19/10/2017


2º Encontro Europeu dos Consulados do Galo reunirá 200 torcedores
em Portugal; repertório inclui hino e samba que virou 'hit alvinegro'

Vinícius Dias

"Honramos o nome de Minas no cenário esportivo mundial", destaca o hino do Atlético. Muito além de um dos versos mais entoados nas arquibancadas durante os jogos, a torcida alvinegra demonstra no dia a dia que a paixão é capaz de superar fronteiras. Mais um exemplo será dado no próximo dia 28, em Lisboa. A capital lusitana sediará o 2º Encontro Europeu dos Consulados do Galo. "A expectativa é de cerca de 200 pessoas, vindas de todos os cantos do mundo", afirma Thiago Lisboa de Oliveira, líder do consulado Portugalo e organizador do evento, ao Blog Toque Di Letra.


Com ingressos custando € 25, com direito a jantar, bebidas e cachecol exclusivo, o encontro europeu contará com a presença de personalidades como Rodolfo Gropen, presidente do Conselho Deliberativo do clube, e o jornalista Frederico Bolivar. "A ideia inicial era uma festa-jogo. A atração principal seria a partida contra o Botafogo, que foi adiada para o dia 29. Entretanto a festa segue. Vamos ter o show da banda Imigrasamba, que já tem Vou festejar, de Beth Carvalho, e o hino do Atlético na ponta da língua", comenta Thiago. O evento começa às 20h do horário local.

1º Encontro Europeu, em Barcelona
(Créditos: Consulados do Galo/Arquivo)

A mobilização do Portugalo teve início logo após a primeira edição, em outubro passado, em Barcelona. "Os outros seis consulados do Galo na Europa ajudam no que é possível, os demais mundo afora na divulgação", detalha, relembrando o surgimento da ideia. "Começou quase que em tom de brincadeira. Sabíamos das dificuldades, viagens, fuso-horário, mobilização em vários países. Um dia resolvemos fazer na raça e decidimos que o Madrugalo assumiria a missão por ser o mais antigo do continente. Esperávamos cerca de 20, 30 pessoas e foram mais de 50. Memorável".

Conexão atleticana mundo afora

Iniciado em 2015, tendo como base reuniões de torcedores que, em alguns casos, já ocorriam desde 2001, o projeto dos consulados do Galo marca presença em 36 cidades brasileiras e 16 países. "É o Atlético sem fronteiras. Formamos a maior e melhor rede mundial de interação e relacionamento de um clube de futebol brasileiro", garante Custodio Pereira Neto, uma das principais lideranças. No último ano, cerca de dois mil encontros reuniram 50 mil atleticanos em quatro continentes. "Não basta exibir os jogos. É preciso receber e tratar muito bem todas as pessoas".

Final do Mineiro agitou o Portugalo
(Créditos: Consulados do Galo/Arquivo)

Na Europa, há sete consulados: CoqFou (Paris), DeutschGalo (Frankfurt e Munique), Galo Dublin, Galondres, Madrugalo (Barcelona), Noruegalo (Oslo) e Portugalo (Lisboa), que se mobiliza a partir de um grupo de whatsapp com mais de 140 membros. "A média é de 30 pessoas por encontro. Fazemos 20, 25 por ano", destaca Thiago. Sem ponto fixo, o consulado circula por três locais para assistir os jogos no fuso lisboeta, hoje três horas à frente do belorizontino. "Não é fácil, mas vale a pena. Reunimos mais de 80 na final do Mineiro. A alegria no sorriso de todos é o que nos move".

18/10/2017


Dificuldade de encaixe de datas e falta de consenso sobre o formato
são os principais entraves para 2018; sub-23 cresce como alternativa

Vinícius Dias

Mesmo com quase R$ 50 milhões da TV assegurados para os próximos dois anos, o clima nos bastidores da Primeira Liga é de incerteza. Atendendo a pedido do vice Francisco Battistotti, o presidente Gilvan de Pinho Tavares - ambos têm mandato na entidade até o fim do ano - deve convocar reunião para discutir o assunto em novembro. Fora do calendário oficial, o torneio cuja segunda edição foi encerrada há duas semanas tem cada vez mais dividido opiniões. A dificuldade de encaixe de datas e a falta de consenso sobre o formato são os principais entraves para 2018.


Conforme o Blog Toque Di Letra revelou em maio, pelo menos três cenários foram levantados por filiados nos últimos meses: disputa na pré-temporada com jogos de 45 minutos, baseada em modelo italiano; de junho a julho, aproveitando a pausa para a Copa do Mundo; e até transformação em competição sub-23. A primeira proposta está praticamente descartada após a divulgação do calendário de 2018 com redução do período de pré-temporada de 25 para 14 dias e estaduais com início antecipado de 29 para 17 de janeiro, mas mantendo até 18 datas.

Clássico: o recorde de público neste ano
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

A segunda segue em pauta e, caso seja viabilizada, pode se transformar em alternativa para a grade da TV. "Nossa opção seria durante a Copa, até porque os horários dos jogos na Rússia (manhã e tarde no Brasil) são completamente diferentes do futebol daqui", destaca o executivo de futebol do Londrina, Ocimar Bolicenho, um dos apoiadores. Entre os filiados que disputam vaga na Libertadores de 2018, no entanto, a disputa de um torneio no raro período de folga - não haverá paralisação em nenhuma das dez datas Fifa, por exemplo - está longe de ser unanimidade.

Molde sub-23 ganha apoiadores

Nem mesmo Romildo Bolzan, presidente do Grêmio e inicialmente um dos maiores entusiastas da Primeira Liga, confirma presença. "Vamos avaliar a situação, ver o que vai acontecer conosco. Se tivermos um ano de muitos campeonatos, talvez o Grêmio abra mão de participar", revela, retomando uma alternativa que desde o primeiro semestre é bem vista por clubes como Cruzeiro e Atlético. "Um torneio de formação, joga com o sub-23", sugere. Os mineiros e o tricolor gaúcho, por sinal, disputarão o Campeonato Brasileiro de aspirantes, com foco sub-23, a partir de domingo.

17/10/2017

Jair é plano B de Cruzeiro e Palmeiras

Vinícius Dias

Campeão da Copa do Brasil, o técnico Mano Menezes terá nesta terça-feira a primeira reunião com a nova diretoria do Cruzeiro para discutir a renovação do contrato. Internamente, apesar do interesse do Palmeiras, o clima é de otimismo. "As chances de permanência são grandes. Já houve um contato com ele. Não fui eu quem fez, mas sei que a resposta que veio foi bem tranquilizadora", destacou Ronaldo Granata, eleito segundo vice-presidente para o triênio 2018/2020, na última sexta-feira.

Jair tem vínculo até o fim de 2018
(Créditos: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Curiosamente, em meio à indefinição, a Raposa e o Verdão têm um plano B em comum: Jair Ventura, do Botafogo. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, embora não tenham aberto negociações, os dois clubes já buscaram informações nos bastidores sobre o filho de Jairzinho, ex-ponta direita do Cruzeiro e da seleção. Satisfeita com o trabalho e ciente das movimentações, a cúpula do alvinegro sinaliza a possibilidade de ampliação do vínculo até o fim de 2019, com aumento salarial e da multa rescisória.

Multa baixa e salário são trunfos

O atual contrato do treinador, válido até dezembro de 2018, prevê multa de cerca de R$ 1 milhão em caso de rescisão unilateral. Outro atrativo é o fato de a remuneração mensal de Jair Ventura no Botafogo ser inferior à de Mano Menezes na Toca da Raposa II e à que Cuca tinha no Palmeiras. Efetivado em agosto de 2016, o carioca levou o clube à quinta colocação do último Campeonato Brasileiro e às quartas de final da Copa Libertadores nesta temporada, mesmo com um elenco limitado.

