12/03/2018

A novela Rithely e um Atlético de incertezas

Vinícius Dias

Durante toda a semana, Rithely foi dado como reforço iminente nos bastidores do Atlético. Na manhã desse domingo, o Sport confirmou o empréstimo do volante até dezembro de 2019. Ao Internacional. À tarde, o time comandado por Thiago Larghi venceu por 1 a 0 o Tombense, na Arena Independência, fechando a primeira fase do Campeonato Mineiro com 18 pontos. Pior campanha no atual formato, terceiro lugar, a 11 pontos do líder Cruzeiro, confronto contra a URT nas quartas de final. Bastidores e campo que se conectam em uma era de incertezas.


Porque a tentativa por empréstimo, envolvendo a ida de dois jogadores para o Sport, foi mais uma malsucedida depois de o clube pernambucano ter recusado propostas de compra e empréstimo com direitos fixados em dezembro e janeiro. Mas, sobretudo, pelo recado: a dificuldade do Atlético, insistindo em um volante mediano, de detectar as reais carências. Como a zaga inconsistente, a lateral-direita que tem três opções, mas nenhum titular, e a armação de um time que não consegue propor - a peça pode ser Cazares, se o equatoriano for além dos brilharecos.

No Sport, Rithely disputa bola com Otero
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

Também porque, se a redução na folha salarial já chegou a quase R$ 2 milhões, a produção em campo caiu ainda mais. E o torcedor alvinegro, a dias do início dos mata-matas do estadual, com Copa Sul-Americana e Brasileirão batendo à porta, sequer sabe quem comandará o time na sequência da temporada. Carille foi sondado, mas seguiu no Corinthians. Enderson ficou no América. Cuca optou por trabalhar apenas depois da Copa do Mundo, já na 13ª rodada. Dos encaixes à marcação por zona, sonhos antagônicos e a realidade com Thiago Larghi interino há mais de um mês.

A novela Rithely diz muito sobre o início de ano do Atlético.
Que perde pouco. Mas insistiu por não saber aonde quer ir.

7 comentários:

  1. Sinceramente, não entendi nada deste post. Atlético de incertezas? O presidente já repetiu diversas vezes que está num ano de recuperação financeira e não pode (e não vai) gastar dinheiro em contratadores caras e fora do orçamento. Este é o Atlético da realidade. Time médio e lutador. A torcida e a imprensa vão ter de aceitar. Ou o Presidente é firme e mantém seu projeto ouro Galo se afunda de vez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No discurso, recuperação financeira. Na prática, três propostas por Rithely recusadas - uma delas de € 1,5 milhão. Se um valor desses, por jogador mediano, está no orçamento...

      Excluir
    2. É os ALTIANOS nunca mudam. Se tivessem contratado o RITHELEY, eles em coro únissono, iriam dizer que acabou de chegar em BH. a REENCARNAÇÃO DO TONINHO CEREZO. Mas como nao conseguiram, agora dizem que o cara não joga nada, é mediano etc e tal. É esses ALTIANOS nao mudam nunca.

      Excluir
  2. Ruim por ruim fica do jeito que esta, faz um acerto, com esse zagueiro velho e esse volante que nem na reserva ficam paga manda embora juntamente com esse lateral horroroso que contrataram este ano; ficam com resto mais a base, já que temos que contentar com isso: para de ficar falando que não contratou porque não tem dinheiro e ainda mais essas carroças que andam falando é melhor ficar do jeito que está, pois vamos aguentar o ano inteiro adversários (sarriando), o técnico fica com mesmo. Não tem outro no mercado mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Debaixo dos três paus temos Vitor, 35, tá aposentado(tal como o Prass),não sabe sair jogando e sai mal do gol; na lateral direita não temos ninguém que preste, “quociente de inteligência” igual a zero. Léo Silva "aposentadaço"; Gabriel é produto da mídia, simplesmente horrível, dá três botes e erra todos; Fábio Santos é outro super rodado e também à caminho do INSS. Enfim, todos do setor defensivo com sérios senões para a prática do futebol moderno. Maidana foi contratado para ser reserva? Depois analiso os outros setores, sem ter nada convincente. Temporada com nuvens negras no horizonte.Um alento: o título do Mineiro poderá vir, pelas vias da imprevisibilidade do futebol.

    ResponderExcluir
  4. Esse ano, no Brasileirão, é segunda metade da tabela e garrado com Deus pra não cair.

    ResponderExcluir