31/10/2017

Cruzeiro planeja eleição de natos neste ano

Vinícius Dias

Com clima amistoso entre as principais lideranças e chapa única para o pleito que aclamará o senador Zezé Perrella como novo presidente Conselho Deliberativo, no dia 07 de novembro, o Cruzeiro poderá ter mais uma importante definição política ainda neste ano. A possibilidade de convocação de eleição para o quadro de conselheiros natos - vitalícios -, antecipada pelo Blog Toque Di Letra em agosto, ganhou força no clube nos últimos dias. Internamente, a proposta agrada a várias correntes.

Gontijo, à direita, exalta união no clube
(Créditos: Site Oficial do Cruzeiro/Arquivo)

"O Cruzeiro, mais uma vez, mostrou sua maturidade e, acima de tudo, equilíbrio, porque nós temos que olhar mais do que nunca o nosso clube. Agora, vamos trabalhar a ideia de também preencher as vagas de natos", confirmou o atual presidente do Conselho, João Carlos Gontijo de Amorim. Hoje, a lista disponível no site oficial conta com 253 nomes, 27 a menos do que o estatuto fixa - conforme a reportagem apurou, pelo menos mais uma vaga foi aberta neste mês em razão de morte.

Conselheiros já esboçam datas

Nos bastidores, o intervalo entre o pleito da mesa diretora e o dia 02 de dezembro, quando serão definidos os efetivos e suplentes para o triênio 2018/2020, é tido como período ideal. Na votação secreta, sem formação de chapas, concorreriam associados conselheiros com no mínimo três mandatos consecutivos ou cinco alternados cumpridos. Os escolhidos pelo colégio eleitoral de beneméritos - ex-presidentes do clube e Conselho - e atuais natos se tornariam elegíveis para a presidência a partir de 2020.

30/10/2017

Mineiro: interior tentará ampliar mata-matas

Vinícius Dias

Representantes dos 12 clubes da elite mineira se reunirão na tarde desta segunda-feira, na sede da FMF, para o arbitral do estadual de 2018. Conforme o Blog Toque Di Letra apurou, um grupo de clubes do interior articula nos bastidores para colocar em pauta a volta das quartas de final, fase disputada pela última vez na edição de 2010. Neste formato, a competição teria mais duas datas, chegando a 17 - o limite definido pela CBF no calendário para 2018 é de 18 datas, no período 17 de janeiro a 8 de abril.

Em 2018, estadual pode ter 17 datas
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

A princípio, cinco clubes sinalizaram de forma favorável à proposta. "Ainda é embrionário, mas devemos falar lá. Historicamente, a gente (quinteto) vota em bloco", destacou um dirigente nesse domingo. Entre os argumentos apresentados estão a garantia de pelo menos cinco representantes do interior nos mata-matas - no formato atual, apenas duas das sete edições tiveram mais de um na segunda fase - e a possibilidade de alavancar as receitas com mais uma partida como mandante por classificado.

Busca por consenso no interior

O arbitral adota sistema de pesos em votações: campeão a décimo colocado deste ano têm pesos de 12 a 3, em sequência, enquanto os votos do vice e do campeão do último módulo II valem 1 e 2, respectivamente. A avaliação do quinteto é de que os clubes de Belo Horizonte - em especial Cruzeiro, assegurado na Copa Libertadores, e Atlético, que luta por vaga - dificilmente apoiarão a proposta. Neste cenário, o objetivo é convencer os demais clubes do interior, que soma 45 votos, contra 33 da capital.

28/10/2017

100 mil: aqui é, cada vez mais, Galo na Veia!

Alisson Millo*

Esta foi uma daquelas semanas em que tudo dá certo para o Atlético. A começar por domingo com uma vitória muito boa no clássico. Outra manchete do Galo é o início das tratativas para renovação do contrato do capitão Léo Silva, que, a princípio, deve ter seu vínculo expandido por mais uma temporada. Reforço técnico e liderança mantida dentro de campo para 2018. Mas o maior destaque veio na última quinta-feira. Desde então, já são mais de 100 mil sócios do clube, atingindo a meta estipulada pelo presidente Daniel Nepomuceno no começo do mandato.