16/10/2017

Returno do Cruzeiro supera anos de títulos

Vinícius Dias

Pentacampeão da Copa do Brasil diante do Flamengo há menos de três semanas, o Cruzeiro tem dado motivos de sobra para seu torcedor comemorar. Invicto há 13 partidas no geral e há oito no Campeonato Brasileiro, o time celeste está a dois pontos do vice-líder Grêmio e é o primeiro colocado do returno. Mais do que isso: com 20 pontos em 27 disputados, reeditou 2010, temporada de melhor aproveitamento nas nove primeiras rodadas da segunda metade da competição.


O início de segundo turno da equipe comandada por Mano Menezes é superior, até mesmo, aos das três edições em que o Cruzeiro foi campeão neste formato - somou 14 pontos em 2003, 19 em 2013, 13 em 2014. O pior aproveitamento foi registrado em 2011: naquela edição, da 1ª à 9ª rodada do returno, conquistou apenas três pontos. Com retrospecto idêntico, a campanha de 2010 supera a atual no critério saldo de gols - sete pró, contra seis pró - e é a melhor em 15 anos de pontos corridos.

Com 74,1%, Raposa é líder do 2º turno
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

A ascensão do Cruzeiro neste semestre tem como principal trunfo o bom desempenho no Mineirão. O time estrelado acumula 16 partidas de invencibilidade como mandante - a última derrota aconteceu no dia 04 de junho, diante da Chapecoense, em duelo válido pela 4ª rodada. Neste domingo, a marca será desafiada pelo rival Atlético, no sexto clássico do ano. Entre estadual, Copa da Primeira Liga e Campeonato Brasileiro, foram duas vitórias para cada lado e um empate até aqui.

Melhores campanhas no returno - até a 9ª rodada:

2010 - 6 vitórias, 2 empates, 1 derrota / 20 pontos / saldo +7
2017 - 6 vitórias, 2 empates, 1 derrota / 20 pontos / saldo +6
2007 - 6 vitórias, 1 empate, 2 derrotas / 19 pontos / saldo +13
2013 - 6 vitórias, 1 empate e 2 derrotas / 19 pontos / saldo +10

Piores campanhas no returno - até a 9ª rodada:

2011 - 3 empates, 6 derrotas / 3 pontos
2004 e 2005 - 2 vitórias, 2 empates, 5 derrotas / 8 pontos / saldo -7
2012 - 2 vitórias, 2 empates, 5 derrotas / 8 pontos / saldo -2

15/10/2017


Líder em pênaltis, time alvinegro perdeu cinco pontos por cobranças
desperdiçadas, mas sem as defesas do goleiro deixaria de somar três

Vinícius Dias

O pênalti assinalado por Heber Roberto Lopes e convertido por Fábio Santos deu ao Atlético a vitória por 1 a 0 diante do São Paulo, na última quarta-feira, na Arena Independência. Com o resultado, o time alvinegro fechou a 27ª rodada a três pontos do G7, zona de classificação à Libertadores. Se ao longo do Campeonato Brasileiro os demais cobradores tivessem repetido o feito do lateral-esquerdo, no entanto, o Galo hoje estaria na sétima colocação, com dois pontos de vantagem sobre o oitavo.

Fred falhou contra Santos e Palmeiras
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Líder no ranking de pênaltis a favor - nove, com média de um a cada três jogos -, o Atlético também é a equipe com mais cobranças erradas: cinco. Fred desperdiçou diante de Santos, na 13ª rodada, e Palmeiras, na 23ª; Rafael Moura perdeu contra o Botafogo, na 12ª; Cazares ante o Coritiba, na 17ª; e Robinho no confronto contra o Grêmio, na 19ª. Com 100% de aproveitamento, Fábio Santos ainda acertou diante de Coritiba, Flamengo e Palmeiras, nas rodadas 17, 20 e 23, respectivamente.

Victor já defendeu quatro cobranças
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Se convertendo as nove penalidades os mineiros chegariam ao sexto lugar, com 42 pontos, contra os 37 atuais, a situação na tabela estaria pior sem Victor. Também líder no quesito pênaltis contra, o Galo viu o camisa 1 defender quatro das oito cobranças adversárias. À exceção da derrota para o Santos, as intervenções ocorreram em confrontos que terminaram empatados. Sem os três pontos somados, o Atlético cairia para a 11ª colocação, com 34 pontos, apenas três à frente do Z4 e a seis do G7.

