21/11/2016


A exatos dois meses de data prevista para abertura, torneio ainda
tem de vencer obstáculos internos; mudança de data é alternativa

Vinícius Dias

Em clima de incerteza, dirigentes dos clubes da Primeira Liga se reúnem nesta terça-feira, em Belo Horizonte. A exatos dois meses da data prevista para o início do torneio, há obstáculos a serem superados internamente. O rateio das cotas de TV - o modelo fixado na última reunião é visto com ressalvas por Coritiba e Atlético/PR, em especial - é um deles. O principal, contudo, é o calendário, detalhe que pode resultar na não participação do Atlético/MG, um dos fundadores.


Pelo formato traçado inicialmente, 16 clubes seriam divididos em quatro grupos de quatro - na primeira fase, o cruzamento seria com equipes de outra chave -, com os líderes e vice-líderes avançando. Quartas de final, semifinais e final seriam disputadas em jogo único, com mando definido a partir da campanha na primeira fase. O torneio teria início no dia 22 de janeiro, se estendendo até o fim de março.

Em 2017, Primeira Liga terá 16 clubes
(Créditos: Mailson Santana/Fluminense F.C.)

Entretanto, diante das alterações no calendário da Conmebol e dos ajustes divulgados pela CBF na sequência, o cenário é incerto. Diferentemente do que se cogitou no início deste ano, nenhum estadual do eixo Sul-Minas-Rio teve redução substancial - o arbitral do Gaúcho ocorre nesta segunda; dos definidos, o Carioca terá uma data a menos do que em 2016. Além disso, cinco filiados ainda almejam disputar a Libertadores, enquanto Flamengo e Atlético/MG já estão classificados.

Disputa a partir de agosto

Com o primeiro semestre inchado - incluindo 15, e não mais oito datas da Copa do Brasil -, é quase consenso que a disposição das sete datas da Liga terá de ser revista. Uma alternativa seria a disputa a partir de agosto. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, dirigentes de pelo menos três clubes sugeriram a possibilidade ao vice-presidente Francisco Battistotti. Neste caso, poderiam ser aproveitados os períodos de pausa no calendário para Eliminatórias em setembro e outubro.

Reunião entre dirigentes em Brasília
(Créditos: Primeira Liga/Divulgação)

A avaliação é de que, assim, seria menor a chance de escalação de times mistos ou reservas, tornando a competição mais atraente. Essa sugestão, porém, deve encontrar resistência tanto da TV, que encaminhou a compra dos direitos de transmissão tendo como base o cronograma inicial, quanto dos clubes que, reforçando a oposição aos estaduais, adotam o discurso de "principal torneio do primeiro semestre".

Chance de saída alvinegra

Embora tenha sido mencionada pelo presidente Daniel Nepomuceno ao Uol Esporte, a saída do Atlético/MG não foi comunicada oficialmente à Primeira Liga. Nos bastidores, inclusive, interlocutores apostam na permanência do clube. Caso isso não aconteça e o torneio seja disputado em 2017, há dois caminhos: entrada do Tupi, se a opção for pela manutenção das três vagas mineiras, ou definição do 16º participante pelo ranking da CBF, cenário em que o Ceará surge como favorito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário