25/07/2018

Marta e o Brasil, o país do futebol masculino

Vinícius Dias

Um, dois, três... 14 anos consecutivos. Marta, o maior nome da história do futebol feminino brasileiro, disputará pela 14ª vez o prêmio de melhor jogadora do mundo. Que já conquistou cinco vezes, como o português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi, os maiores vencedores entre os homens. Em uma temporada em que nem mesmo Neymar, protagonista da maior transferência do planeta bola, aparece entre os finalistas. Mas no Brasil que continua sendo o país do futebol masculino.


Porque desde Kaká, em 2007, o país com mais conquistas não levanta o troféu. 11 anos de projeções, candidatos a ídolos que vão e vêm a Copas com o hexa apenas como sonho. 11 anos em que o futebol feminino raramente foi pauta na grande mídia, em que o cotidiano das contemporâneas de Marta é marcado por falta de investimento, calendário e estrutura. Se o discurso comumente é de que aquilo que não é visto não é desejado, vale pontuar que tende a ser mais desejado o que é mais exibido.

Marta: 14 temporadas no topo
(Créditos: Lucas Figueiredo/CBF)

Porque, em 2015, valeu a notícia quando a camisa 10 superou o número de gols marcados por Pelé na seleção brasileira. Mas o heptcampeonato da Copa América feminina, há três meses, ainda soa como novidade. Porque, no pós-7 a 1, mais de 52 mil vozes apoiaram as comandadas de Vadão diante da Austrália, no Mineirão, nas Olimpíadas de 2016. Mas o ouro que veio foi o masculino, e o país não apenas engoliu Neymar, mas também relegou Marta e suas companheiras ao escanteio de sempre.

O Brasil, enquanto Marta faz história, se cala sobre o futuro.
País do futebol no slogan. Do futebol masculino no dia a dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário