26/10/2015

O trabalho e o time de Mano

Vinícius Dias

Com 11 pontos conquistados nas últimas cinco rodadas - somente o líder Corinthians, que fez 13, e o Sport, com 12 somados sob o comando do técnico Paulo Roberto Falcão, foram melhores neste período -, o Cruzeiro iniciou a semana falando em G4. Na prática, a vaga na próxima edição da Libertadores ainda é sonho distante. Mas o discurso de confiança carrega um recado: a luta contra o rebaixamento deixou de ser realidade na Toca em menos de dois meses.


Quando Vanderlei Luxemburgo foi demitido, em 31 de agosto, o Cruzeiro ocupava o 16º lugar na tabela do Brasileirão. Tinha os mesmos 22 pontos de Goiás e Coritiba, que abriam o Z4. Em 21 rodadas, havia marcado 15 gols e sofrido 21, era a equipe da quinta melhor defesa do torneio e, ao mesmo tempo, a do terceiro pior ataque. Se o discurso seguia apontando agosto como mês da recuperação, o campo, duelo a duelo, escancarava o mês do vexame.

Mano: aproveitamento de G4 na Toca
(Créditos: Cristiano Borges/Light Press)

Com Deivid, a Raposa bateu a Ponte Preta na 22ª rodada. De lá para cá, com Mano Menezes, fez 19 pontos, marcou 17 gols e sofreu oito em 10 jogos. Mais do que isso. Willian, que havia atuado por 188 minutos nos últimos 10 jogos de Luxa, se tornou o atacante de nove gols em nove partidas. O anônimo Ariel Cabral virou peça-chave na transição, com 87% de aproveitamento nos passes. De Arrascaeta, antes tímido e reserva, foi decisivo pelo menos duas vezes.

Se, por ora, o G4 é sonho, o ótimo trabalho de Mano é realidade.
Com ele, o Cruzeiro tem um time. De Willian, Cabral e Arrascaeta.

6 comentários:

  1. É claro a mudança de comportamento do time em campo. Ainda temos algumas falhas, mas o coletivo está atuando muito bem. E parece que o ambiente na Toca está bem melhor. Mesmo que a classificação para a Libertadores não venha, acredito que teremos um 2016 bem melhor.

    ResponderExcluir
  2. O Time do cruzeiro melhorou com a chegada de Mano. Ele esta fazendo um bom trabalho no cruzeiro. O time esta interagindo, o nosso goleiro Fábio está fazendo muita defesa importante. Acredito que possamos chegar ao g4.

    ResponderExcluir
  3. Sou Mineiro, torcedor do Cruzeiro, desde os tempos de Rossi no ataque, depois Massinha, Pedro Paulo, até chegar em Tostão, Dirceu Lopes, Piazza, aquele time fantástico, que no tempo incorporou outros craques como Palhinha, até chegar no glorioso time de 2003, depois 2013 e 2014 com aquele timaço de Fabio, até Goulart, everton Ribeiro e o próprio William. Residindo aqui em Goiania desde 85, vi a evolução dessa gloriosa agremiação superando o o rival Atletico Mineiro que formava com o América o clássico das multidões em Minas, antes da chegada de Felicio Brandi. Depois tudo foi acontecendo, mas ontem apesar da vitória vi um time ainda muito frio e calculista em campo, espelho de um treinador que organizou tudo e sistematizou, mas sinceramente quero aquele time acadêmico com toque de bola, de pe em pé que sempre foi a academia celeste. Tenho minhas duvidas se com Mano Menezes teremos esse time dos sonhos, mágico como sempre foi Tostão, bonito, artista como sempre foi Raul Plasmann e objetivo como foi Alex em 2003. Ontem foi a vitória da raça, da inteligência de um time que ainda precisa jogar com a arte e a sabedoria de fazer a bola rolar de pé em pé e deixar os adversários cansados de não ver a bola. O cruzeiro sempre foi assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, que texto ! Faço de suas as minhas palavras.. Com mano o cruzeiro mudou da água para o vinho.. Mas creio que não jogará como o cruzeiro 13/14 que encantou o Brasil inteiro.. Dava gosto ver aquele time jogando..

      Excluir
  4. Ver o Fabrício, correr para o banco de reservas qdo fez o gol contra o Paranaense, não tem preço. Como mudaram as coisas na Toca!!

    ResponderExcluir
  5. Times como o de 65, 2003, não existirão mais, o físico supera a técnica nos dias de hoje, não há espaço para os dois, só para a técnica da correria!!

    ResponderExcluir