05/05/2018

Com Larghi e Patric, contra tudo e contra todos

Alisson Millo*

Chamar Thiago Larghi de interino a essa hora já parece infundado. Com ou sem o martelo batido da diretoria, ele é o treinador. E vem provando ser dos bons. Aprimorou consideravelmente o futebol jogado pelo time, recuperou Roger Guedes, que muitos defendiam que fosse defenestrado - inclusive este que vos fala - e, aos poucos, vai desfazendo os muitos erros de Oswaldo de Oliveira. Não é unanimidade, claro, mas tem crédito de sobra.


O futebol jogado contra o Corinthians, caso seja repetido adiante, credencia o Atlético a brigar na parte de cima da tabela do Brasileirão, bem longe dos prognósticos desastrosos feitos no início do ano. As substituições, no mínimo arrojadas, do treinador mostraram que sua personalidade começa a aparecer e, aos poucos, ele vai criando alternativas. Mas como é crítica que move o mundo: evite tirar o Adilson, como diante da Chapecoense, Larghi. Improvise-o como zagueiro, mas deixe-o em campo, senão perdemos o meio e temos que gastar outra substituição para consertar.

Larghi já superou marcas de Oswaldo
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Mas vida que segue. Na terça-feira já temos outra decisão, diante do San Lorenzo, e precisamos reverter uma derrota pífia no jogo de ida. A Copa do Brasil era o 'caminho mais curto para a Libertadores', mas a Sul-Americana já pode concorrer nessa estrada. O prêmio da competição nacional é maior, mas torcedor liga mais para título do que para dinheiro, então vale a pena sempre lutar por ambos. Ganhar é consequência, mas é jogar um bom futebol e dar o sangue em campo é o mínimo que esperamos.

Ôôô, o Patricão da Massa ficou!

Para fechar, um comentário sobre a notícia que parou a mídia esportiva brasileira. Nosso Patricão da Massa era alvo do São Paulo, mas renovou e, assim como Cristiano Ronaldo, que certamente se inspira no nosso lateral-direito, foi aos microfones para anunciar que ficaria. Há algum tempo, escrevi aqui que Patric era uma lenda no Galo mais por folclore do que pelo futebol, mas a torcida o abraçou, sua história de vida é emocionante e suas atuações têm agradado aos atleticanos ou, pelo menos, desagradado menos. Contra tudo e contra todos. Como diante do Corinthians.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
Goleiro titular e atual capitão da seção Fala, Atleticano!

4 comentários:

  1. Patric é um cara legal, só isso. Tem um parafuso a menos. Que Emerson entre logo nesse time, pois o sistema defensivo do Galo não vale nada.

    ResponderExcluir
  2. Contra tudo e contra todos? Ah!..
    .

    ResponderExcluir
  3. Não gosto dos laterais do Galo. Considero-os com pouquíssimos recursos técnicos, pois atrapalham-se tanto na defesa quanto no ataque, mas, como há quem diga de Fábio Santos é craque, isso é muito subjetivo, por isso mesmo, vamos tomando alguns calmantes antes, durante e após os jogos do nosso querido Atlético.

    ResponderExcluir
  4. Neste jogo contra o SP achei que o Patrik já era deles, afinal já deu um belo retorno só pela especulação, ganhou um contrato novo e o São Paulo um ponto as cistas dele. Foi toma lá dá cá.

    ResponderExcluir