21/10/2017

Ricardo Oliveira entra em pauta no Cruzeiro

Vinícius Dias

Com a permanência de Mano Menezes sacramentada, a nova diretoria do Cruzeiro passa a se concentrar na definição do elenco para 2018. Respaldado por contratos longos com as principais peças, o clube mira reforços pontuais. Nomes de potenciais alvos já têm, inclusive, circulado no Conselho, que vive clima agitado pelas articulações visando às disputas de novembro e dezembro. Um deles é o de Ricardo Oliveira, do Santos. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, o nome do atacante foi sugerido à cúpula celeste nos últimos dias, mas ainda não discutido com o treinador.


Embora ressalte que não há tratativas em andamento, o agente do capitão santista se mostrou atento aos bastidores. "Até esse momento, não procurei clube algum. Fui procurado por diversos. O Cruzeiro ainda não me procurou, mas pessoas amigas de Belo Horizonte vieram com a mesma informação", pontuou Augusto Castro. "Vários agentes de Belo Horizonte, radicados ou que têm contato com o Cruzeiro, me ligaram perguntando se eu poderia fornecer uma credencial para tratar desse assunto. Mas tenho representante na cidade. Não é oficial nada até agora", acrescentou.

Ricardo soma cinco gols pela seleção
(Créditos: Rafael Ribeiro/CBF/Divulgação)

A atuação do carioca no mercado belorizontino se dá em parceria com o empresário Roberto Tibúrcio, que foi contatado pela reportagem, mas evitou falar sobre Ricardo Oliveira. "Para não atrapalhar qualquer situação", justificou. Com nove gols em 32 partidas na temporada, o camisa 9 tem vínculo perto do fim com o Santos. O clube já declarou interesse na renovação, mas ainda não houve acordo. "Ricardo Oliveira fica livre no dia 31 de dezembro deste ano. Desde junho, ele está disponível para assinar pré-contrato com qualquer clube", resumiu Augusto Castro.

Trunfos em possível negociação

Além da situação contratual, aspectos profissionais e pessoais indicam possíveis trunfos caso o Cruzeiro decida abrir negociações. Um deles é a impressão sobre o treinador celeste. "Ele é admirador do trabalho do Mano", revelou o agente. O outro está relacionado à atividade pastoral do atacante. "Ricardo é líder de uma legião de atletas evangélicos. Muitos estão radicados em Belo Horizonte, tanto no Cruzeiro como em Atlético e América", emendou. Procurado para comentar o tema, o novo vice de futebol celeste, Itair Machado, não atendeu às ligações da reportagem.

20/10/2017


Eleito segundo vice-presidente para o triênio 2018/2020, Ronaldo
Granata adota discurso de unificação do clube em eleições à vista

Vinícius Dias

Mesmo passadas mais de duas semanas da eleição presencial, os bastidores políticos do Cruzeiro seguem movimentados. Isso porque, ainda neste ano, o clube celeste definirá a mesa diretora do Conselho Deliberativo e os 220 nomes do quadro de associados conselheiros para o triênio 2018/2020. Em meio à agitação, um grupo de conselheiros encabeçado por Ronaldo Granata, recém-eleito segundo vice-presidente na chapa de Wagner Pires de Sá, tem tentado viabilizar uma coalizão interna.


A uma semana do fim do prazo de registro de candidaturas para a presidência do Conselho, o grupo trabalha com a proposta de chapa única no pleito de 06 de novembro e, por consequência, de escolha de nomes de consenso para o quadro de associados conselheiros, em dezembro. "O Cruzeiro hoje está fragmentado. Queremos juntar todo mundo. Depois da eleição presidencial, meu discurso foi justamente de unificação e já comecei a trabalhar nesse projeto", confirma Granata ao Blog Toque Di Letra.

Eleitos: Hermínio, Wagner e Granata
(Créditos: Chapa União/Divulgação)

Um dos principais defensores da ideia é o conselheiro nato Emílio Brandi, nome que, no início das articulações visando à sucessão presidencial, chegou a ser cogitado por interlocutores de Gilvan de Pinho Tavares para encabeçar a chapa de situação. "Acho que tem que ter união no Cruzeiro agora", afirma. Sobrinho de Felício Brandi, que presidiu o clube entre 1961 e 1982, Emílio vislumbra a possibilidade de Fernando Torquetti Júnior e Zezé Perrella, que já se lançaram pré-candidatos, "construírem juntos".

Perrella acena bandeira branca

Embora reconheça que o prazo curto é entrave, Ronaldo Granata mantém o otimismo. "O grupo do Zezé acenou bandeira branca para nós", justifica. A reportagem apurou com aliados do senador que a chapa da atual oposição ainda não tem nem mesmo a mesa diretora fechada, o que ratifica a possibilidade de composição. Torquetti, por sua vez, realizou nessa quinta-feira bate-papo com conselheiros ao lado dos outros três nomes da mesa diretora de sua chapa e já tem, inclusive, quatro dos seis membros do Conselho Fiscal - efetivos e suplentes - definidos.

19/10/2017


2º Encontro Europeu dos Consulados do Galo reunirá 200 torcedores
em Portugal; repertório inclui hino e samba que virou 'hit alvinegro'

Vinícius Dias

"Honramos o nome de Minas no cenário esportivo mundial", destaca o hino do Atlético. Muito além de um dos versos mais entoados nas arquibancadas durante os jogos, a torcida alvinegra demonstra no dia a dia que a paixão é capaz de superar fronteiras. Mais um exemplo será dado no próximo dia 28, em Lisboa. A capital lusitana sediará o 2º Encontro Europeu dos Consulados do Galo. "A expectativa é de cerca de 200 pessoas, vindas de todos os cantos do mundo", afirma Thiago Lisboa de Oliveira, líder do consulado Portugalo e organizador do evento, ao Blog Toque Di Letra.