Penalidades a favor - 44,4% de acerto:

12ª rodada - Botafogo 1x1 Atlético - perdido por Rafael Moura
13ª rodada - Atlético 0x1 Santos - perdido por Fred
17ª rodada - Coritiba 0x2 Atlético - gol de Fábio Santos
17ª rodada - Coritiba 0x2 Atlético - perdido por Cazares
19ª rodada - Grêmio 2x0 Atlético - perdido por Robinho
20ª rodada - Atlético 2x0 Flamengo - gol de Fábio Santos
23ª rodada - Atlético 1x1 Palmeiras - perdido por Fred
23ª rodada - Atlético 1x1 Palmeiras - gol de Fábio Santos
27ª rodada - Atlético 1x0 São Paulo - gol de Fábio Santos

Penalidades contra - 50% defendidas:

2ª rodada - Atlético 1x2 Fluminense - gol de Henrique Dourado
4ª rodada - Palmeiras 0x0 Atlético - Willian cobrou/Victor
6ª rodada - Vitória 2x0 Atlético - gol de Kieza
9ª rodada - Atlético 2x2 Sport - gol de Diego Souza
12ª rodada - Botafogo 1x1 Atlético - Roger cobrou/Victor
13ª rodada - Atlético 0x1 Santos - Kayke cobrou/Victor
15ª rodada - Atlético 0x2 Bahia - gol de Juninho
23ª rodada - Atlético 1x1 Palmeiras - Deyverson cobrou/Victor

14/10/2017

O efeito Oswaldo e o ótimo Fábio Santos

Alisson Millo*

Oswaldo de Oliveira chegou, deu uma cara nova para o time, que já está há três jogos sem sofrer gols e mostrou uma ligeira melhora. Para quebrar a rotina de maus resultados e cornetas, enfim, uma crônica enaltecendo, jogando para cima. Essa, em especial, para um dos pilares do Atlético em uma temporada quase desastrosa.


Roger Machado e Rogério Micale vieram e se foram, Oswaldo está aí e, independentemente do esquema armado pelos três, uma peça quase sempre se destacou. Olhando para um elenco renomado, com jogadores de seleções diversas, pouca gente imaginaria que a referência seria Fábio Santos. Fábio chegou com a difícil missão de substituir o campeão olímpico Douglas Santos, em uma posição historicamente carente do clube, mas, com muita qualidade, superou provavelmente todas as expectativas.

Fábio Santos: alto nível a serviço do Galo
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Não que o camisa 6 seja craque, mas na situação em que o Galo se encontrava e, de certa forma, ainda se encontra, um jogador seguro, com experiência e que chama a responsabilidade é tudo que o time precisa. Inclusive, saiu dos pés dele o gol da importantíssima vitória de quarta-feira contra o São Paulo. Alguns vão dizer que foi só um gol de pênalti na tentativa de diminuir o feito, mas em tempos tenebrosos, em que nem de pênalti os atacantes fazem gols, ter uma peça confiável a quem recorrer faz a diferença. E não é de hoje que ele vem sendo o diferencial.

Quantidade e qualidade no Galo

Neste ano, o lateral-esquerdo já tem 53 jogos com o manto sagrado, marcando quatro gols, uma assistência, uma convocação para a seleção brasileira e 100% de aproveitamento nas penalidades, o que o transformou em cobrador oficial. Na defesa, segundo o Footstats, são 74 desarmes, tendo sido amarelado nove vezes e jamais expulso. Ainda bem, porque, desde que chegou, Fábio não tem um reserva à altura. A verdade é que poucos laterais esquerdos no Brasil são tão bons e decisivos quanto ele.

Equipe de Oswaldo tem boas surpresas
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Se o assunto são boas surpresas, menção mais do que merecida às atuações de Roger Bernardo, que foi bem ao lado de Adilson, e Felipe Santana, literalmente gigante, contra o São Paulo. Pouco a pouco, o Atlético vai se distanciando do Z4 e sonhando com a Libertadores do ano que vem. É difícil, mas acreditar sempre foi o forte do Galo. Para os objetivos serem alcançados, vamos precisar bastante dessas boas surpresas e dos bons jogos costumeiros de nomes como Victor, Adílson e, claro, Fábio Santos.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
Goleiro titular e atual capitão da seção Fala, Atleticano!