Dizer que a massa é apaixonada é redundância. Mas méritos ao programa do Atlético e à diretoria. Aqui, a corneta não tem muito pudor para soar, mas tento ser sempre justo, e a expansão e a melhora do Galo na Veia são resultado do trabalho da equipe de Daniel Nepomuceno. Atualmente, são oferecidas três categorias, cada uma com suas vantagens de acordo com o preço da mensalidade. Os planos custam R$ 13 - branco -, R$ 35 - prata - e R$ 220 - preto. De descontos nas lojas do clube a ingressos para jogos, os benefícios estão listados no site do Galo na Veia

Torcida alvinegra teve semana especial
(Créditos: Pedro Souza/Flickr/Atlético-MG)

O Galo é o sétimo no ranking de sócios no Brasil e o primeiro de Minas Gerais a atingir tal marca. Logo abaixo, como em tudo que se refere ao futebol mineiro, está o rival, com quase 40 mil associados a menos. O número expressivo vem pouco depois do sim do Conselho para a construção da Arena MRV, que deve impulsionar ainda mais a adesão dos atleticanos. Afinal, quem não quer ver o clube jogar na sua própria casa? O plano prata, por exemplo, dá acesso à venda antecipada dos ingressos. O preto tem entrada garantida nos jogos como mandante e, em breve, no nosso estádio.

Legado de Daniel Nepomuceno

Fato é que Daniel Nepomuceno não continuará à frente do clube no ano que vem. Se dentro de campo o Atlético ficou devendo, principalmente em conquistas relevantes, o mesmo não pode ser dito do aspecto político-econômico de sua gestão. Claro que política não ganha jogo nem título, mas o sucessor certamente encontrará uma boa base e, principalmente, uma casa organizada, que tem tudo para prosperar mais a cada temporada.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
Goleiro titular e atual capitão da seção Fala, Atleticano!

27/10/2017


Do time titular, apenas o volante Hudson terá contrato encerrado
nesta temporada; talentos formados na Toca I têm vínculos longos

Vinícius Dias

Pentacampeão da Copa do Brasil e praticamente sem chances de título no Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro já trabalha visando à próxima temporada e a volta à Libertadores. Em meio à transição presidencial, o novo departamento de futebol do clube trata como prioridade a renovação com os atletas com contrato perto do fim. Uma das próximas etapas será a definição da situação dos que atualmente estão emprestados.

Destaques do elenco têm vínculos longos
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

O Blog Toque Di Letra, em parceria com o portal Rede do Futebol, fez um levantamento da situação contratual dos jogadores do elenco celeste. Apenas dois - Rafael Galhardo e Hudson - terão vínculos encerrados ainda neste ano. Por outro lado, pelo menos 11 atletas que estão emprestados vão se reapresentar na Toca da Raposa II em janeiro. Destaque para o zagueiro Fabrício Bruno, titular da Chapecoense.

Goleiros:
Fábio** - dezembro de 2019
Rafael - dezembro de 2021
Lucas França - fevereiro de 2021
Lucão - dezembro de 2018

Laterais-direitos:
Ezequiel - julho de 2019
Rafael Galhardo - dezembro de 2017
Lennon - abril de 2019

Zagueiros:
Murilo** - dezembro de 2021
Léo - dezembro de 2018
Manoel - dezembro de 2020
Digão - julho de 2020
Arthur - março de 2021
Dedé** - dezembro de 2018

Laterais-esquerdos:
Diogo Barbosa* - dezembro de 2018
Bryan - maio de 2019

Volantes:
Henrique - dezembro de 2019
Ariel Cabral - dezembro de 2018
Hudson* - dezembro de 2017
Lucas Romero - fevereiro de 2021
Lucas Silva* - junho de 2018
Nonoca - outubro de 2021

Meias:
De Arrascaeta - dezembro de 2019
Thiago Neves - dezembro de 2019
Alisson - março de 2021
Robinho* - dezembro de 2019
Rafinha - dezembro de 2018
Élber - dezembro de 2018
Messidoro* - dezembro de 2018
Alex - dezembro de 2019

