20/01/2012

Batalha nos pampas: Inter

Douglas Zimmer

Dando continuidade à análise dos times da dupla Gre-Nal, é a vez de olhar mais de perto a equipe colorada. O time do Beira-Rio tem pela frente a Pré-Libertadores e precisará de um plantel forte se pretende brigar pelo Tri.

LEIA MAIS: Raio-X do Grêmio

Mantendo grande parte da base do time de 2011, o Inter fez contratações mais cirúrgicas que seu rival. Dagoberto vem para ser titular ao lado de Damião e dar novo gás ao ataque, setor que sofreu bastante depois da lesão do jovem atacante, titular absoluto. Marcos Aurélio, depois de ótima temporada no Coritiba, vem para aumentar o leque de opções de Dorival Júnior. A única perda significante para o plantel foi a saída de Andrezinho, que ainda pode ser suprida com a chegada de algum jogador.

Com o atual elenco, o esquema de jogo do Inter se assemelha muito com o de seu rival, excetuando-se o meio campo, onde os volantes têm muito mais poder de chegada (Bolatti, Tinga, Élton e Ilsinho), fazendo o jogo fluir mais rapidamente.

4-2-2-2: no esquema tradicional
(Arte: Douglas Vogel Zimmer/Toque Di Letra)

Mas, caso queira tornar o time ainda mais ofensivo, Dorival Júnior pode abrir mão de um meio-campista (provavelmente Oscar) e lançar Marcos Aurélio para jogar mais aberto pela esquerda, alimentando ainda mais Damião e Dagoberto. Caso mantenha Oscar no time, DJ pode optar pela entrada de Bolatti ou Ilsinho no lugar de Tinga (titular nos primeiros treinos da pré-temporada), para que não fique um ‘buraco’ entre o meio-campo e a defesa.

D´Alê e três atacantes
(Douglas Vogel/Toque Di Letra)

Além disso, ainda há a possibilidade do Inter jogar no 4-2-3-1, como fez em boa parte de 2011, mantendo apenas Damião como centroavante e povoando a meia-cancha com D’Alessandro, Oscar e Ilsinho na armação e Guiñazu e Tinga (Bolatti) na contenção.

Três meias e Damião
(Douglas Vogel/Toque Di Letra)

Observando o plantel colorado num plano mais geral, é fácil observar que do meio para frente Dorival Júnior terá aqueles problemas bons que todo treinador gosta de ter: fartura e bons nomes para escolher para colocar em campo. Já na defesa e nas laterais ele terá de perder algumas horas de sono para montar a equipe quando as suspensões e lesões começarem a acontecer.

Mas não há dúvidas de que a dupla Gre-Nal se reforçou bem para a temporada que se inicia. É perceptível o quanto estes dois times prometem para 2012. Dois ataques muito bons, rápidos e com grande poder de finalização. Resta saber se a teoria vai ser colocada em prática. No papel, são dois ótimos times.

Nenhum comentário:

Postar um comentário