13/10/2017


Eleito na chapa de Wagner Pires, Ronaldo Granata revela reunião
agendada para debater estrutura do futebol e finanças para 2018

Vinícius Dias

Passadas menos de duas semanas da vitória da chapa encabeçada por Wagner Pires de Sá nas eleições presidenciais para o triênio 2018/2020, a transição já começou no Cruzeiro. "O ambiente está super tranquilo", garante Ronaldo Granata, que assumirá a segunda vice-presidência do clube no próximo ano, em exclusiva ao Blog Toque Di Letra. "Está tudo dentro do planejado. As portas de todos os departamentos estão abertas, transição transparente. Não houve dificuldade em momento algum", acrescenta.


A próxima etapa terá início em reunião marcada para a semana que vem, quando será discutido o organograma do futebol. A superintendência está vaga desde março, por exemplo, e Tinga anunciou que deixará a gerência em dezembro. Ainda não há alvos definidos nem garantia de manutenção dos cargos na estrutura. Na base, o próprio Granata, que nessa quinta-feira assistiu à final do Brasileiro sub-20 ao lado do presidente Gilvan, já é dado como novo gestor. Itair Machado será vice de futebol.

Granata vai gerir a base do Cruzeiro
(Créditos: Jaci Silveira/Cruzeiro/Divulgação)

Outro ponto debatido será a situação financeira. "A ideia é contratar uma empresa para a gente ter dados precisos da situação. Essa também será uma das pautas da reunião", revela o segundo vice para o triênio 2018/2020. De forma extraoficial, a página Amigos do Gilvan, dedicada a publicar no Facebook as ações do presidente por iniciativa de seus amigos e familiares, informou em setembro que o Cruzeiro fechou o primeiro semestre com receita de R$ 164,5 milhões e superávit de R$ 9,5 milhões.

Otimismo com discurso de Mano

Questionado sobre a situação de Mano Menezes, cujo contrato se encerra no fim deste ano, Ronaldo Granata se mostrou otimista. "As chances de permanência são grandes. Já houve um contato com ele. Não fui eu quem fez, mas sei que a resposta que veio foi bem tranquilizadora. A permanência é o desejo nosso e acho que é o desejo dele também". O treinador, que foi submetido a um tratamento de pele e não comandou o time nos últimos dois jogos, voltará à Toca da Raposa II nesta sexta-feira.

Cúpula pretende manter Mano Menezes
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Do ponto de vista político, já vislumbrando a definição do quadro de associados conselheiros e suplentes para o próximo triênio, em pleito que acontecerá na primeira semana de dezembro, o conselheiro nato defende a busca por consenso interno. "Será a terceira eleição (antes, em novembro, o clube elegerá o novo presidente do Conselho Deliberativo). Minha ideia pessoal é de que haja consenso e seja formada uma chapa única. Acho que é o melhor para o Cruzeiro evitar racha", pontua.

12/10/2017


Alagoano, que se apresenta com a camisa do Atlético ao lado dos
sósias de Messi e Neymar, será garoto propaganda do jogo de R10

Vinícius Dias

Figurinha carimbada na Arena Independência durante a passagem de Ronaldinho Gaúcho pelo Atlético, José Róbson Batista de Oliveira deixou Belo Horizonte no ano passado rumo ao Rio de Janeiro. Na Cidade Maravilhosa, a semelhança com o craque virou trunfo para o alagoano faturar durante as Olimpíadas. Após os Jogos, o sósia chegou a tentar a sorte como vendedor, mas foi longe dos balcões que voltou a chamar a atenção.


