15/02/2017


Diálogo cultural entre torcedores de Atlético e Raja Casablanca, no
Marrocos, inspira último curta de trilogia pós-Libertadores de 2013

Vinícius Dias

Do sonho do título mundial no Marrocos à eliminação na estreia diante do anfitrião Raja Casablanca: à primeira vista para ser esquecida, a cena será eternizada nos cinemas. "Certa vez, li de um aclamado cronista esportivo estrangeiro que suas melhores crônicas são sempre das piores derrotas. O autor não é argentino, mas semeou na minha cabeça que escrever bem é dançar um tango com as palavras", comenta o cineasta Mauro Reis, mais conhecido como Lobo Mauro. Atleticano, ele é o responsável pelo projeto, provisoriamente intitulado Raja Galo.


"O jogo em si foi dos mais frustrantes, pontualmente odioso, até. Porém, tivemos o azar benigno de perder para os anfitriões e poder se maravilhar com a convulsão em que se transformou Marrakech, não sem uma dose de inveja", reconhece ao Blog Toque Di Letra, ressaltando os laços criados entre os atleticanos e os torcedores do time marroquino. "Descobrir afetos sinônimos entre culturas tão díspares e entre pessoas separadas por um oceano é algo que ecoa por anos".

Lobo Mauro, ao centro, no Marrocos
(Créditos: Arquivo Pessoal/Lobo Mauro)

Raja Galo será o terceiro curta da trilogia baseada na conquista da Copa Libertadores de 2013. Os primeiros foram Quando se sonha tão grande, a realidade aprende e As crônicas de Riascos. "Cogitei fechar a trilogia com o mesmo tema, focando agora no Léo Silva, mas senti que a questão tinha saturado", pondera Lobo, justificando a escolha. "É mágico refletir que dez centímetros para cima ou para baixo do pé esquerdo de São Victor naquele pênalti apagariam o Raja da nossa história. Marrakech só foi possível pela ponte criada entre o pé santo de Victor e Marrocos".

Herança do pai e adeus na África

A ideia de transformar a experiência no Mundial de Clubes em filme surgiu antes mesmo da viagem, revela o cineasta. "Tinha saído a herança do meu pai e pensei: 'bom, finalmente vou trocar o piso de casa, o vaso sanitário', mas me dei um pedala, Robinho para sair do meu corpo e dialogar comigo mesmo: 'você quer mesmo, toda vez que olhar para o trono, imaginar que está ali materializado o que seu pai te deixou?'". A negativa foi seguida da decisão de ir ao Marrocos para se despedir de forma simbólica e, lá, gravar imagens para um futuro curta.

Curta reunirá imagens de bastidores
(Créditos: Arquivo Pessoal/Lobo Mauro)

Curiosamente, Lobo Mauro não trabalhará com imagens do estádio. "Fiquei receoso de que me barrassem com a câmera. O estádio era distante e não teria tempo de retornar", justifica. "Desnecessário citar o arrependimento, né?", emenda, recordando o delírio dos marroquinos com a vitória do Raja Casablanca, por 3 a 1. "Foi frustrantemente lindo. Era échange (troca, em francês) para cá, échange para lá de Marrakech. Só não me pediram para trocar minhas tranças porque elas estavam bem enraizadas no meu couro cabeludo. Fiz imagens das minhas andanças".

Trabalho concluído em 12 meses

Embora reconheça que o trabalho tem caminhado de forma descontínua, o cineasta garante que Raja Galo será finalizado em, no máximo, 12 meses. "Fevereiro de 2018 é o deadline que me dei. Mas o meu desejo é terminar ainda neste ano, nem que seja no fim", pontua. A etapa atual é de revisão do material gravado, projetando a montagem do que define como quebra-cabeça. "A solução que achei para as imagens dispersas que fiz foi costurar tudo com impressões de narração", detalha.

Marroquino exibe cartaz do Atlético
(Créditos: Arquivo Pessoal/Lobo Mauro)

Entre as principais imagens do curta estarão bastidores do encontro entre atleticanos e marroquinos. "Para isso ficar mais orgânico, vou convidar um torcedor do Raja para ser um narrador espontâneo das imagens que verá desfilar diante de si", revela. "Só tenho que ver se dará certo na prática, já que nem sempre a bela teoria carrega o dom da praticidade", pontua Lobo Mauro, outra vez conjugando o verbo acreditar.

7 comentários:

  1. Eu "RAJEI" de rir muito, nestes dias!...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino! Mas te garanto, não mais que os marroquinos torcedores do Raja.

      Excluir
  2. Parabéns Mauro! Esse trabalho merece todo reconhecimento, foi um presentão para nós atleticanos!

    ResponderExcluir
  3. Que história bacana Lobo Mauro! Esta lembrança do seu pai será sempre especial e marcante em sua vida.
    Tenho certeza que o Raja Galo será um sucesso, assim como os outros dois curtas da trilogia. Ansiosa para assistir. ObriGalo!!!

    ResponderExcluir