Atacantes:
Rafael Sóbis - dezembro de 2019
Raniel - dezembro de 2019
Sassá - dezembro de 2021
Rafael Marques - dezembro de 2018
Judivan - dezembro de 2020

Voltam de empréstimo:
Alan - junho de 2018
Fabrício Bruno - dezembro de 2019
Mena - janeiro de 2019
Edimar - junho de 2018
Pará - junho de 2019
Breno Lopes - setembro de 2019
Uillian Correia - agosto de 2019
Caique Valdívia - junho de 2018
Luiz Fernando - junho de 2020
Halef Pitbull - janeiro de 2020
Joel - junho de 2020

*Atletas emprestados ao Cruzeiro
**Renovações ainda não registradas no BID

26/10/2017

Ricardo Oliveira fora do perfil no Cruzeiro

Vinícius Dias

Quinto colocado no Brasileirão, o Cruzeiro tem apenas o 11º melhor ataque, com 36 gols em 30 rodadas. Para 2018, de volta à Libertadores, a tendência é de que o setor seja reforçado. Cientes disso, diversos agentes já têm se movimentado para apresentar nomes ao clube. Um dos sugeridos, conforme o Blog Toque Di Letra revelou no sábado, foi Ricardo Oliveira. No entanto, a princípio, o centroavante está fora do perfil traçado.


"A gente gosta do jogador, é muito bom. Mas, se a gente for contratar nessa posição, será um perfil diferente", afirmou o novo vice-presidente de futebol, Itair Machado, confirmando que o nome do camisa nove, que tem vínculo com o Santos até dezembro, foi apresentado à cúpula.

Atacante já marcou dez gols em 2017
(Créditos: Rafael Ribeiro/CBF/Divulgação)

A reportagem apurou que a preferência da comissão técnica é por um reforço experiente, mas com idade inferior, visando à temporada em que o Cruzeiro disputará pelo menos 57 jogos. Financeiramente, Ricardo Oliveira, que fará 38 anos em maio, se encaixaria na política do clube. As cifras desembolsadas pelo Santos, por exemplo, mesmo com metas cumpridas e dez gols em 33 jogos no ano, são cerca de 30% inferiores ao teto celeste.

Agente atento às movimentações

Na última semana, embora pontuando que não havia negociações em andamento, o empresário do atacante se mostrou atento aos bastidores. "Vários agentes de Belo Horizonte, radicados ou que têm contato com o Cruzeiro, me ligaram perguntando se eu poderia fornecer uma credencial para tratar desse assunto", revelou Augusto Castro. De acordo com o carioca, Ricardo Oliveira é admirador do trabalho de Mano Menezes.

25/10/2017


Quatro dos atletas mais acionados na temporada têm vínculos perto
do fim; vindos da base, Messias e Matheusinho têm contratos longos

Vinícius Dias

O América assumirá a vice-liderança da Série B se vencer o Boa Esporte, em Varginha, neste sábado. Em meio à luta pelo acesso, com 90,1% de chances, de acordo com o Departamento de Matemática da UFMG, o clube já começa a vislumbrar a próxima temporada. Além da avaliação de nomes de potenciais reforços, os trabalhos incluem a definição da situação dos atletas que voltam de empréstimo ou cujos contratos estão perto do fim.

Ídolo, João Ricardo tem vínculo até 2018
(Créditos: Site Oficial do América/Divulgação)

O Blog Toque Di Letra, em parceria com o portal Rede do Futebol, fez um levantamento da situação contratual dos jogadores do elenco alviverde. 19 atletas terão vínculos encerrados entre novembro e dezembro. Quatro desses - Ernandes, Renan Oliveira, Gérson Magrão e Luan - estão entre os mais utilizados por Enderson Moreira nesta temporada. Por outro lado, dois jogadores retornam de empréstimo em janeiro.