O mais novo projeto de Róbson Oliveira, de 33 anos, envolve outros dois craques. Ou melhor: os amigos Tiago Mendes e Jefferson Mello, sósias de Neymar e do argentino Messi, respectivamente. Acostumados a trabalhar individualmente, eles viraram atração em trio em eventos no Rio de Janeiro nas últimas semanas. "Nós já fizemos uns dez juntos. A experiência está sendo boa demais", garante ao Blog Toque Di Letra.

Garoto propaganda: a volta a BH

Enquanto os sósias de Neymar e Messi usam os uniformes dos atuais clubes dos jogadores, Róbson tem se apresentado com a camisa do Atlético. "(Os atleticanos) fizeram a minha vida", destacou, no ano passado, ao se despedir dos torcedores. O reencontro acontecerá em breve. "Serei garoto propaganda do jogo Amigos do Ronaldinho x Amigos do Penta", revela. O amistoso está agendado para o dia 08 de dezembro, no Mineirão.

11/10/2017


Camisa 30 participou de 11 dos 34 gols do clube celeste, enquanto
o equatoriano colaborou em dez dos tentos do Atlético no torneio

Vinícius Dias

Protagonista da virada do Cruzeiro sobre a Ponte Preta, Thiago Neves ficou mais perto de alcançar as metas traçadas no início da temporada - marcou o 13º de 20 gols previstos e chegou à 11ª de 15 assistências - com a atuação de sábado, no Mineirão. Mais do que isso: o tento aos 28 minutos da etapa final, somado ao escanteio cobrado aos 30' para cabeçada certeira de Manoel, fez com que o meia se tornasse líder de participações diretas em gols nesta Série A entre os atletas de equipes mineiras: 11 vezes.

Thiago Neves: participação em 11 tentos
(Créditos: Marcello Zambrana/Light Press/Cruzeiro)

Acionado pelo técnico Mano Menezes em 23 rodadas, o camisa 30 é o artilheiro celeste na competição, tendo balançado as redes adversárias em sete oportunidades, e ainda deu quatro assistências. O segundo lugar do ranking é ocupado pelo equatoriano Cazares, do Atlético. Com perfil mais garçom do que goleador, o meia-atacante, decisivo na vitória do primeiro turno contra o São Paulo, por 2 a 1, no Morumbi, contabiliza sete assistências e três gols em 21 partidas disputadas.

Cazares marcou ante tricolor no turno
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Embora sem marcar desde o duelo com o Atlético/GO, em julho, válido pela 14ª rodada, o alvinegro Fred completa o top 3 dos mais decisivos: cinco tentos e duas assistências, que, somados, mostram participação direta do atacante em sete gols. Sassá e Alisson, ambos do Cruzeiro, aparecem na sequência. Com menos minutos em campo, o camisa 99, que já balançou as redes seis vezes em 15 jogos com a camisa celeste neste Campeonato Brasileiro, é o quarto colocado. O meia-atacante, que foi acionado em 19 rodadas, soma um gol e cinco assistências no quinto lugar.

Mais decisivos da Série A - equipes mineiras:

Thiago Neves (Cruzeiro) - 7 gols e 4 assistências - 23 jogos
Cazares (Atlético) - 3 gols e 7 assistências - 21 jogos
Fred (Atlético) - 5 gols e 2 assistências - 7 jogos
Sassá (Cruzeiro) - 6 gols - 15 jogos
Alisson (Cruzeiro) - 1 gol e 5 assistências - 19 jogos

10/10/2017


Exaltado no Internacional e na CBF, dirigente do Cruzeiro projeta
a reta final de trabalho na Toca II e não descarta deixar o futebol

Vinícius Dias

Bicampeão brasileiro e dono de um título mineiro como jogador, na passagem que teve início em 2012 e terminou com a aposentadoria em 2015, Tinga voltou ao Cruzeiro neste ano para assumir a gerência de futebol. "Vencer e comemorar" eram os planos do gaúcho, que, em dezembro, ainda ao sabor do penta da Copa do Brasil, colocará ponto final no segundo capítulo da história no clube celeste. Campeão, o trabalho é visto com bons olhos no Internacional e na CBF, conforme o Blog Toque Di Letra apurou.


