17/07/2017

Evolução e lacunas no futebol do Cruzeiro

Vinícius Dias

Aos 14 minutos do segundo tempo, Sassá recebeu de Diogo Barbosa em profundidade e balançou as redes do Flamengo. Aos 27', usou a velocidade para superar a defesa rubro-negra, mas preferiu finalizar a servir Rafael Sóbis. A expectativa de virada terminou em tiro de meta: 1 a 1 no Mineirão, confirmando o melhor momento do Cruzeiro no Brasileirão, mas impedindo a sequência de três vitórias. Resultado que passa pelo camisa 99, mas começa no embate entre a evolução e as lacunas persistentes.


Entre o 4-3-2-1 e o 4-3-3, o time de Mano Menezes teve boa atuação contra o Palmeiras tendo menos posse, mas explorando as limitações da marcação por encaixe adotada por Cuca. Diante do Atlético/PR, o Cruzeiro ficou com a bola em menos de 40% do tempo, levou sustos no segundo tempo, mas confirmou o triunfo que teve início em um contra-ataque. Dois jogos em que a mobilidade de Alisson e o poder de criação de Thiago Neves, somados à eficiência no terço final, fizeram a diferença.

Sassá, o protagonista do lado celeste
(Créditos: Mauricio Farias/Light Press/Cruzeiro)

Nesse domingo, outra vez com um 4-2-3-1 que se transformava em 4-4-2 à medida que Thiago Neves avançava, o Cruzeiro teve como lacuna a transição. Na segunda linha, formada por Lucas Silva e Ariel Cabral, volantes de bom passe, mas que participavam pouco da destruição, o Flamengo encontrava espaços - improvisado na lateral, Romero foi quem mais desarmou no jogo. O rubro-negro pressionava a posse celeste, que recorria à bola longa, quase sempre interceptada antes de chegar ao ataque.

O Cruzeiro, em seu melhor momento, soma sete pontos de nove.
A série de triunfos, porém, esbarrou nas lacunas do meio-campo.

8 comentários:

  1. O Cruzeiro está arranjando o ataque e o meio. A zaga não está 100% e o goleiro Fábio se tornou um goleiro comum apenas.

    ResponderExcluir
  2. Concordo em parte. Continuamos levando gols de cabeça com bolas que atravessam a área. Não sei quantos já tomamos este ano. Mas sei que são vários.

    ResponderExcluir
  3. Afonso Lemos17 julho, 2017

    Sassá foi um irresponsável naquela bola que pegou de frente e podia ter rolado para o Sóbis. jogo é em equipe, o atleta precisa aprender isso. Fábio tomou mais um gol defensável de bola alçada na área do time e não rebatida pela defesa. o Cruzeiro tem que voltar a mandar no Mineirão. Deixar um time chegar e ditar o panorama do jogo é complicado.

    ResponderExcluir
  4. Concordo no comentário sobre o Fábio, hoje ele é apenas um bom goleiro e experiente, o Rafael pode fazer mais pelo time. Quanto ao Sassá, acho que 99% dos centroavantes dentro da área finalizariam, se fosse o Abila, por exemplo, também tentaria o gol.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas acho que o Ábila faria aquele gol. O chute do Sassá foi ridículo.

      Excluir
  5. Concordo! Está passando da hora de fazer um jogo de despedida do Fábio, hoje ele é um goleiro comum ( leia-se: mediano ) o cara tá velho, pesado, já não tem os mesmos reflexos de outrora, o Rafael pode fazer mais, precisa apenas de uma sequência para ganhar mais experiência, para mim, a fase do Fábio já passou.

    ResponderExcluir
  6. É MM, agora tu está satisfeito, para escalar Rafael Marques, só quero ver na Copa Brasil, não teremos atacantes.E para complicar mais está chegando um novo Pizano, é mole?

    ResponderExcluir
  7. fabio e abencoado por deus e o melhor do brasil deus te abencoe irmao

    ResponderExcluir