09/12/2015


Último clube comandado por Renê Santana foi o Legião, de
Brasília, em 2008, mas ele se diz preparado para o retorno

Vinícius Dias

No início dos anos 1990, Rogério Ceni deu seus primeiros passos no futebol sob a regência de Telê Santana. Duas décadas depois, sob os olhares de Renê, filho do mestre, o goleiro vai colocar ponto final na trajetória com a camisa tricolor. Para o herdeiro de Santana, a despedida, marcada para a próxima sexta, terá significado especial. O convidado ilustre vai comandar, ao lado de Muricy Ramalho, um time formado por campeões mundiais em 1992 e 1993 pelo clube.


"É com muita honra que fui convidado, representando o Telê. Rogério é o único jogador que foi dirigido por Telê que ainda atua profissionalmente", revela ao Blog Toque Di Letra. Entusiasta da história do pai, Renê faz questão de relembrar os primeiros passos de Ceni. "Após a conquista do Mundial de Clubes, em 1992, o São Paulo vendeu vários atletas e refez o plantel com muitos jovens, como Doriva, Juninho Paulista, Caio Ribeiro e Rogério", enumera.

Renê ao lado ao pai no tricolor paulista
(Créditos: Site Oficial do São Paulo/Arquivo)

O retorno de Santana à beira do gramado vai acontecer sete anos após a breve passagem pelo Legião, equipe de Brasília. Apesar do longo período sabático, o sentimento é de que a trajetória ainda terá novos capítulos. "Treinador é minha profissão. Sigo ligado ao futebol com os projetos do Instituto Telê Santana e não me desatualizei. Se tiver algum desafio que requeira o meu envolvimento, estou pronto", garante Renê, projetando a retomada da carreira.

Em busca de desafios

Desde 2008, quando encerrou seu último trabalho, não faltaram convites, argumenta o técnico, de 58 anos. Nenhum deles o seduziu, no entanto. "(No nível mediano, há) clubes com patamar sofrível de organização e de administração. Por isso, muitas vezes, preferi rejeitar. Quero desafios, eu não posso chegar a uma equipe já derrotada e que não tenha a mínima condição", pontua Santana, que não entende as comparações com o pai como entrave à carreira.

'Quero desafios', afirma Renê Santana
(Créditos: Vinícius Dias/Blog Toque Di Letra)

Com extenso currículo no interior de Minas Gerais, incluindo trabalhos em equipes como Mamoré, Valério, Ipatinga e Rio Branco, Renê atualmente é diretor-executivo do Instituto Telê Santana. Em fevereiro, o instituto vai inaugurar um centro de formação de talentos esportivos em Rio Acima. O projeto será coordenado pelo ex-zagueiro Tobias Oliveira, que trabalhou com Telê no Atlético nos anos 1980.

Um comentário:

  1. Grande Renê, pessoa magnífica, herdeiro de grandes talentos, abços e sucesso em sua vida.

    ResponderExcluir