Ídolo colorado, o ex-volante esteve no Beira-Rio, em agosto, para assistir ao treino do Cruzeiro antes da semifinal da Copa do Brasil contra o Grêmio e chegou a ter um encontro casual com o presidente Marcelo Medeiros e a gravar para a TV oficial. Amigo do capitão D'Alessandro, agrada ao clube pelo perfil aglutinador, endossado por líderes do elenco do Cruzeiro. Já entre fontes com bom trânsito na CBF, onde cursa gestão do futebol, o nome é apontado como "estudioso e com potencial", inclusive, para tarefas ligadas à seleção. Por ora, no entanto, ainda não há convites para 2018.

Gerente celeste tem futuro indefinido
(Créditos: Washington Alves/Cruzeiro)

Contatado pela reportagem na tarde dessa segunda-feira, Tinga ressaltou que a decisão de deixar a Raposa ao fim da temporada, anunciada na última sexta-feira, não tem relação com o possível interesse de outros clubes ou da CBF. "Não tem nada atrelado a outra oportunidade". O gerente de futebol celeste ainda sinalizou a possibilidade de rever os rumos da carreira e não assegurou nem mesmo a continuidade no futebol. "Tudo pode acontecer. Um ano de experiência (em 2017). Graças a Deus, a experiência foi boa, mas tenho que pensar o que eu quero (para o futuro)".

Trabalho no clube até dezembro

Em relação aos últimos meses na Toca II, medindo as palavras, a promessa é de despedida da melhor forma. "Minha vontade era dar sequência ao trabalho, mas isso não vai acontecer. Não tenho muito que falar, não quero gerar polêmica. Meu trabalho, até o fim do ano, tem bastante coisa para fazer. Temos que terminar melhor do que nos últimos dois anos (8º lugar no Campeonato Brasileiro de 2015, 12º em 2016). Esse é um objetivo nosso: entregar o clube da melhor forma, o mais próximo do primeiro colocado. Financeiramente, é melhor para o clube", finalizou Tinga.

09/10/2017

Caminho aberto para a situação no Atlético

Vinícius Dias

Nem mesmo os maus resultados dentro de campo nesta temporada minimizam o prestígio político da situação no Atlético. Embora evite tratar do tema, Sérgio Sette Câmara, atual vice-presidente do Conselho Deliberativo e plano A do grupo para a sucessão de Daniel Nepomuceno, já é visto nos bastidores como próximo presidente do clube por conselheiros de várias alas. As eleições alvinegras acontecerão na primeira quinzena de dezembro, com registro de chapas até o fim de novembro.

Sette Câmara, à direita: plano A do grupo
(Créditos: Pedro Souza/Flickr/Atlético-MG)

Conforme apurou o Blog Toque Di Letra, neste momento, até mesmo a forma como se dará a presença da oposição no pleito é incerta. Os conselheiros beneméritos Fred Couto, derrotado por Alexandre Kalil em 2011, e Fabiano Lopes Ferreira se lançaram pré-candidatos. Internamente, no entanto, a avaliação é de que dificilmente a oposição terá apoio suficiente para viabilizar o registro de duas chapas - o estatuto do Atlético exige que cada pedido seja abonado por 50 conselheiros.

Votação do estádio é termômetro

A votação que aprovou o projeto do estádio próprio, há três semanas, é apontada como importante termômetro da força política da situação e, principalmente, da fragmentação da oposição no clube. Com comparecimento de 337 dos 389 conselheiros aptos, entre grandes beneméritos, beneméritos, natos e eleitos, foram contabilizados 325 votos sim, contra apenas 12 não. Um deles foi de Fabiano Lopes Ferreira, sinalizando oposição mais ferrenha. Fred Couto, por sua vez, votou sim na ocasião.

07/10/2017

De quem é o Cruzeiro Esporte Clube, afinal?

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

Era para ainda estarmos comemorando o pentacampeonato da Copa do Brasil. Deveria ser momento de união e de fortalecimento do Cruzeiro. Tinha tudo para ser a hora de aparar as arestas e focar toda a força, de todas as frentes possíveis, em um 2018 vencedor. Desde 2003 o Cruzeiro não tem tanto tempo para planejar uma disputa de Copa Libertadores como agora. E o que o torcedor vê? Justamente o contrário.


