mas não o mais importante, não teve a participação direta dos protagonistas da partida. Desde o começo do jogo, a arbitragem se mostrou um tanto quanto confusa. Marcações duvidosas, algumas jogadas negligenciadas e, no segundo tempo, boa parte do tempo tomado para uma substituição inusitada. A meu ver, nosso adversário teve um lance de penalidade máxima não marcada logo no início do confronto e, ainda no primeiro tempo, o auxiliar não confirmou um gol do Cruzeiro onde houve disputa por espaço seguida de esperteza do zagueiro atleticano. 

Clássico mineiro terminou empatado
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

No que diz respeito ao Maior de Minas, alguns detalhes não saíram bem como o planejado ou como o esperado. Destaco três situações principais que impediram o terceiro triunfo seguido no estadual. Confesso que achei que a equipe aceitou com muita facilidade a marcação adversária, especialmente no primeiro tempo. A falta de agressividade para se impor diante da torcida estabelece o nosso erro de número dois na partida. Claro que ainda é muito cedo para criticar de maneira cruel o início de trabalho do grupo, mas fica o alerta para as próximas ocasiões.

Mais um erro do time de Mano...

O terceiro erro, ainda relacionado ao time e sua postura, foi a falta de criatividade. Muitas jogadas previsíveis e pouco repertório para buscar desmontar o já citado sistema defensivo do oponente. A grande parte das jogadas começava pelo meio e acabava caindo no lado esquerdo com Egídio, que, não encontrando ajuda, mandava um chuveirinho improdutivo para a área, normalmente nas mãos do goleiro. Outra vez, concordo que seja demasiadamente cedo para análises muito aprofundadas, entretanto este defeito também foi visto por diversas oportunidades no ano passado.

Dupla de zaga celeste falhou no dérbi
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

O último erro do Cruzeiro, o quarto da nossa análise, talvez seja o mais pontual, mas o mais decisivo para o placar final. A falta de comunicação, de tempo de bola, o excesso de confiança, ou dê àquela jogada o nome que quiser, não só deu ao outro time a oportunidade - aproveitada - de empatar o jogo como chamou o adversário de volta ao jogo. A presepada de Léo e Dedé, que têm crédito com a torcida e com esse que vos fala, foi determinante para o resultado da partida. Uma infelicidade, talvez. Que se trabalhe para que isso não se repita.

...e os vários erros dos dirigentes

Os dois últimos erros partiram de quem deveria primar pela qualidade do espetáculo. Marcar um clássico da importância de Cruzeiro x Atlético com times ainda buscando se encontrar, às 11h, em janeiro, não é justo nem com jogadores nem com torcedores. Muitos dos erros citados acima talvez não tivessem ocorrido em outras circunstâncias. O que é certo é que nenhum dos problemas teria acontecido se o principal e último erro desta lista não tivesse sido cometido: o jogo em si, dado o contexto que o estado de Minas Gerais vive, jamais poderia ter sido realizado nessa data.

Atacante Fred fez o gol do Cruzeiro
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

Problemas com TV, calendário, divergências entre diretorias, poderiam e, sem dúvidas, seriam resolvidos depois. O luto e a dor dos afetados direta ou indiretamente pela tragédia em Brumadinho será eterna. Não vejo motivos para a FMF não ter adiado toda a rodada logo após a notícia do desastre. Por um fim de semana, o futebol deveria ceder seu espaço para que toda a atenção possível fosse dispensada em tentar minimizar os efeitos da devastação que testemunhamos. Deixar a discussão para o sábado serviu apenas para criar um clima ruim entre clubes, imprensa e federação.

Questionamentos sobre assuntos única e exclusivamente ligados ao futebol, como a comemoração do gol do Cruzeiro, são um claro exemplo  de que não havia o menor clima para a partida. Não condeno de forma alguma Fred e seus companheiros. Gol é motivo de festa, sim. Mas acontece que, no momento, não temos nada para comemorar e tínhamos - e temos - coisas muito mais importantes para nos preocupar.

Força, Cruzeiro!

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!

30/01/2019

Perrella convoca Conselho para debater finanças

Vinícius Dias

A situação financeira do Cruzeiro entrará em pauta no Conselho Deliberativo no dia 11 de fevereiro. A pedido do presidente do clube, Wagner Pires de Sá, o presidente Zezé Perrella convocou uma reunião extraordinária, que acontecerá na sede social do Barro Preto. O Blog Toque Di Letra teve acesso à correspondência que será encaminhada pelo senador aos conselheiros beneméritos, natos e associados conselheiros. 

Senador presidirá reunião no dia 11
(Créditos: Zezé Perrella/Twitter/Divulgação)

A pauta do encontro inclui apresentação do planejamento financeiro; deliberação e aprovação para realização de operações financeiras e bancárias, com autorização para concessão de garantia real de patrimônio associativo para obtenção de empréstimos; além de deliberação sobre plano de pagamento de passivos diversos do clube celeste e autorização para utilização dos recursos obtidos no mercado financeiro.

29/01/2019

Cruzeiro encaminha venda de Gabriel Brazão

Vinícius Dias*

Considerado um dos principais goleiros sub-20 do futebol mundial, Gabriel Brazão deve deixar o Cruzeiro antes mesmo de fazer sua estreia como profissional. O arqueiro, de 18 anos, é alvo da Internazionale, da Itália. Na contagem regressiva para o fechamento da janela local, nesta quinta-feira, os italianos sinalizaram uma proposta de € 2,5 milhões a € 3 milhões ao clube celeste, que detém 70% dos direitos econômicos.

Goleiro está com a seleção sub-20
(Créditos: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)

Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, a Raposa tenta uma composição para manter até 30%. As negociações são intermediadas pelo agente italiano Gabriele Giuffrida, em parceria com Daniele Monti. Influente em Milão, Gabriele esteve envolvido recentemente nas tratativas que levaram o belga Nainggolan, ex-Roma, à própria Internazionale, além do uruguaio Laxalt e do polonês Piatek, ambos ex-Genoa, ao arquirrival Milan.

Reunião para discutir empréstimo

Com a compra encaminhada, o agente se reuniu nessa segunda-feira com o presidente do Chievo, clube cotado para receber o goleiro por empréstimo na chegada à Itália. Nos bastidores, empresários com bom trânsito na Europa avaliam que, confirmado o valor, a Internazionale fará "um grande negócio de ocasião". No mercado, a avaliação inicial era de que seria necessário investir pelo menos € 7 milhões para tirar Brazão do Cruzeiro.

*Atualizada às 21h10