Goleiros:
João Ricardo - dezembro de 2018
Fernando Leal - novembro de 2017
Glauco - dezembro de 2019
Jory - julho de 2019

Laterais-direitos:
Ceará - novembro de 2017
Norberto* - dezembro de 2017
Auro* - dezembro de 2017

Zagueiros:
Messias - dezembro de 2018
Rafael Lima - dezembro de 2018
Lima - maio de 2018
Renato Justi* - novembro de 2017
Roger Duarte - dezembro de 2019

Laterais-esquerdos:
Pará* - novembro de 2017
Giovanni* - dezembro de 2017

Volantes:
Juninho - dezembro de 2018
Ernandes - dezembro de 2017
Zé Ricardo - dezembro de 2019
David - novembro de 2017
Christian Sávio - dezembro de 2020
Neto Moura* - dezembro de 2017
Willian Oliveira* - dezembro de 2017
Rafael Jataí - novembro de 2017
Renato Bruno - dezembro de 2018

Meias:
Matheusinho - setembro de 2021
Ruy* - dezembro de 2017
Renan Oliveira - novembro de 2017
Gérson Magrão - novembro de 2017

Atacantes:
Bill - maio de 2018
Luan* - novembro de 2017
Edno - maio de 2018
Hugo Almeida - novembro de 2017
Hugo Cabral* - dezembro de 2017
Felipe Amorim* - novembro de 2017
Mike* - novembro de 2017
Rubens - dezembro de 2018

Voltam de empréstimo:
Bruno Sávio - junho de 2018
Jeferson - dezembro de 2018

*Atletas emprestados ao América

24/10/2017


Vínculos de Léo Silva, Marlone, Robinho e Rafael Moura terminam
neste ano; Patric e mais cinco retornarão de empréstimo em 2018

Vinícius Dias

O sucessor de Daniel Nepomuceno no Atlético, que será escolhido pelo Conselho Deliberativo na primeira quinzena de dezembro, precisará tomar várias decisões importantes em curto prazo. Além da busca por um diretor de futebol e de reforços para a próxima temporada, caberá ao novo presidente a palavra final sobre a situação dos atletas que atualmente estão emprestados a outros clubes ou têm vínculos perto do fim.

Atlético tem peças com situação indefinida
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

O Blog Toque Di Letra, em parceria com o portal Rede do Futebol, fez um levantamento da situação contratual dos jogadores do elenco atleticano. Quatro atletas, entre eles o capitão Leonardo Silva e o atacante Robinho, terão vínculos encerrados ainda neste ano. Por outro lado, seis jogadores que estão emprestados retornam à Cidade do Galo em janeiro. Destaque para o polivalente Patric, campeão baiano pelo Vitória.

Goleiros:
Victor - junho de 2019
Giovanni - dezembro de 2018
Uilson - agosto de 2019
Cleiton - dezembro de 2019

Laterais-direitos:
Marcos Rocha - dezembro de 2018
Alex Silva - dezembro de 2019
Carlos César - julho de 2018

Zagueiros:
Leonardo Silva - dezembro de 2017
Gabriel - dezembro de 2021
Felipe Santana - dezembro de 2018
Matheus Mancini - maio de 2020
Gleison Bremer - dezembro de 2021
Erazo - dezembro de 2019

Laterais-esquerdos:
Fábio Santos - dezembro de 2018
Mansur - dezembro de 2020
Leonan - março de 2020

Volantes:
Adilson - fevereiro de 2019
Elias - janeiro de 2020
Roger Bernardo - junho de 2020
Yago - dezembro de 2020
Gustavo Blanco* - dezembro de 2018
Lucas Cândido - dezembro de 2019

Meias:
Juan Cazares - dezembro de 2019
Valdívia* - maio de 2018
Romulo Otero - junho de 2020
Marlone* - dezembro de 2017

Atacantes:
Fred - dezembro de 2018
Robinho - dezembro de 2017
Luan - abril de 2019
Rafael Moura - dezembro de 2017
Clayton - dezembro de 2020
Capixaba - dezembro de 2019