Com ingressos custando € 25, com direito a jantar, bebidas e cachecol exclusivo, o encontro europeu contará com a presença de personalidades como Rodolfo Gropen, presidente do Conselho Deliberativo do clube, e o jornalista Frederico Bolivar. "A ideia inicial era uma festa-jogo. A atração principal seria a partida contra o Botafogo, que foi adiada para o dia 29. Entretanto a festa segue. Vamos ter o show da banda Imigrasamba, que já tem Vou festejar, de Beth Carvalho, e o hino do Atlético na ponta da língua", comenta Thiago. O evento começa às 20h do horário local.

1º Encontro Europeu, em Barcelona
(Créditos: Consulados do Galo/Arquivo)

A mobilização do Portugalo teve início logo após a primeira edição, em outubro passado, em Barcelona. "Os outros seis consulados do Galo na Europa ajudam no que é possível, os demais mundo afora na divulgação", detalha, relembrando o surgimento da ideia. "Começou quase que em tom de brincadeira. Sabíamos das dificuldades, viagens, fuso-horário, mobilização em vários países. Um dia resolvemos fazer na raça e decidimos que o Madrugalo assumiria a missão por ser o mais antigo do continente. Esperávamos cerca de 20, 30 pessoas e foram mais de 50. Memorável".

Conexão atleticana mundo afora

Iniciado em 2015, tendo como base reuniões de torcedores que, em alguns casos, já ocorriam desde 2001, o projeto dos consulados do Galo marca presença em 36 cidades brasileiras e 16 países. "É o Atlético sem fronteiras. Formamos a maior e melhor rede mundial de interação e relacionamento de um clube de futebol brasileiro", garante Custodio Pereira Neto, uma das principais lideranças. No último ano, cerca de dois mil encontros reuniram 50 mil atleticanos em quatro continentes. "Não basta exibir os jogos. É preciso receber e tratar muito bem todas as pessoas".

Final do Mineiro agitou o Portugalo
(Créditos: Consulados do Galo/Arquivo)

Na Europa, há sete consulados: CoqFou (Paris), DeutschGalo (Frankfurt e Munique), Galo Dublin, Galondres, Madrugalo (Barcelona), Noruegalo (Oslo) e Portugalo (Lisboa), que se mobiliza a partir de um grupo de whatsapp com mais de 140 membros. "A média é de 30 pessoas por encontro. Fazemos 20, 25 por ano", destaca Thiago. Sem ponto fixo, o consulado circula por três locais para assistir os jogos no fuso lisboeta, hoje três horas à frente do belorizontino. "Não é fácil, mas vale a pena. Reunimos mais de 80 na final do Mineiro. A alegria no sorriso de todos é o que nos move".

18/10/2017


Dificuldade de encaixe de datas e falta de consenso sobre o formato
são os principais entraves para 2018; sub-23 cresce como alternativa

Vinícius Dias

Mesmo com quase R$ 50 milhões da TV assegurados para os próximos dois anos, o clima nos bastidores da Primeira Liga é de incerteza. Atendendo a pedido do vice Francisco Battistotti, o presidente Gilvan de Pinho Tavares - ambos têm mandato na entidade até o fim do ano - deve convocar reunião para discutir o assunto em novembro. Fora do calendário oficial, o torneio cuja segunda edição foi encerrada há duas semanas tem cada vez mais dividido opiniões. A dificuldade de encaixe de datas e a falta de consenso sobre o formato são os principais entraves para 2018.


Conforme o Blog Toque Di Letra revelou em maio, pelo menos três cenários foram levantados por filiados nos últimos meses: disputa na pré-temporada com jogos de 45 minutos, baseada em modelo italiano; de junho a julho, aproveitando a pausa para a Copa do Mundo; e até transformação em competição sub-23. A primeira proposta está praticamente descartada após a divulgação do calendário de 2018 com redução do período de pré-temporada de 25 para 14 dias e estaduais com início antecipado de 29 para 17 de janeiro, mas mantendo até 18 datas.

Clássico: o recorde de público neste ano
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

A segunda segue em pauta e, caso seja viabilizada, pode se transformar em alternativa para a grade da TV. "Nossa opção seria durante a Copa, até porque os horários dos jogos na Rússia (manhã e tarde no Brasil) são completamente diferentes do futebol daqui", destaca o executivo de futebol do Londrina, Ocimar Bolicenho, um dos apoiadores. Entre os filiados que disputam vaga na Libertadores de 2018, no entanto, a disputa de um torneio no raro período de folga - não haverá paralisação em nenhuma das dez datas Fifa, por exemplo - está longe de ser unanimidade.

Molde sub-23 ganha apoiadores

Nem mesmo Romildo Bolzan, presidente do Grêmio e inicialmente um dos maiores entusiastas da Primeira Liga, confirma presença. "Vamos avaliar a situação, ver o que vai acontecer conosco. Se tivermos um ano de muitos campeonatos, talvez o Grêmio abra mão de participar", revela, retomando uma alternativa que desde o primeiro semestre é bem vista por clubes como Cruzeiro e Atlético. "Um torneio de formação, joga com o sub-23", sugere. Os mineiros e o tricolor gaúcho, por sinal, disputarão o Campeonato Brasileiro de aspirantes, com foco sub-23, a partir de domingo.