02/11/2016

Duas disputas, uma prioridade: apoiar

André Castro*

O atleticano está dividido após o jogo contra o Flamengo. O resultado não foi o desejado, mas, diante de uma exibição muito aquém do ideal, o empate por 2 a 2 foi, como dizem, merecido. A vitória do Santos sobre o Palmeiras, no mesmo dia, veio como uma faca de dois gumes. Se por um lado a equipe santista nos ultrapassou na classificação, a derrota alviverde manteve nosso sonho vivo.


Sonho que está cada vez mais complicado, mas para uma torcida que, parafraseando o escritor Roberto Drummond, torce contra o vento se houver uma camisa preta e branca pendurada no varal, não custa nada ter um pouco mais de esperança de que é possível tirar a diferença de sete pontos. Afinal, haverá um confronto com o líder na sequência e o torcedor atleticano acredita. Eu acredito e apoio.

Alvinegro empatou com o rubro-negro
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

O jogo com o Internacional pela Copa do Brasil, nesta noite, tem tudo para impulsionar os ânimos alvinegros. A equipe comandada por Celso Roth, além de ter a necessidade de reverter a derrota sofrida no Beira-Rio, por 2 a 1, tem convivido com lesões e com o risco de rebaixamento no Campeonato Brasileiro. No momento, o colorado está apenas dois pontos à frente do Vitória, primeiro da zona da degola.

A caminho de mais uma final

O Atlético, que não tem nada a ver com a situação do time gaúcho, quer vencer e, principalmente, convencer a torcida de que é possível conquistar a Copa do Brasil sem largar mão do Campeonato Brasileiro. O atleticano quer acreditar e vai apoiar. Agora, nos resta saber se a equipe de Marcelo Oliveira conseguirá enfrentar a tempestade nesses confrontos decisivos e velejar rumo aos títulos.

Massa atleticana tem feito a diferença
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Por falar nisso, a Copa do Brasil tem sido um ponto fora da curva no que se refere aos mata-matas e ao histórico do Galo. Se a edição de 2014 foi um verdadeiro teste para cardíaco, com viradas no Mineirão sobre Corinthians e Flamengo e uma decisão contra o Cruzeiro, neste ano o time vem fazendo apresentações sólidas como visitante e conquistando classificações longe da capital mineira.

Se não é sofrido, não é Galo!

Tá bom que começar perdendo em Campinas para a Ponte Preta por 2 a 0 - após o empate no Mineirão -, ir para os pênaltis contra o Juventude em Caxias do Sul e comemorar a vitória em Porto Alegre sobre o Internacional com gol de Lucas Pratto já nos minutos finais não são lá situações muito tranquilas. Mas, para o atleticano, certamente isso é calmaria.

Victor foi o herói diante do Juventude
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

A expectativa é de que o Atlético vença sem muitas dificuldades e encare, provavelmente, o Grêmio na final. Se as coisas não saírem como esperado, que venha o Cruzeiro. Porque, se a final for em águas mineiras, o navio atleticano sabe muito bem qual correnteza deve seguir para chegar a mais uma conquista.

*Jornalista em formação. Apaixonado por futebol e cinema.
Camisa 8 do elenco e 12º jogador da seção Fala, Atleticano!

Nenhum comentário:

Postar um comentário