Voltam de empréstimo:
Patric - dezembro de 2018
Tiago Pagnussat - dezembro de 2018
Dodô - novembro de 2019
Hyuri - dezembro de 2019
Pablo - junho de 2019
Carlos - setembro de 2019

*Atletas emprestados ao Atlético

23/10/2017


Em coletiva web após convocação de sexta-feira, treinador lembrou
atleticanos chamados e exaltou o momento do camisa 1 cruzeirense

Vinícius Dias

Na última sexta-feira, Tite convocou a seleção brasileira para os amistosos contra Japão e Inglaterra, em novembro, sem atletas do futebol mineiro. A ausência na penúltima lista antes da Copa, no entanto, não representa o fim das esperanças de atleticanos e cruzeirenses. O comandante abordou o tema na coletiva web, em resposta à pergunta do Blog Toque Di Letra sobre possíveis oportunidades para Fábio, Henrique e Diogo Barbosa, do Cruzeiro, e Gabriel, do Atlético, nomes mencionados em diferentes momentos de sua trajetória na seleção. Veja, no vídeo, a partir de 8'43".


"Acrescento Elias, o Marcos Rocha e o Fábio Santos, que foram convocados, atletas que têm esse poderio, essa qualidade. Robinho, que foi convocado. Ah, mas foi o jogo contra a Colômbia. Cinco foram convocados novamente depois daquele jogo: Jorge, Diego, Diego Souza, Rodrigo Caio e Rodriguinho. Há uma tendência e o tempo vai ficando cada vez menor, mas sempre aberto a jogadores que, confirmando a qualidade, jogando bem em seus clubes, podem ter oportunidade na lista final", pontuou o treinador.

Observado, Fábio ganha elogios

Um dos principais assuntos da coletiva web foi a disputa pelas três vagas de goleiros. No mesmo dia em que convocou Alisson, da Roma, Ederson, do Manchester City, e Cássio, do Corinthians, para os amistosos de novembro, Tite assegurou que o cenário ainda não está definido e, em dois momentos, fez referência ao camisa 1 do Cruzeiro. "Fábio sendo campeão da Copa do Brasil e jogando muito", destacou em uma das respostas.

O clássico de Robinho e Mano no Mineirão

Vinícius Dias

Antecipação de Fábio Santos aos 21' da etapa final, passe para Robinho encarar a tripla marcação cruzeirense e terminar balançando as redes. 14 minutos depois, cena praticamente repetida no Mineirão: assistência de Cazares para o camisa 7, mais uma vez cortando para a direita, superar Ezequiel e decretar o triunfo do Atlético: 3 a 1, de virada. Resultado para abrir oito pontos do Z4, se aproximar do G7 e quebrar a invencibilidade de 16 partidas do Cruzeiro como mandante. Com Robinho fazendo a diferença em tarde de substituições infelizes de Mano Menezes.


No primeiro tempo, o time celeste foi superior, controlando os espaços por meio da posse - mais de 60% - e ameaçando ao acelerar. Como no lance do gol, aos 30 minutos: roubada no campo defensivo, bola circulando nos pés de Arrascaeta, Diogo Barbosa, Rafinha, de Rafinha para Thiago Neves, dele para o fundo das redes. Como nas finalizações de Diogo Barbosa para boa defesa de Victor e de Alisson para fora após belo passe de Arrascaeta. Quase sempre pela esquerda, o setor que mais que preocupava Oswaldo de Oliveira antes do apito inicial e, na prática, desequilibrava o clássico.

Robinho: dono do clássico no Mineirão
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Panorama mantido no início do segundo tempo. Até o alvinegro empatar com Otero, aos 15', e virar com Robinho, seis minutos depois. Mano Menezes reagiu trocando Alisson - mesmo pouco inspirado era fundamental para o jogo de Arrascaeta fluir pela esquerda - por Élber, que abriu à direita. Rafinha deu lugar a Rafael Sóbis. O Cruzeiro terminou o jogo com 35 cruzamentos - 29 errados, de acordo com o Footstats - sem poder de infiltração e falhando na construção pelos lados. O Atlético ainda fez o terceiro em jogada iniciada por Cazares, superior a Valdívia, e concluída por Robinho.

