03/05/2015


Titulares na decisão de 2005, diante do Cruzeiro, traçaram
caminhos bastante diferentes após deixarem Tigre mineiro

Vinícius Dias*

Neste domingo, ante o Atlético, a Caldense terá a chance de interromper a hegemonia dos clubes de Belo Horizonte no Campeonato Mineiro. A última equipe a alcançar tal feito foi o Ipatinga, há dez anos. Na oportunidade, os comandados de Ney Franco superaram o Cruzeiro, no Mineirão, por 2 a 1. De lá para cá, o clube alviverde, que hoje disputa o módulo II do torneio, enfrentou várias reviravoltas. Quando o assunto são os 11 protagonistas da histórica decisão, o destino também se encarregou de traçar caminhos bastante diferentes.


Ídolo histórico, o goleiro Rodrigo Posso, voltou ao clube em janeiro como preparador de goleiros. Antes, Posso, que se aposentou em 2013, ainda teve uma rápida passagem pelo futebol amador. Léo Medeiros também se aventura fora dos gramados. Camisa 10 na campanha de 2005, integra a comissão técnica do Nacional de Muriaé, time que defendeu na Segunda Divisão estadual no último ano. Aposentado em 2010, após passagem vitoriosa pelo Corinthians, William tentou a carreira como dirigente, mas acabou se firmando como comentarista na TV.

Capitão William ergue o troféu em 2005
(Créditos: Sérgio Roberto/(31) 9988-2925
)

Entre os atletas em atividade, destaque para Leandro Salino. O jogador é titular do Olympiacos, da Grécia, e disputa a sétima temporada no Velho Continente. Fahel, que fez dupla com Salino, foi contratado pelo Paysandu há duas semanas. Uma curiosidade marca a carreira de Paulinho, quarto integrante do meio-campo campeão em 2005. No modesto Paracatu, do Distrito Federal, o jogador reencontrou o lateral-direito Luizinho. Além do Ipatinga, eles foram companheiros no Flamengo.

Coadjuvantes após façanha

Outro com passagem pelo clube carioca, o zagueiro Irineu é, atualmente, o principal nome do elenco do Doze FC, que disputa a Série B do capixaba. Situação similar à de Walter Minhoca, que vestiu a camisa do Nacional de Muriaé, de fevereiro a março, no módulo II. O lateral-esquerdo Beto, por sua vez, após defender o Araxá no módulo II do ano passado, trocou os gramados profissionais pelo futebol amador. Em relação ao avante Elias, conhecido como 'Kanu', o último registro é datado de 2013, no Nacional Esporte Clube.

Leandro Salino: titular no futebol grego
(Créditos: Olympiacos CFP/Divulgação)

HISTÓRIA - Dez anos depois, a conquista do Ipatinga é relembrada por meio da exposição 'Amor e Raça', organizada pelo fotógrafo local Sérgio Roberto. Em cartaz até o fim do mês no espaço cultural Estação Memória Zeza Souto, em Ipatinga, o acervo reúne imagens da campanha, troféus conquistados pelo Tigre e camisas da equipe, além de vídeos e áudios do título. "Quebramos um tabu que durava 41 anos. Antes do Ipatinga, só o Siderúrgica de Sabará havia sido campeão mineiro, em 1964, enfrentando os três grandes da capital", destaca Sérgio.

*Com colaboração de Manula

Nenhum comentário:

Postar um comentário