Dias depois de conquistar sua quinta Copa do Brasil, contra todas as probabilidades e todos os prognósticos, o clube celeste vive um turbilhão de emoções, contradições e incertezas. Com o mandato de Gilvan chegando ao fim, as eleições, invariavelmente, trariam novos ares à alta cúpula. O que ninguém esperava é que, mesmo com a chapa de situação vencendo o pleito, os dias seguintes à vitória de Wagner Pires de Sá fossem tão conturbados. Com um discurso que sugeria continuidade do trabalho - apesar dos pesares e dos erros no caminho - vitorioso da diretoria, muitos pensaram que uma nova era, conciliando o que estava dando certo ao que fatalmente seria modificado, começaria. Parece que estávamos enganados.

Torcida celeste em dúvida sobre o futuro
(Créditos: Cristiane Mattos/Light Press/Cruzeiro)

O primeiro a confirmar a saída do clube foi Bruno Vicintin. Longe de ser unanimidade, principalmente pelas temporadas de 2015 e 2016, que foram aquém do esperado, o ex-vice-presidente de futebol acabou conquistando o respeito do torcedor por conseguir incutir no trabalho da Raposa a filosofia de aproveitamento da base. Vários jogadores formados na Toca I foram importantíssimos durante o ano e, hoje, são, se não titulares absolutos, fundamentais para o bom funcionamento do time como um todo. É algo que, na minha opinião, deveria ser mantido para o futuro. Teremos que esperar para o ver o que acontecerá.

Klauss e Mano serão os próximos?

Na manhã dessa sexta-feira, foi a vez de o gerente de futebol Tinga anunciar que deixará o cargo ao final da temporada. Outros profissionais que conquistaram espaço no Cruzeiro com muito trabalho e seriedade, como o diretor de futebol Klauss Câmara e o treinador Mano Menezes, ainda não se manifestaram oficialmente sobre o futuro, indicando dúvida sobre a continuidade no clube celeste. Por quê?

Tinga deixará o clube ao final deste ano
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Qual o motivo de tamanha debandada, sendo que, repito, a chapa vencedora do pleito foi apoiada pela atual diretoria? Sendo que o grupo vencedor prezava, entre outras coisas, pela continuidade do trabalho? O que está sendo planejado sem que o torcedor saiba? O que, de fato, distancia os profissionais que hoje comandam o futebol do Cruzeiro do presidente eleito? Por que decisões tão importantes, que podem afetar os próximos três - se não mais - anos do clube do coração de oito milhões de torcedores e mais de 63 mil sócios, são tomadas por apenas 465 conselheiros?

A estabilidade que ficou no sonho

De quem é o Cruzeiro Esporte Clube, afinal? Como é possível que, de um dia para o outro, o cenário que deveria ser de estabilidade para o futuro gestor se transforme em palco de ataques de lado a lado. Apoiadores e apoiados. Quem sofre e se tortura com isso é o torcedor, o último a ser consultado, o que menos tem voz nas decisões do clube, mas o que tira dinheiro do seu bolso para pagar o sócio, para pagar o ingresso, a camisa ou, simplesmente, para pagar a pilha do rádio com o qual acompanha os jogos no cafundó que for. O torcedor merece, no mínimo, respeito.

Festa pelo penta deu lugar à revolução
(Créditos: Cristiane Mattos/Light Press/Cruzeiro)

Era para estarmos comemorando mais um título e planejando, de forma positiva, a próxima temporada. Em vez disso, estamos todos esperando uma revolução sem fundamento. Uma troca de comando técnico e estratégico. Corremos o risco de perder contatos, contratos e títulos. Isso, sendo otimista. Que fique claro: não estou aqui para dar respostas, estou aqui para fazer perguntas. Temos que achar um meio de cobrar essas e tantas outras respostas. Não podemos deixar que todo o trabalho seja desperdiçado, já que foi justamente ele o escolhido para o próximo triênio.

Força, Cruzeiro!

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!