O clássico acabou com comemoração alvinegra no Mineirão.
Em domingo de Robinho implacável e Mano Menezes infeliz.

22/10/2017

Clássico: o nosso último pedido ao Cruzeiro

Douglas Zimmer*

Salve, China Azul!

Convenhamos que 2017 foi um ano bom para os cruzeirenses. Podemos nos queixar de algumas coisas, mas, na média, tivemos mais ganhos do que perdas. Além do inestimável título da Copa do Brasil, foi uma temporada de renascimento do clube como um todo. Torcida, jogadores, comissão técnica e até diretoria, ao que tudo indica, voltaram a falar a mesma língua e a buscar os mesmos objetivos. Um pouco daquela química que tanto nos inebriou durante o bicampeonato nacional em 2013 e 2014 está de volta.


O ano está chegando ao fim e ousaria eu dizer que, neste domingo, disputaremos nosso último jogo de verdade na temporada. Apesar de um improvável título da Série A ainda ser matematicamente atingível, sabemos que dificilmente o time terá gás para vencer todos os seus jogos e, além disso, a sorte de contar com vários tropeços de outras quatro ou cinco equipes. Sendo assim, o clássico é o que, a princípio, marca o fim de mais um ciclo no futebol cruzeirense. Um jogo para encher o estádio e mostrar que tudo o que foi feito e conquistado durante o ano não caiu do céu.

Elenco e torcida: química está de volta
(Créditos: Cristiane Mattos/Light Press/Cruzeiro)

Começamos a temporada desacreditados, desanimados e preocupados com o que nos esperava. Não era para menos. O time vinha de dois anos apáticos, insossos, muito aquém daquilo que se espera do Cruzeiro. Eis que, de repente, a equipe começa a engrenar, a pegar um entrosamento legal e, surpresa, amigos: somos pentacampeões da Copa do Brasil e temos vaga garantida na fase de grupos da próxima edição da Copa Libertadores. Acaso? Coincidência? Milagre da providência? Nada. Trabalho. Dos bem feitos, apesar das ressalvas. E, para encerrar o expediente, um clássico.

90 minutos para relembrar 2017

É o último pedido da tua torcida neste ano, Cruzeiro: o clássico. Vencê-lo. Fazer mais uma linda festa ainda em 2017. Mineirão lotado, jogar bem e derrotar um dos melhores elencos do Brasil - sejamos justos. Coroar a retomada do sentimento de ser cruzeirense e reconhecer em si mesmo um afortunado, com todo o respeito aos demais, colocando em 90 minutos um resumo daquilo que de melhor a camisa celeste nos proporcionou.

Cruzeiro iniciou o ano vencendo clássico
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Não que eu não vá acompanhar o time depois deste domingo. Muito pelo contrário. Vai que chegamos à segunda-feira com 0,1% de chance de título. Já pensou? Todo meu otimismo e minha fé futebolística estarão sustentando esse maldito décimo de probabilidade. É futebol. Não é nada mais nem nada menos do que futebol. De qualquer maneira, nas próximas horas, tudo será clássico. Não são só os três pontos. Não é só a chance de subir na tabela. Não é só o gostinho de manter o rival longe da parte nobre da classificação. É tudo isso e mais um pouco. É o último jogo do ano.

Aturinha ou surtinha no sub-20

Aproveitando o espaço, congratulo os meninos do sub-20 do Cruzeiro que, na última sexta-feira, conquistaram o Campeonato Brasileiro da categoria. Foi o quarto título da Raposinha, o primeiro sob a chancela da CBF. Apesar de achar que a função primordial da base é formar atletas, um título dessa importância é sempre bem-vindo e acaba por valorizar o trabalho sério e competente que vem sendo executado na Toca I. Parabéns a todos os envolvidos nesta conquista. Em breve, teremos um reencontro nos profissionais.

Força, Cruzeiro!

*Gaúcho, apaixonado pelo Cruzeiro desde junho de 1986.
@pqnofx, dono da camisa 10 da seção Fala, Cruzeirense!