25/05/2018

Thiago Larghi lidera aproveitamento pós-Cuca

Vinícius Dias

Defendendo a liderança do Campeonato Brasileiro, Thiago Larghi completará neste sábado, diante do Flamengo, na Arena Independência, seu 27º jogo à frente do Atlético. O fluminense, que chegou como auxiliar de Oswaldo de Oliveira, tem o melhor aproveitamento entre os oito técnicos que passaram pelo alvinegro após a saída de Cuca. Campeão da Libertadores e bi estadual, Cuca comandou o Galo entre 2011 e 2013.


Em 26 confrontos, entre Campeonato Mineiro, Copa do Brasil, Sul-Americana e Campeonato Brasileiro, Thiago Larghi soma 14 vitórias, seis empates e seis derrotas, com 61,5% de aproveitamento. O antecessor Oswaldo de Oliveira, por exemplo, deixou o cargo com 55%. Os piores números desde 2014 são de Rogério Micale, que permaneceu por apenas 13 jogos e somou 46,2% dos pontos disputados à frente do Atlético.

Interino, Larghi tem 61,5% no Galo
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Em meio à alta rotatividade desde a saída do comandante da maior conquista da história do clube alvinegro, Thiago Larghi também já superou três profissionais em número de partidas: Paulo Autuori, Rogério Micale e Oswaldo de Oliveira. Na 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, a última antes da pausa para a Copa do Mundo, será a vez de ultrapassar Diego Aguirre, que disputou 31 duelos. O recordista é Levir Culpi, com 113.

Números à frente do Atlético - desde 2014:

Thiago Larghi (2018) - 26 jogos - 14v, 6e, 6d / 61,5%
Paulo Autuori (2014) - 23 jogos - 11v, 9e, 3d / 60,9%
Levir Culpi (2014/2015) - 113 jogos - 61v, 22e, 30d / 60,5%
Roger Machado (2017) - 43 jogos - 23v, 9e, 11d / 60,5%
Diego Aguirre (2016) - 31 jogos - 16v, 7e, 8d / 59,1%
Oswaldo de Oliveira (2017/2018) - 20 jogos - 8v, 9e, 3d / 55%
Marcelo Oliveira (2015) - 42 jogos - 18v, 14e, 10d / 54%
Rogério Micale (2017) - 13 jogos - 5v, 3e, 5d / 46,2%

3 comentários:

  1. Porque o Roger e o Micale tem os mesmos números mas % diferente?

    Roger Machado (2017) - 43 jogos - 23v, 9e, 11d / 60,5%

    Rogério Micale (2017) - 43 jogos - 23v, 9e, 11d / 46,2%

    ResponderExcluir
  2. Na verdade, o erro era de digitação. Já corrigido:

    Roger Machado (2017) - 43 jogos - 23v, 9e, 11d / 60,5%
    Rogério Micale (2017) - 13 jogos - 5v, 3e, 5d / 46,2%

    Agradecemos o alerta.

    ResponderExcluir
  3. eu penso que essas comparações sao parecidas com comparações entre "quantas caras vou tirara de jogar cara ou coroa 50 vezes"... isso tudo é muito relativo, depende do time, da situação dos jogos, do entrosamento dos jogadores... enfim, técnico bom é aquele q nao atrapalha.. na minha humilde opiniao, o que faz o resultado em campo são os jogadores e o entrosamento entre eles

    ResponderExcluir