31/05/2018

A greve atleticana: de futebol ou competência?

Alisson Millo*

Otero já se despediu. Sorte dele. Não teve que jogar contra o Sport, nessa quarta-feira. O Atlético parecia um time juvenil. Repetindo erros infantis, conseguiu virar na Ilha do Retiro e, ainda assim, perdeu por 3 a 2. O Galo teve a liderança do Campeonato Brasileiro nas mãos em duas oportunidades e deixou escapar por bobagem. Talvez seja a cabeça cheia pela recente derrota na Arena Independência, mas a paciência está quase acabando. Greve de futebol ou de competência? Qual é o problema?


Se você já jogou algum simulador de futebol, certamente sabe o que o time do Atlético está vivendo. São milhões de finalizações, domínio, pressão e resultado negativo ao fim dos 90 minutos. Caso você nunca tenha jogado Fifa, Football Manager ou o clássico Elifoot, procure Celtic x Barcelona, de 2012, e entenderá. Parece um jogo em que a máquina decide que você não fará gol e nem vencerá o adversário de forma alguma. No Galo, a máquina parece que nunca nos deixa ganhar. E olha que ainda fizemos dois.

De (re)virada: Galo caiu em Recife
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Mas voltemos ao assunto Otero. Por mais que não fosse unanimidade entre a torcida, é um jogador que fará falta. O cotado para substituí-lo é Denílson, do Vitória. Atacante de lado de campo, uma aposta, mais uma em que a diretoria jogará a responsabilidade de conquistar o Brasileirão. Se for para apostar, dê chances ao Bruno Roberto mesmo sem ele estar preparado. Faça como fizeram com Alerrandro. Provavelmente, o Denílson é a reposição à altura que o diretor de futebol prometeu. Esperar o que de quem pensava 24 horas em Rithely e tirou Galdezani da reserva do Coritiba?

Queremos reforços, não apostas!

Quanto ao Thiago Larghi, ninguém sabe se vai ficar mesmo. Nem a própria diretoria deve saber. Mas o interino já deixou claro que o time precisa de reforços. Se o nível for esse, melhor economizar. De gastos desnecessários, já bastam Erik e Arouca, que vieram do Palmeiras e estão aí treinando muito e jogando pouco. A gente até faz força para entender a austeridade do presidente, mas sem elenco nenhum clube vai para frente. O treinador olha para o banco e vê um monte de garoto e um ou outro medalhão que já provou que não dará certo com a camisa do Atlético.

Larghi tem pouco a fazer com banco
(Créditos: Bruno Cantini/Atlético-MG) 

A intenção era que essa crônica fosse, digamos, um pós-jogo. Mas o que falar de uma partida em que o time jogou por 15 minutos? Saiu atrás, teve a sorte de sofrer apenas um gol no primeiro tempo, voltou mais ou menos e pressionou até virar, com muito suor. Depois, sofreu a reviravolta em três minutos. O que isso prova? A velha máxima de que 'quem não faz, toma'. E, como já lamentei acima, parece que o Atlético nunca fará.

Depois da derrota para o Flamengo, vi - e ri de - um meme de um torcedor perguntando se era possível ficar na primeira divisão com apenas 13 pontos. Não acredito que o Galo vá cair. Primeiro, porque há muito time pior. Segundo, porque nem estamos tão mal assim. Mas temos muito a melhorar antes de sonhar com qualquer coisa neste Brasileirão. Ajudem-nos, diretoria, jogadores e comissão técnica. Queremos rir sem medo.

*Jornalista. Corneteiro confesso e atleticano desde 1994.
Goleiro titular e atual capitão da seção Fala, Atleticano!

7 comentários:

  1. Concordo com o Alisson. Sem elenco não dá mesmo.Não ganhamos nada nos últimos três anos.15, 16, 17. E em 2018 não vamos ganhar nada. Ainda bem que o ano já está acabando, faltam só 7 meses.

    ResponderExcluir
  2. GIL COSTA
    31 de maio de 2018 às 08:25
    Não vamos nos iludir. Sem bons reforços não haverá milagres. A zaga do galo precisa de pelo menos um zagueiro que imponha respeito, pois essa que está jogando é uma zaga que chama gol. O elenco é limitadissimo e você olha pro banco e vê: Galdezani, Erik, Patric, Alerrandro e outros perebas. Estamos lascados. Pode ser que alguma coisa mude pra melhor, mas com essa também limitada e arrogante diretoria fica difícil.

    ResponderExcluir
  3. brigar pra não cair, está será a retórica deste ano. pura ilusão acreditar que está diretoria queira mesmo brigar pelo titulo

    ResponderExcluir
  4. Verdade Alisson. Importante ressaltar que o penal não ocorreu, se fosse a nosso favor duvido que o juiz (ou o bandeira) marcaria. Mas o fato é que precisamos de reforços. Precisamos estar na Libertadores'19 de qualquer forma. Uma vez até morrer!

    ResponderExcluir
  5. REalmente o time precisa de reforços ,mas o time está muito bem treinado e se analisarmos mesmo nas partidas que perdemos jogamos melhor porem por falta de um atacante matador ou até por falta de sorte não tivemos sucesso. acho que ainda estamos no pareo.

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente esse ano é torcer prá não cair, pois o elenco é muito limitado. Sem zaga, laterais e um ataque que não faz gol.

    ResponderExcluir
  7. Alisson o problema do Altet6ico parece ser falta de competência, seja de Diretoria, elenco , comissão técnica. vejo a falta desse atributo em todos os setores.
    Quanto à diretoria, trouxeram um monte de jogadores, alguns sabidamente sem condições de agregar qualidade ao time, se o momento não permite gastos vultosos e é de contenção de despesas, essas contratações de jogadores só pode revelar incompetências.
    Qu8nato ao elenco vimos em várias partidas , um time que não tem qualidade criativa no meio de campo ´we é incapaz de superar sistemas retrancados , além de perder gols quase feitos. o que isso demonstrar se não incompetência.
    quanto à Comissão Técnica , em várias partidas as substituições resultaram em piora do time - erro crasso. Além disso, após cinco meses o sistema defensivo do time parece que entra em campo dormindo e mantendo a postura de quase cinco anos de ser uma das piores defesas do times que disputam a séria A. será que há competência aí. Está duro de aguentar a situação do Atlético em 2018.

    ResponderExcluir